Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Extinções em massa da fauna acontecem em média a cada 27,5 milhões de anos

O intervalo entre extinções flutua, é claro, e nem todas chegam com a mesma força. Mas elas coincidem com desastres naturais como imensas erupções e impactos de asteroides – e astrônomos discutem se esses eventos seguem ou não alguma lógica.

Por Bruno Carbinatto 11 dez 2020, 20h14

Eventos de extinção em massa, que eliminam grande parte da biodiversidade da Terra, se repetem em ciclos com duração média de 27,5 milhões de anos. A aniquilição de um grande número de espécies coincide com impactos de asteroides e enormes erupções vulcânicas, que desequilibram ecossistemas por todo o globo e tornam o planeta um lugar bastante inóspito.

O novo estudo, feito por pesquisadores da Universidade de Nova York e publicado na revista Historical Biology, levou em consideração os dez últimos grandes eventos de extinção de animais terrestres, e incluiu mamíferos, anfíbios, répteis e pássaros na análise.

Anteriormente, cientistas já haviam calculado um número parecido (26 milhões de anos) para ciclos de extinção em massa de animais marinhos. Isso reforça a credibilidade do novo resultado: faz todo sentido que um evento catastrófico em nível global afete tanto os animais nas águas como os em terra firme. Das dez extinções em massa terrestres analisadas pelo novo estudo, oito aconteceram paralelamente a mortes massivas da vida marinha.

Com o desaparecimento inicial de algumas espécies, cadeias alimentares inteiras são desequilibradas, gerando um efeito dominó de mortes. Em apenas algumas dezenas ou centenas de milhares de anos – o que é muito pouco em escala geológica  – grandes porcentagens de toda a vida no planeta somem, abrindo espaço para novas espécies evoluírem e ocuparem os nichos ecológicos esvaziados. Estima-se que impressionantes 99% de todas as espécies que já existiram na Terra estão hoje extintas.

Há pelo menos cinco extinções em massa conhecidas por suas proporções enormes (um sexto evento pode estar acontecendo enquanto você lê esse texto). Entre elas está a famosa Extinção do Cretáceo-Paleógeno, que extinguiu 70% de todas as espécies existentes – incluindo quase todos os dinossauros (sobraram apenas aqueles que dariam origens às aves modernas), há cerca de 65 milhões de anos.

Nos períodos de tempo entre essas cinco extinções “notórias”, porém, outros eventos menores de extinções também aconteceram. De tempos em tempos, paleontólogos e geólogos anunciam a descoberta (às vezes controversa) de um novo episódio do tipo. A lista só aumenta.

Determinar a causa dessas extinções em massa não é nada fácil. No caso do evento que pôs fim aos dinossauros, há evidências suficientes para acreditar que a queda de um enorme asteroide na Península de Iucatã, onde hoje é México, foi a responsável. Mas nem sempre há consenso: a Extinção do Devoniano Superior, que ocorreu entre  383 e 359 milhões de anos atrás, sumiu com 75% das espécies da Terra – e não sabemos o porquê. Pesquisadores elencam como possibilidades uma combinação de impactos de asteroides, um era de glaciação, vulcanismo, e, mais recentemente, a explosão de uma estrela distante como possíveis responsáveis.

“Já se sabe que três das maiores extinções em massa de espécies terrestres e marinhas aconteceram ao mesmo tempo que os três maiores impactos [de asteroides] dos últimos 250 milhões de anos, capazes de causar desastres globais e, como consequência, aniquilações em massa”, explicou à SUPER Michael Rampino, autor principal do estudo.

Outros eventos encontrados pelos cientistas que coincidem temporalmente com as extinções em massa foram enormes erupções vulcânicas, que deram origem a formações geológicas modernas chamadas inundações de basaltos (grosso modo, uma imensa superfície coberta por lava solidificada).

Essas mega-erupções estão entre as maiores da história do planeta e poderiam ter desencadeado períodos de frio intenso (por causa do bloqueio do Sol pelas cinzas) e aumento da chuva ácida e destruição da camada de ozônio (por causa das substâncias liberadas na atmosfera). Em longo prazo, as consequências são aquecimento global, por causa do acúmulo de gases de efeito estufa, e oceanos mais ácidos e com menos oxigênio.

Continua após a publicidade

Em todas as oito ocasiões em que as extinções na terra e no mar coincidiram, os pesquisadores descobriram que houve uma megaerupção na mesma época.

O mistério da periodicidade

Parece estranho que a Terra tenha uma data quase definida para passar por eventos de morte massiva, e de fato é. Os pesquisadores do novo estudo, bem como os que já haviam calculado números parecidos para vida marinha antes, não sabem com certeza o que explica essa periodicidade. Mas há uma hipótese.

Alguns astrofísicos e pesquisadores, incluindo Rampino, acreditam que a previsão do tempo no Sistema Solar fica critica em ciclos de 26 a 30 milhões de anos, mais ou menos. Isso porque a nossa estrela passa por um ambiente particularmente “lotado” da galáxia, aumentando as chances de impactos de objetos na Terra.

“Normalmente, objetos com potencial para colisão orbitam o Sol na borda do Sistema Solar, longe da Terra. Mas, quando o Sistema Solar passa pelo disco “lotado”, a atração gravitacional combinada de estrelas visíveis, nuvens interestelares e da matéria escura invisível pode perturbar esses objetos e enviar alguns deles em caminhos alternativos, que cruzam a órbita da Terra”, explica Rampino.

A ideia não é consenso, porém, e não há evidências suficiente para prová-la definitivamente; alguns cientistas acreditam que haja outras explicações astronômicas para o ciclo observado, e outros sequer estão convencidos que há mesmo uma periodicidade, alegando que essas correlações entre eventos são espúrias (ou seja, não estabelecem relações de causa-efeito).

Se você chegou até aqui se perguntando onde estamos no ciclo de 27,5 milhões de anos, Rampino esclarece que estamos 20 milhões de anos longe da próxima extinçaõ em massa “prevista” por um meteoro ou atividade vulcânica. No entanto, vale lembrar que: o ciclo não é uma regra, o número não é exato e essas não são as únicas causas possíveis extinções em massa. De fato, vários cientistas acreditam que estamos vivendo um evento de morte massiva de espécies nesse momento, devido a ação do ser humano sobre o meio ambiente ao longo do Holoceno (a época atual, que começou há 11 mil anos).

 

 

 

 

Continua após a publicidade
Publicidade