Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Mangue amazônico é mais eficiente em capturar CO2 do que a floresta terrestre

Nova pesquisa sobre a capacidade dos manguezais reforça a necessidade de conservação do bioma costeiro. Confira.

Por Eduardo Lima
Atualizado em 8 jul 2024, 11h24 - Publicado em 2 jul 2024, 18h00

Os manguezais são ecossistemas costeiros de transição entre a terra e o mar, característicos das regiões tropicais e subtropicais. A Amazônia tem a maior faixa de mangue do mundo, com uma área de cerca de 8 mil km².

Agora, um estudo publicado na Nature Communications mostra que, além de colaborar para a biodiversidade e preservação da floresta, os manguezais têm um papel essencial no sequestro de carbono da Amazônia.

A pesquisa, liderada por cientistas brasileiros, mostra que os mangues deveriam ser incluídos no programa REDD+ da ONU. A iniciativa é um mecanismo de remuneração para os países em desenvolvimento que conservam suas florestas de pé, evitando as emissões de gases de efeito estufa provenientes do desmatamento.

Incluir a conservação dos manguezais no REDD+ pode levar a reduzir três vezes mais as emissões de gases de efeito estufa do que se conservar só a zona terrestre da floresta Amazônica.

“A inclusão dos manguezais no REDD+ dentro do Brasil é importante, mas um aspecto a se tomar cuidado é o uso de projetos no mercado de carbono para greenwashing e bluewashing, que é como chamamos nesse caso de carbono costeiro”, explica Guilherme Abuchahla, pesquisador de manguezais do instituto Leibniz-ZMT, em Bremen, Alemanha, que trabalha com a preservação desses ecossistemas. Essas estratégias de “lavagem verde e azul” consistem em criar uma falsa fachada sustentável para uma empresa, enquanto continua degradando o meio ambiente.

Continua após a publicidade

Para o Guilherme, o REDD+ não é a coisa mais interessante para o mangue amazônico, área com pouca urbanização e desmatamento, porque o projeto não produziria tanto crédito de carbono, já que o risco de perder aquela área, não tão explorada quanto a floresta terrestre, é baixo. O programa da ONU visa muito mais projetos de restauração do que de conservação, que oferecem chances maiores de “remoção e redução de emissões”.

O estoque de carbono armazenado pelas plantas do mangue é quatro vezes maior do que o da Amazônia terrestre, evidenciando a importância de preservar esse ecossistema. Enquanto nos manguezais dois terços do carbono ficam armazenados no solo, a floresta só consegue sequestrar o gás pelas copas das árvores.

O que é sequestro de carbono?

As florestas e os oceanos são essenciais na luta contra a crise climática por causa de sua capacidade de sequestrar carbono. Organismos que fazem fotossíntese capturam o gás carbônico presente na atmosfera, estocam ele e liberam oxigênio. Dessa forma, os níveis de gases estufa na atmosfera diminuem.

O maior inimigo do sequestro natural de carbono é o desmatamento. Ele não só diminui o efeito de captura de gás carbônico como libera na atmosfera aquilo que as plantas e outros seres fotossintetizantes tinham acumulado e armazenado, especialmente nas copas das árvores.

As emissões de gases de efeito estufa no Brasil, um dos seis países que mais poluem no mundo, são majoritariamente causadas por desmatamento e mudança do uso do solo, transformando aquilo que era floresta em área agropecuária.

Continua após a publicidade

O mangue amazônico pode armazenar até 468 megatoneladas de carbono por hectare (Mg C/ha), enquanto a média da floresta terrestre é de apenas 129Mg C/ha. Os manguezais não eram vistos como tão importantes nos programas nacionais de redução de emissões, porque sua capacidade de captura de carbono não era conhecida até agora.

O mangue é muito menor do que o resto da floresta Amazônica, mas sua proteção pode ser, proporcionalmente, mais eficaz em impedir que o carbono sequestrado seja liberado na atmosfera. Cada 751 hectares de manguezais na Amazônia Legal podem valer por 82 mil hectares de mata secundária, que é aquela floresta que já foi usada para agricultura ou pastagem e depois teve sua vegetação regenerada.

No início de junho de 2024, o governo federal do Brasil anunciou a criação do ProManguezal, programa de conservação e uso sustentável dos manguezais brasileiros, para proteger mais as áreas desse ecossistema.

Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.