Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

O tomate indestrutível

Ele foi desenvolvido por cientistas brasileiros a partir do tomate selvagem, que existia no século 16 - e é praticamente invulnerável a pragas, dispensando o uso de agrotóxicos

Por Bruno Garattoni e Eduardo Szklarz Atualizado em 23 abr 2019, 19h16 - Publicado em 21 abr 2019, 18h51

Ele é gostoso, nutritivo e tem cinco vezes mais licopeno, um antioxidante que ajuda a prevenir o câncer de próstata. Mas, acima de tudo, é forte: resiste a pragas mesmo sem o uso de agrotóxicos. Esse “supertomate” é fruto de uma pesquisa do geneticista argentino Agustín Zsögön, da Universidade Federal de Viçosa (UFV), e do botânico brasileiro Lázaro Peres, da USP, em colaboração com as universidades de Minnesota (EUA) e Münster (Alemanha).

Quando os espanhóis levaram o tomate para a Europa, no começo do século 16, ele era muito diferente. Tinha frutos bem pequenos, resistência natural a secas, geadas, doenças e insetos, jeitão de erva daninha e fama de ser venenoso (tanto que muitos o cultivavam apenas como planta decorativa). Com o tempo, percebeu-se que não era assim, e os agricultores foram cruzando tomateiros até chegar ao que temos hoje: tomates enormes e bonitões, mas meio sem gosto, e vulneráveis a pragas.

Para tentar resolver isso, os pesquisadores brasileiros refizeram a evolução dessa planta. Pegaram o tomate selvagem, como ele era no século 16, e usaram engenharia genética para modificá-lo. O processo, batizado de “domesticação de novo”, é rápido e eficiente porque os cientistas já conhecem os genes que desejam selecionar. Numa única geração de plantas (de mãe para filhas), eles selecionaram o que a agricultura levou séculos para conseguir. “Pegamos [o que era] praticamente uma erva daninha e reduzimos seu porte, aumentamos sete vezes o número de flores, triplicamos o tamanho do fruto e ampliamos em cinco vezes o teor de licopeno”, diz Agustín.

A técnica usada foi a CRISPR, que usa enzimas para cortar genes da fita de DNA. A planta responde ao corte reparando a fita, mas a colagem não é perfeita: alguns erros aparecem na sequência de DNA, silenciando os tais genes. O resultado é uma planta geneticamente modificada – mas não transgênica, já que nenhum gene novo foi introduzido. Por enquanto, a ideia foi apenas testar a técnica, mas os cientistas dizem que seria possível levar o supertomate ao mercado. “Em poucas gerações, é possível ter uma escala de produção”, afirma Agustín.

Continua após a publicidade

Publicidade
Ciência
O tomate indestrutível
Ele foi desenvolvido por cientistas brasileiros a partir do tomate selvagem, que existia no século 16 - e é praticamente invulnerável a pragas, dispensando o uso de agrotóxicos

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade