Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Transfusão de sangue reverte a menopausa – e faz mulher voltar a ser fértil

Nova técnica pode revolucionar a reprodução humana, mas também traz riscos

Por Bruno Garattoni Atualizado em 31 out 2016, 19h04 - Publicado em 22 jul 2016, 17h15

Quando as mulheres entram na menopausa, geralmente entre 45 e 55 anos, deixam de produzir óvulos – e, por isso, não podem mais ter filhos. É parte do ciclo natural da vida. Mas uma nova técnica pode reescrever essa história. Graças a ela, uma mulher que estava há 5 anos na menopausa voltou a produzir óvulos – um dos quais foi fertilizado e deu origem a um embrião humano.   

A técnica foi criada pelo ginecologista grego Konstantinos Sfakianoudis, que a apresentou no congresso anual da European Society of Human Reproduction. Ela consiste em tirar sangue da própria pessoa e colocá-lo numa centrífuga. A rotação da centrífuga separa os componentes do sangue e produz o chamado plasma rico em plaquetas (PRP): plasma sanguíneo com uma concentração anormalmente alta de plaquetas, 5 vezes maior que a normal. Aparentemente, o PRP acelera a regeneração de tecidos, e por isso tem sido usado, de forma experimental, para tratar lesões em músculos e articulações.

Sfakianoudis teve a ideia de injetar PRP nos ovários da paciente. Deu certo: seis meses depois, ela voltou a produzir óvulos. Um foi coletado e fertilizado (com espermatozóides do marido da paciente), dando origem a um embrião humano, que atualmente está congelado. Os cientistas dizem ter conseguido coletar mais dois óvulos da paciente, que também serão fertilizados – e implantados no útero para que ela engravide. Segundo a equipe, a técnica foi usada com sucesso em mais 30 mulheres, todas entre 46 e 49 anos.

Não se sabe como o PRP atua nos ovários, mas acredita-se que ele estimule a ação de células-tronco. O anúncio tem gerado discussão entre especialistas, que acusam a equipe grega de colocar pacientes em perigo por não testar a técnica em animais primeiro. Outro ponto a levantar debate são os riscos envolvidos  em gravidezes muito tardias – quanto maior a idade da gestante, maior o risco de complicações para ela e para o feto.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês