Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Fraude de empresa americana causa prejuízo de US$ 700 milhões à Nasa

Fabricante de peças de alumínio falsificou relatórios de testes – e levou duas missões espaciais ao fracasso

Por Rafael Battaglia
Atualizado em 2 Maio 2019, 17h32 - Publicado em 2 Maio 2019, 17h17

Golpes e fraudes podem acontecer com qualquer um – até com a Nasa. Na última terça (30), a agência espacial norte-americana divulgou um relatório que mostra que falhas em duas missões, ocorridas no começo dos anos 2010, foram causadas por materiais defeituosos fornecidos por um fabricante de alumínio.

A investigação da Nasa revelou que a Sapa Profiles alterou o resultado de testes e falsificou os certificados de seus produtos empregados no foguete Taurus XL, que a agência usou em duas missões fracassadas: a do Observatório Orbital de Carbono (OCO) e a do satélite Glory.

O lançamento do OCO aconteceu em 2009. Ele foi projetado para monitorar o dióxido de carbono (CO2) na atmosfera da Terra, para entender melhor as mudanças climáticas do planeta. Um substituto, o OCO-2, entrou em órbita em 2014.

Já a falha com o Glory aconteceu em 2011. O satélite, assim como o OCO, também fora criado para ajudar no monitoramento do clima na Terra. Ele iria coletar uma série de dados a longo prazo: propriedades químicas da atmosfera, irradiação solar e concentração de aerossóis.

Em ambos os casos, a falha aconteceu porque a carenagem (envoltório protetor dos satélites) não conseguiu se separar do restante para que o equipamento seguisse viagem, o que fez com que eles caíssem, gerando um prejuízo de US$ 700 milhões para a Nasa.

Continua após a publicidade

O buraco é mais embaixo

Os acidentes atrapalharam significativamente o programa de ciências da Terra da agência espacial, e o avanço das investigações acabou incluindo não só outros departamentos da Nasa, como também o Departamento de Justiça dos EUA.

O trabalho conjunto destes órgãos chegou a uma conclusão preocupante. A Sapa falsificou milhares de certificações nos últimos 19 anos. Estima-se que centenas de clientes tenham sido prejudicados com isso.

No fim das contas, a fabricante de alumínio deverá pagar US$ 46,5 milhões para compensar os danos causados. A Nasa já suspendeu o contrato com a empresa, e há a possibilidade de a agência espacial não trabalhar mais com ela.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.