Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

“Peneira” de grafeno torna água do mar potável

Material mais fino e resistente do mundo pode ser a solução para a falta de água doce

Por Guilherme Eler
Atualizado em 4 abr 2017, 18h59 - Publicado em 4 abr 2017, 18h59

Pesquisadores ingleses conseguiram desenvolver uma técnica simples para tornar a água do mar própria ao consumo humano: utilizar o óxido de grafeno para fazer uma espécie de peneira, capaz de filtrar partículas diminutas. O estudo vem sendo desenvolvido desde 2004 na Universidade de Manchester, e foi publicado na revista científica Nature Nanotechnology.

Primo do diamante e do carvão, o grafeno é composto por uma camada extremamente fina de carbono, com espessura de um único átomo. Na verdade, são átomos de carbono dispostos na forma de uma rede hexagonal – algo como os gomos de uma bola de capotão. Essa estrutura confere ao grafeno resistência e flexibilidade e, de quebra, uma boa capacidade de conduzir eletricidade e calor. Pesquisas anteriores já demonstravam, inclusive, o potencial do material para a purificação de água.

No entanto, as boas perspectivas esbarram na dificuldade de se produzir grafeno em larga escala. Para tanto, é preciso alterar a composição molecular do material, algo que você só consegue com técnicas complexas, como difração de raios-x e microscopia eletrônica. O grupo focou, então, na obtenção do óxido de grafeno, derivado que pode ser mais facilmente sintetizado em laboratório.

A capacidade de membranas de óxido de grafeno em reter partículas nunca tinha sido testada com sucesso no processo de dessalinização da água. Isso obrigou os cientistas a fazerem adaptações, de modo que a peneira ganhasse a capacidade de filtrar sais comuns.

Quando em contato com água, o óxido de grafeno incha, permitindo a passagem de moléculas indesejadas. Isso foi corrigido com a utilização de resinas nas paredes da membrana. A técnica permitia aos pesquisadores controlar a capacidade de filtragem, liberando a passagem de mais ou de menos sal. Segundo os cientistas, a peneira de óxido de grafeno foi capaz de barrar até 97% dos íons de cloreto de sódio, o grande componente do sal marinho.

O próximo passo do grupo é encontrar formas de manter a produção de membranas de óxido de grafeno a baixo custo também em escala industrial. A técnica é cotada para substituir outros métodos de desalinização, como destilar água do mar, que seguem pouco viáveis economicamente.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.