GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O poder das bolinhas

Os tratamentos com glóbulos de açúcar e soluções ultradiluídas, prescritos pela homeopatia, provocam desconfiança em muita gente. Mas atenção: pesquisas recentes sugerem que os remédios homeopáticos funcionam.

Jomar Morais

Há quatro anos, o químico Shui Yin Lo entrou pela primeira vez no laboratório de jatopropulsão do Instituto de Tecnologia da Califórnia, o Caltech, na cidade americana de Pasadena, com um crachá de pesquisador visitante na camisa e uma idéia ambiciosa na cabeça. Sua intenção: desenvolver um aditivo que iria revolucionar o desempenho dos motores de automóveis, tornando-os mais potentes e econômicos. À frente de uma equipe de físicos e químicos, Lo trabalhou duro por alguns meses, mas, no final, chegou a um resultado apenas razoável. Patrocinado pela American Technologies Group, empresa da Califórnia que depois o contrataria como seu diretor de pesquisa e desenvolvimento, ele concebeu a fórmula do The Force, um aditivo que, por não ser assim tão diferente dos concorrentes, acabou fracassando.

Se não conseguiu vincular seu nome a nenhum invento extraordinário no mundo dos transportes, o cientista saiu do Caltech como autor de uma descoberta que pode apressar o desfecho de uma das mais acirradas polêmicas da área médica: a controvérsia sobre a eficácia da homeopatia, sistema terapêutico criado no século XVIII pelo médico alemão Samuel Hahnemann.

Na contramão da medicina convencional – a chamada alopatia –, que combate enfermidades com remédios que provocam no organismo o oposto dos sintomas da doença –, a homeopatia surpreende ao prescrever tratamentos com substâncias que podem causar no homem sadio exatamente os sintomas do mal a ser debelado. Diante de alguém com dor de cabeça, um homeopata jamais receitará aspirina, um analgésico, como faria um médico alopata. Ao contrário, poderá indicar ao paciente uma solução à base de gelsêmio, planta venenosa que ataca os centros nervosos, provocando dor e disfunções mentais – é o que os homeopatas chamam de “princípio da similitude”. Outra diferença gritante da homeopatia em relação à prática médica habitual está no preparo dos remédios. Suas fórmulas são tão diluídas, que muita gente duvida que exerçam alguma ação no organismo.

Dificilmente uma dessas substâncias produziria dano a quem se expusesse a uma overdose ou tomasse o remédio errado, o que não ocorre, obviamente, se alguém ingerir por engano um comprimido contra hipertensão. Enfim, para um homeopata, a doença, qualquer que seja, é vista sempre como a manifestação de um desequilíbrio energético e não resultado da ação de bactérias e vírus, conforme ensina a medicina convencional. O remédio diluído seria, assim, o agente que ajuda a promover o reequilíbrio de um sistema de forças, estimulando as defesas naturais do organismo.

Estranho? Pode ser. Mas a cada dia cresce o número de pessoas que adotam os procedimentos homeopáticos e se dizem satisfeitas com os resultados no combate a diversas doenças. Só nos Estados Unidos, onde a tecnologia de ponta e a pesquisa intensiva sustentam a medicina alopática mais avançada do mundo, o total de homeopatas em atividade saltou de 300 para 5 000 nas últimas duas décadas, enquanto as vendas de bolinhas e gotinhas subiram 30%. No mesmo período, a Europa assistiu à multiplicação de clínicas e hospitais especializados e o Brasil, país onde atuam mais de 10 000 homeopatas, viu a homeopatia ser reconhecida como especialidade médica, com direito a representação no Conselho Federal de Medicina. Tamanho aumento da procura e os sinais de aprovação dos usuários, porém, não livraram os homeopatas de um velho incômodo: a oposição do establishment médico e da maioria dos pesquisadores, para os quais até agora ninguém conseguiu provar, à luz da ciência, que a homeopatia de fato funciona.

“Os remédios dinamizados (ultradiluídos), propostos por Hahnemann não passam de água pura ou bolinhas de açúcar. Homeopatia é fraude”, afirma Stephen Barret, membro do Conselho Nacional para Informações Confiáveis na Área da Saúde, de Allentown, Estados Unidos. O argumento de Barret é o de que exames químicos nunca identificaram nas fórmulas homeopáticas uma única molécula de essência medicinal. A recuperação de pacientes medicados com tais substâncias, segundo os críticos, só pode ser atribuída a erros de avaliação ou ao efeito placebo – a cura psicológica que ocorre quando o paciente se convence de que irá melhorar, mesmo que o medicamento seja inócuo. Os homeopatas sempre tiveram aí o seu calcanhar-de-aquiles. A impossibilidade de comprovar em laboratório conceitos como força vital e transporte de informação energética, usados para explicar a ação dos medicamentos dinamizados, constitui o maior obstáculo ao diálogo entre a homeopatia e a medicina alopática moderna, baseada em evidências.

Mas é justamente esse impasse que pode ter ficado mais próximo do fim após o achado de Shui Yin Lo.

Lo queria somente encontrar o aditivo perfeito; mas, ao estudar o comportamento molecular da água em soluções que ultrapassam o número de Avogadro – a lei da química segundo a qual depois da décima segunda diluição não existem mais moléculas da substância dissolvida presentes no líquido diluente –, ele percebeu que se encontrava em outra trilha. Através das lentes do microscópio eletrônico, o químico descobriu que as moléculas de água, normalmente dispostas de modo aleatório em estado normal, após a ultradiluição passaram a formar “cachos” de seis a 100 unidades, todos alinhados de forma original e exibindo características específicas, como campo elétrico singular e adesão firme a superfícies. Ainda mais impressionante é o fato de que tais cachos se replicavam a cada nova diluição, mesmo que na água não mais existissem resquícios da substância adicionada no início.

Não se trata de uma experiência isolada. Em novembro passado, o químico alemão Kurt Geckeler e seu colega Shashadhar Samal esbarraram em efeito semelhante ao estudar o comportamento de diluições de fulerenos – um material formado por átomos de carbono – no Instituto de Ciência e Tecnologia de Kwangju, na Coréia do Sul. Eles constataram que a cada nova diluição mais as moléculas se aglomeravam. O mesmo fenômeno foi observado em diluições de moléculas orgânicas, como a ciclodextrina, e inorgânicas, como o cloreto de sódio. Ou seja, há uma base cada vez mais firme para a crença contra-intuitiva de que uma substância pode se tornar mais potente ao ser diluída e a de que uma molécula ultradiluída pode mesmo alterar as propriedades da água.

Em outro estudo recente, realizado na Universidade da Califórnia, em Los Angeles, o imunologista Benjamin Bonavida constatou que a água com cachos moleculares – descoberta por Lo – possui outra característica, não menos surpreendente: a solução é capaz de estimular células do sistema imunológico, em tubos de ensaio, até 100 vezes mais do que água pura, revelando assim uma atividade biológica que ainda está para ser explicada.

Essas novas pesquisas deram impulso aos que querem ver a homeopatia reconhecida pela ciência. Em suas diluições, Lo usou as mesmas técnicas da farmacotécnica homeopática, como os movimentos centesimais, sempre rompendo a barreira do número de Avogadro. “A pesquisa mostra que as soluções homeopáticas não são água comum, mas um líquido alterado em sua estrutura que realmente pode modificar tecidos, órgãos e todo o corpo”, afirma William Gray, homeopata de San Francisco, Estados Unidos, e autor do livro Homeopathy: Science or Myth? (“Homeopatia: ciência ou mito?”, não traduzido para o português). Desde o início, a teoria homeopática tem afirmado que, nas soluções ultradiluídas, a água guarda a “imagem” do soluto (a substância dissolvida), tornando-se um veículo de transmissão de suas propriedades ainda que não mais contenha moléculas da substância original.

A experimentação clínica também já havia dado a Hahnemann, no século XVIII, a certeza de que quanto mais diluída a fórmula, maior a sua potência medicinal, algo que só agora ganha uma explicação aceitável pela ciência acadêmica, com a descoberta dos cachos auto-replicantes.

Os novos estudos não estão imunes a críticas de quem exige mais provas em favor da homeopatia. “Dizer que essa experiência comprova a eficácia dos remédios homeopáticos é uma tolice”, afirma Barret. “Se uma simples molécula de alguma substância pode imprimir à água propriedades medicinais, então teremos de admitir que ao tomarmos um copo d’água estamos ingerindo um remédio poderoso e de efeito imprevisível”, diz (os homeopatas rebatem afirmando que as fórmulas dinamizadas utilizam água destilada e são submetidas a vigorosos movimentos que facilitam a transferência da informação molecular). O próprio Bonavida prefere admitir que o fato de a água com cachos apresentar atividade imunobiológica não significa necessariamente a comprovação definitiva dos preceitos homeopáticos.

De qualquer modo, os experimentos colocam a homeopatia mais próxima da validação científica. No passado, outras pesquisas do gênero não exibiram o mesmo vigor. Há 13 anos, o biólogo Jacques Beneviste, pesquisador do renomado instituto francês Inserm, chamou a atenção da comunidade médica ao publicar na revista Nature seus estudos com uma solução ultradiluída de soro contra imunoglobulina que sugeriam a existência de uma certa “memória da água”. A teoria acabou esbarrando no rigor dos cientistas. Na época, Beneviste disse ter comprovado um efeito imunobiológico da solução sobre células brancas do sangue, em comparação com grupos de controle – uma descoberta que, por inferência, confirmaria a ação dos fármacos homeopáticos no organismo. Mas a experiência não pôde ser repetida por outros pesquisadores e acabou descartada no circuito acadêmico.

Outro ponto polêmico da homeopatia, a cura pela lei dos semelhantes, também ganhou nos últimos tempos explicações atualizadas. O princípio da similitude não é uma invenção de Hahnemannn e sim do filósofo grego Hipócrates (460-377 a.C.), considerado o pai da medicina. Sua utilização em homeopatia, no entanto, sempre ocorreu de modo empírico, já que até há pouco nenhuma teoria conseguia mostrar de forma plausível como a cura pelo semelhante podia acontecer. Agora, busca-se uma resposta a partir das reações do organismo aos próprios medicamentos alopáticos, cuja atuação se baseia na lei dos contrários.

A hipótese preferida dos homeopatas é a de que a cura decorre da reação secundária do organismo à substância farmacológica – o chamado efeito rebote. O exemplo mais comum desse fenômeno é a exacerbação dos sintomas de algumas doenças sempre que o paciente suspende a medicação que vinha tomando ou passa a tomá-la de modo irregular. Isso acontece com as drogas utilizadas para controlar a hipertensão arterial, os tranqüilizantes e antidepressivos, os broncodilatadores e até com antiácidos empregados contra gastrites e úlceras. Num esforço para manter a homeostase – o equilíbrio do meio interno –, nessas ocasiões o organismo reage promovendo sintomas opostos aos esperados com a aplicação do remédio.

“O efeito rebote é a reação da energia vital, que pode ser estimulada pelo medicamento homeopático sem os incômodos dos remédios alopáticos”, diz Célia Barollo, diretora da Associação Paulista de Homeopatia. Essa relação é discutida no livro Semelhante Cura Semelhante, do homeopata Marcus Zulian Teixeira, mas a hipótese de que ela explica a cura pelo princípio da similitude suscita divergências entre os próprios homeopatas. “As doses infinitesimais jamais provocam reação secundária”, afirma Romeu Carillo Júnior, diretor da Associação Brasileira de Reciclagem e Assistência em Homeopatia (Abrah) e responsável pelo curso de pós-graduação em Homeopatia do Hospital do Servidor Municipal de São Paulo. “Esta, aliás, é a grande vantagem da experimentação com doses dinamizadas, uma vez que os sintomas obtidos são provocados apenas pelo efeito primário do medicamento.”

Se fosse o contrário, exemplifica Romeu, um paciente com insônia medicado com Coffea cruda (café), o remédio homeopático para esse tipo de distúrbio, passaria a ter sonolência – a reação secundária do organismo – e não o restabelecimento do sono fisiológico, sem excesso. A tradição homeopática ensina que as fórmulas diluídas devem apenas promover o reequilíbrio da “energia vital”, despertando a reação natural do organismo. As descompensações acontecem, segundo Romeu, devido ao bloqueio de vias que interligam os sistemas funcionais que compõem o organismo – e, nesse caso, o remédio dinamizado atua como agente estimulador do desbloqueio. Sua presença seria captada por receptores biológicos em níveis celular e extracelular, previamente sensibilizados pela própria doença.

A verdade é que, apesar do aumento recente de estudos clínicos nessa área, a homeopatia ainda carece de um suporte razoável de pesquisas realizadas sob critérios aceitáveis pela ciência oficial. Seus críticos cobram mais ensaios do tipo duplo-cego, aqueles nos quais o resultado obtido com pacientes tratados com o remédio é comparado ao de um grupo de controle em que os doentes tomaram placebo sem que nem os pacientes nem os pesquisadores saibam qual é qual. O neurocientista Renato Sabbatini, da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), afirma que, entre mais de 4,5 milhões de estudos médicos e biológicos arquivados na Medline, uma base de dados produzida pela Biblioteca Nacional de Medicina dos Estados Unidos, referentes ao período 1972-1997, encontrou apenas 61 pesquisas sobre homeopatia que obedecem o padrão científico.

Destas, só quatro atestavam uma ação dos remédios homeopáticos superior ao placebo em casos de diarréia infantil, inflamação de ouvidos, coceira e irritação da pele provocadas por picadas de mosquito. É ainda muito pouco para atestar a eficiência da homeopatia. Há também indícios de que a terapia funciona contra rinite alérgica.

Os homeopatas admitem a escassez apontada por Renato, mas alegam que isso acontece porque as instituições de pesquisa e os grandes laboratórios farmacêuticos se recusam a patrocinar estudos relacionados à homeopatia. O obstáculo se repete nas universidades, onde se contam nos dedos as faculdades de medicina que têm a homeopatia em sua grade curricular. O critério de estudo duplo-cego também é contestado. “Isso hoje é discutível”, diz Romeu. “Artigos recentes da revista Science revelaram que grupos tratados apenas com placebos apresentam diferença de resultados bastante significativa, o que torna o método passível de crítica.”

À margem do debate acadêmico, os usuários que engrossam as estatísticas homeopáticas aqui e lá fora aderem aos seus tratamentos motivados por atrativos que têm a ver, sobretudo, com a qualidade de vida. Ao contrário da medicina convencional, a homeopatia não é uma terapêutica invasiva, dispensando cirurgias, exames incômodos e drogas que provocam efeitos colaterais quase sempre perigosos. Sua abordagem é sistêmica e tem como foco o paciente e não a doença em si – detalhe que faz toda a diferença na relação médico-paciente. Ela é muito mais próxima e afetuosa do que na medicina alopática, cujos diagnósticos dependem hoje mais da tecnologia que da acuidade do médico. Uma consulta homeopática pode envolver perguntas sobre hábitos do dia-a-dia, incluindo até questões prosaicas como sonhos ou a sensação experimentada pelo paciente no pôr-do-sol. A importância dada aos sintomas mentais é tanta que a conversa com o homeopata, muitas vezes, assemelha-se a uma sessão com o psicológo.

Ah! Há outro detalhe: a homeopatia é barata. O preço de um frasco com glóbulos homeopáticos (as bolinhas de açúcar) varia de 7 a 10 reais. Já uma caixa de antibiótico… bem, você sabe.

Quando surgiu, há mais de 200 anos, a homeopatia significava um enorme progresso em relação à medicina da época, notável por suas técnicas torturantes, como as sangrias, prática que consistia em drenar o doente para extrair até dois terços do seu “sangue impuro”. Só por milagre alguém conseguia escapar. Em meio a esse teatro de horrores, a aceitação da homeopatia foi rápida e ampla, ao ponto de, no início do século passado, um em cada seis médicos nos Estados Unidos ser homeopata. A situação mudou com a descoberta dos antibióticos e as vacinações em massa, que consolidaram a crença de que a tecnologia moderna era capaz de vencer sozinha a doença. Apesar dos desencontros doutrinários entre as duas vertentes da medicina ocidental, é provável que se esteja caminhando agora rumo ao equilíbrio. “Conforme o caso, os tratamentos alopático e homeopático não são incompatíveis”, afirma Célia.

“Se o paciente necessita de uma terapia de reposição, como a insulina e o hormônio tireoideano, o caminho é a prescrição alopática.” A recíproca também tem sido verdadeira, segundo o cardiologista homeopata Rafael Karelisky, de São Paulo. “Todos os dias recebo em meu consultório pacientes encaminhados por colegas da medicina convencional”, diz. Se essa tendência persistir, talvez o médico do futuro nem ao menos venha a ser rotulado de alopata ou homeopata pelo simples fato de enquadrar-se no perfil proposto por Antonio Cesar Deveza Silva, um homeopata paulistano: ele será um profissional que domina todas as formas de medicina e sabe usar, com precisão, a mais adequada a cada caso.

Como se faz um remédio homeopático

A preparação de um remédio homeopático começa com a medição das substâncias, na proporção de uma parte da essência medicinal para 99 partes de um diluente. O processo compõe-se de quatro etapas. Para entendê-lo, tomemos por modelo a fabricação da arnica, um dos dez remédios homeopáticos mais usados no Brasil, receitado em casos de traumatismos, feridas e choque emocional. O medicamento é produzido a partir da planta de mesmo nome.

1 – Trituração

Uma parte de arnica (no caso, fragmentos da planta inteira moída) é adicionada a 99 partes de lactose, o açúcar do leite, e, a seguir, macerada durante alguns minutos. Imagine-se que dispomos de 1 grama de arnica. Ela deve ser misturada a 99 gramas de lactose. Essa etapa é dispensável quando a substância básica é líquida. Então, já no início obtém-se uma tintura-mãe com uma solução de água destilada e álcool, obedecendo sempre à proporção centesimal.

2 – Diluição

Uma parte da mistura arnica-lactose é agora dissolvida em um frasco com 99 partes de solução alcoólica, permitindo que se faça a primeira sucussão. Isto é, a agitação da mistura em 100 movimentos verticais que têm por objetivo “dinamizar” o remédio, de acordo com o jargão homeopático. Até hoje ninguém sabe dizer por que Hahnemann estabeleceu esse número de movimentos, mas ele é obrigatório para que se atinja a dinamização adequada.

3 – Novas diluições

Repete-se, então, o ritual da diluição e da sucussão, juntando-se uma parte da substância medicinal dissolvida a outras 99 de uma nova solução de água e álcool. Outras dinamizações serão feitas conforme a potência que se queira dar ao remédio. A partir da décima segunda diluição, a química afirma não mais existirem no líquido quaisquer resquícios da substância original, mas, segundo a homeopatia, restaria – nas moléculas alteradas da água – a “imagem” da molécula do princípio ativo, que irá sensibilizar os receptores orgânicos. Quanto mais dinamizações, mais forte o medicamento, dizem os homeopatas. Alguns remédios chegam a ser diluídos 1 000 vezes.

4 – Veiculação

A fórmula está pronta e agora é preciso escolher o suporte pelo qual ela chegará ao usuário. Pode ser em forma de gotas, glóbulos de açúcar (impregnados com o líquido dinamizado), tabletes e cremes. O número seguido da sigla CH (centesimais de Hahnemann), que aparece na embalagem, indica o grau de dinamização do medicamento. Por exemplo: 36CH significa que aquela porção original de arnica foi diluída 36 vezes, sendo submetida a 3 600 movimentos durante o processo.

Plantas e animais

A exemplo do que acontece na alopatia, a maioria dos remédios homeopáticos é preparada a partir de plantas – algumas delas nativas do Hemisfério Norte e desconhecidas no Brasil. Há, porém, preparados com minerais, secreções animais – como veneno de cobra – e até com animais inteiros triturados. A farmacopéia homeopática compõe-se atualmente de mais de 3 000 itens, cada um identificado por seu nome em latim, de acordo com a tradição iniciada por Samuel Hahnemann. O critério para escolha da substância é o de que ela seja capaz de produzir no homem sadio sintomas semelhantes aos da doença que se pretende atacar.

Farmácia natural

Eis algumas das substâncias usadas e suas indicações terapêuticas

Substância

Vegetais – Arnica montana (arnica ou espirradeira)

Indicação terapêutica – Traumatismo, ferida, queimadura, hematoma, choque emocional

Vegetais – Belladonna (beladona)

Indicação terapêutica – Febre elevada

Vegetais – Bryonia (lúpulo selvagem)

Indicação terapêutica – Prisão de ventre, inchaço nas articulações e seios, dor de dente

Vegetais – Chamomilla (camomila)

Indicação terapêutica – Incômodo da dentição infantil

Vegetais – Digitalis (dedaleira)

Indicação terapêutica – Insuficiência cardíaca

Vegetais – Gelsemium (gelsêmio)

Indicação terapêutica – Dor de cabeça, prisão de ventre e resfriado

Vegetais – Hamamelis (hamamélia)

Indicação terapêutica – Ferida não supurada

Vegetais – Hypericum (erva-de-são-joão)

Indicação terapêutica – Ferida e lesão acompanhadas de dores fortes, lesões nos nervos

Vegetais – Ipeca (ipecacuanha)

Indicação terapêutica – Náuseas e vômitos

Vegetais – Opium (ópio)

Indicação terapêutica – Torpor, formigamento, mau funcionamento do intestino

Substância

Secreções animais – Crotalus horridus (veneno da cascavel americana)

Indicação terapêutica – Dengue

Secreções animais – Pirogenium (substância produzida por células que eleva a temperatura corporal)

Indicação terapêutica – Infecção generalizada

Substância

Animais triturados – Apis mellifica (abelha)

Indicação terapêutica – Alergia a picada de abelha, urticária

Substância

Minerais – Antimonium tartaricum (antimônio tartárico)

Indicação terapêutica – Tosse com insuficiência respiratória

Minerais – Phosphorus (fósforo)

Indicação terapêutica – Complicações da vesícula, hemorragias

Minerais – Silicea (cristal de rocha)

Indicação terapêutica – Infecções com presença de corpo estranho

Para saber mais

Na livraria

Homeopatia, Medicina Interna e Terapêutica

Romeu Carillo Junior, Editora Santos, São Paulo, 2000.

Medicina Quântica

Victor Mattos, Corpo e Mente, Curitiba, 2001.

Homeopathy: Science or Myth?

Bill Gray, North Atlantic Books, Estados Unidos, 2000

Semelhante Cura Semelhante

Marcus Zulian Teixeira, Editorial Petrus, São Paulo, 1998

Na internet

www-2.cs.cmu.edu/~dst/ATG/lo-iestru.html

http://www.nib.unicamp.br/recursos/homeopatia