GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Um dom de gênio

Aqueles que identificam de ouvido qualquer nota musical provocam espanto até entre os músicos. Agora, esse poder misterioso - o ouvido absoluto - começa a ser decifrado nos seres humanos e nos pássaros canoros. E há cientistas que acham que ele é acessível a qualquer mortal.

Nelson Jobim, de Londres

Muito antes de ficar famoso pelas Bachianas Brasileiras e outras obras-primas da música erudita, Heitor Villa-Lobos já era um menino prodígio, violoncelista profissional aos 12 anos de idade. Mas seria impossível dizer quanto desse talento precoce já tinha nascido com ele. Desde cedo, o genial compositor foi educado pelo pai, músico amador dos mais apaixonados – e professor ultra-rigoroso. Parte de seu método consistia em obrigar o filho a identificar quais notas musicais eram emitidas em qualquer som ambiente, do pio de um passarinho ao freio de um trem. E, toda vez que errava – crock! –, o pobre Heitor entrava no cascudo.

Agora a Ciência está descobrindo, tal como no caso do maestro brasileiro, que o ouvido absoluto não é um dom divino, mas algo que pode ser adquirido por meio de treinamento, desde que feito na infância. Até há pouco, acreditava-se que ele era um privilégio inato e raríssimo, prerrogativa de uma em cada 10 000 pessoas. Essa visão começa a ser derrubada. Há pesquisadores que acham até que todos nascemos com esse potencial.

A educação do ouvido começa cedo

É fácil para um professor de música reconhecer os alunos que têm ouvido absoluto. Essa tribo superdotada costuma sofrer da compulsão de identificar musicalmente qualquer ruído. Há até uma anedota a respeito do compositor austríaco Wolfgang Amadeus Mozart (1756-1791) quando jovem. Uma vez ele teria exclamado “Sol sustenido!” ao ouvir o guincho de um porco.

Mozart, a mais célebre criança prodígio na história da música, tinha em comum com Villa-Lobos um pai ambicioso e exigente, que o obrigava a estudar noite e dia. A questão é saber se ele desenvolveu seu talento extraordinário porque começou cedo ou se começou cedo porque tinha um dom natural.

Nos Estados Unidos, uma pesquisa apresentada em novembro à Sociedade Acústica Americana conclui que todos nós temos, pelo menos em potencial, um ouvido absoluto. Sua autora, a psicóloga Diana Deutsch, da Universidade da Califórnia, partiu de uma analogia com as línguas tonais – as diversas línguas, na maioria asiáticas e africanas, em que uma mesma palavra pode ter diferentes significados apenas variando a entonação.

Deutsch fez um grupo de vietnamitas e chineses repetir os mesmos vocábulos em dias diferentes, analisando os resultados em computador. As diferenças não ultrapassavam um semitom. Tão pouca alteração sugere que os falantes de línguas tonais teriam, todos, ouvido absoluto, pois dependem disso para se entender. “Não quer dizer que sejam capazes de identificar notas musicais. Afinal, não foram treinados para isso”, explicou a pesquisadora à SUPER. “Mas, como aprenderam uma língua tonal na infância, desenvolveram o dom. Se eles puderam, todos podemos, desde que a educação musical não seja tardia”, garante.

De pai para filho

É claro que a disposição genética também conta. O geneticista Peter Gregersen, da Universidade de Nova York, pesquisou 600 indivíduos com ouvido absoluto e descobriu que “25% dos seus filhos também têm essa capacidade, em comparação com 1% dos filhos de músicos sem ouvido absoluto”.

Mesmo assim, Diana Deutsch e Daniel Levitin, psicólogo da Universidade McGill, no Canadá, acham que todos podemos ser educados até desenvolver o dom, independentemente da nossa herança genética. “Cerca de 95% dos filhos de falantes de persa também falam persa”, disse Levitin à SUPER. “Isso não é um fenômeno genético, mas um fato cultural e lingüístico. Tanto que, se você aprender uma língua depois de uma certa idade, sempre terá sotaque e dificuldade de raciocinar nela.” A diferença está, segundo Levitin, em aprender entre 3 e 6 anos. No máximo até os 9 anos.

Na música, dizem os pesquisadores, aconteceria a mesma coisa. Quando uma criança ouve a mãe dizer: “Isto é vermelho, aquilo é marrom”, aprende a identificar a cor com a palavra. Se ouvir um instrumento de som nítido, como piano ou xilofone, e lhe disserem “isto é um dó”, fará a mesma ligação. “O aprendizado transforma essa associação num reflexo condicionado”, diz Levitin (veja na página 58).

Combinar genética com educação é a receita de sucesso. Quem nunca teve um músico na família, certo, tem menos chance. Mas basta os seus pais cantarem afinado no banheiro para você poder investir no treinamento do seu filho como um novo Villa-Lobos – talvez até melhor, sem cascudo. O essencial é educá-lo na infância. “Não acredito que o dom seja 100% natural nem algo que qualquer um possa aprender”, diz o neurologista alemão Gottfried Schlaug, hoje na Universidade Harvard, nos Estados Unidos. “Afinal, muitos já tentaram, sem sucesso. Mas ninguém desenvolve ouvido absoluto sem estar exposto à música desde cedo.”

Resta um detalhe. O dom não garante criatividade na composição nem genialidade na interpretação. Helen Tucker, professora de música para crianças em Londres, faz questão de ressaltar à SUPER: “Um músico com ouvido absoluto pode tocar como um robô. Perfeição técnica não significa expressividade.”

Cérebro de músico é bem especial

Lobo temporal é o nome da região do córtex cerebral onde são processados os sinais sonoros. “Deduzo que a habilidade de produzir música também deve estar lá”, afirma o neurologista alemão Helmut Steinmetz, um dos pesquisadores da Universidade Henrich Heine, de Düsseldorf, Alemanha, responsáveis pela descoberta de que os músicos têm o lobo temporal esquerdo maior que o dos outros indivíduos.

Steinmetz e seu parceiro Gottfried Schlaug compararam, em exames de ressonância magnética, o cérebro de trinta músicos – onze com ouvido absoluto e dezenove sem – com os de outros trinta indivíduos. Em todos, o lobo temporal esquerdo é um pouco maior que o direito, mas essa diferença chega a ser duas vezes maior entre os músicos e maior ainda entre os portadores de ouvido absoluto.

Para o neurologista Robert Zatorre, do Instituto Neurológico de Montreal, no Canadá, essa constatação torna-se ainda mais surpreendente se considerarmos que o lado esquerdo do cérebro é associado a funções verbais e analíticas e o lado direito à intuição e às artes. Se os músicos têm o lobo temporal esquerdo maior, isso significa que esse hemisfério cerebral também recebe informações musicais – e não apenas o direito. O que indica, claramente, que a música, além de arte, também é linguagem. “Cada um desses hemisférios deve processar diferentes elementos musicais”, conclui Zatorre.

Na experiência realizada por Steinmetz e Schlaug na Alemanha, o mais extraordinário foi a conclusão de que o cérebro pode aumentar de tamanho com treinamento. Schlaug disse à SUPER que “um lobo temporal esquerdo maior do que o direito é a condição necessária para a formação de um ouvido absoluto”. Parece espantoso, mas não é. Segundo Daniel Levitin, as imagens do desenvolvimento do cérebro feitas pela neurologista Helen Neville, em 1994, na Universidade de Oregon, “revelam um enorme crescimento das conexões neurais até os 9 anos de idade e o final desse processo aos 18 anos”. Isso explica tanto a facilidade das crianças de aprender línguas ou de adquirir ouvido absoluto quanto de até aumentar o tamanho do cérebro. Assim, ter percepção genial fica mais fácil.

Para saber mais

Voz Cantada, Henrique Olival Costa e Marta de Andrada Silva, Editora Lovise, São Paulo, 1998.

Na Internet

http://www.provide.net/~bfield/abs_pitch.html

Algo mais

O ouvido humano só é capaz de perceber sons nas freqüências entre 20 e 20 000 hertz, ou ciclos por segundo. Quanto mais alto esse número, mais agudo é o som.

Galeria extraordinária

Conheça alguns donos de ouvido absoluto que se destacam entre os artistas.

“Um regente que tem ouvido absoluto consegue afinar o grupo sem o diapasão. Ele evita que durante a música as pessoas baixem o tom, tendência natural num coral. Villa-Lobos e Bartók compunham sem chegar perto do piano, porque tinham ouvido absoluto e, dentro deles, a memória dos sons de cada nota musical.”

Nelson Ayres, pianista brasileiro, maestro da Orquestra Jazz Sinfônica de São Paulo – que não tem ouvido absoluto

“Meu ouvido absoluto me ajuda quando vou escolher instrumentos para meus arranjos. Consigo imaginar uma música apenas lendo a partitura, como se fosse uma história num livro. Sei como cada instrumento vai soar no conjunto sem precisar ouvi-lo.”

Pedrinho Mattar, pianista e arranjador brasileiro

Os bem-dotados

Nem todos os gênios musicais identificam qualquer nota de ouvido. Compositores como Wagner, Stravinsky, Schumann e Ravel raramente conseguiam realizar essa proeza. Mas a turma abaixo tinha ou tem ouvido absoluto comprovado.

Haendel (1685-1759), compositor alemão

Mozart (1756-1791), compositor e pianista austríaco

Beethoven (1770-1827), compositor e regente alemão

Chopin (1810-1849), compositor e pianista polonês

Béla Bartók (1881-1945), compositor húngaro

Pierre Boulez, compositor e regente francês, 75 anos

Arthur Rubinstein (1887-1982), pianista polonês

Glenn Gould (1932-1982), pianista canadense

Yo-yo Ma, violoncelista chinês, 44 anos

Nat King Cole (1919-1965), pianista americano

Oscar Peterson, pianista canadense, 74 anos

Keith Jarrett, compositor americano, 55 anos

Frank Sinatra (1915-1998), cantor americano

Barbra Streisand, cantora americana, 58 anos

Julie Andrews, cantora inglesa, 65 anos

Stevie Wonder, compositor americano, 50 anos

Yngwie Malmsteen, guitarrista sueco, 37 anos

Ritchie Blackmore, guitarrista inglês, 55 anos

Hermeto Paschoal, composito brasileiro, 64 anos

Anatomia do talento

Exames de tomografia, no Canadá e na Alemanha, revelam a rota da percepção musical no cérebro.

A onda da percepção

A expectativa de um estímulo – como o de identificar uma nota musical tão logo ela seja tocada – dispara do lobo temporal, a região auditiva do córtex, uma onda cerebral chamada P300. Ela tem esse nome por ser uma onda de carga elétrica positiva e por demorar 300 milésimos de segundo para atingir o córtex frontal, a camada externa do cérebro onde os estímulos se tornam conscientes. A P300 funciona, portanto, como um marcador neurofisiológico da atenção, assinalando a passagem da sensação à percepção.

Nos indíviduos com ouvido absoluto, a mesma onda P300 parte do lobo temporal e busca a identificação da nota no lado frontal esquerdo do cérebro, relacionado à memória de longo prazo. A descoberta é do neurologista Robert Zatorre, do Instituto Neurológico de Montreal, após examinar músicos com e sem essa capacidade.

Quando alguém que não tem ouvido absoluto é desafiado a identificar uma nota musical, a onda P300 percorre o lado frontal direito do córtex, associado à memória operacional.

A diferença cerebral

Músicos com ouvido absoluto têm o lobo temporal do lado esquerdo maior que o dos outros músicos. A descoberta foi feita pelos neurologistas Gottfried Schlaug e Helmut Steinmetz, na Universidade Heinrich Heine, em Düsseldorf, Alemanha.

Aprendendo com os mestres

Pássaros canoros são muito mais musicais que os seres humanos

Com ou sem ouvido absoluto, os músicos não são páreo para as aves canoras. O psicólogo Ron Weisman, da Queen’s University, em Ontario, Canadá, comparou o ouvido do tentilhão europeu (Fringilla coelebs) com o de artistas profissionais. Os bichos tinham que entoar a nota certa para abrir uma caixa que continha alimento.

As dez aves estudadas acertaram o tom 85% das vezes, enquanto dez músicos só conseguiram em 50% dos casos.

A perícia é justificada. Afinal, a música está ligada à sobrevivência das aves, seja para o acasalamento, seja para a defesa, seja para a procura de comida. “Os pássaros usam com freqüência as mesmas variações rítmicas e de tons, combinações e permutações de notas encontradas na música”, diz o ornitólogo Luis Baptista, da Academia de Ciências da Califórnia, em São Francisco. A sul-americana corruíra (Troglodytes musculus) canta numa escala cromática – aquela na qual todas as notas, mais os sustenidos e os bemóis, são entoadas. Os rouxinóis da família dos turdídeos entoam um tema, depois criam variações sobre ele e então retornam à melodia original, como Bach fez nas famosas Variações Goldberg.

Baptista afirma que os passarinhos inspiraram compositores. Quando o estorninho (Sturnus vulgaris) de estimação de Mozart morreu, ele chamou os amigos para o enterro, cantou e leu um poema no funeral. Oito dias depois, compôs o Divertimento ou Sexteto para Cordas e Sopro. O ornitólogo está certo de que foi uma homenagem póstuma. Beethoven, por sua vez, teria se inspirado num melro para escrever as primeiras frases do rondó de um concerto de violino. Joseph Haydn (1732-1809) e Franz Schubert (1797-1828) aproveitaram o grito da codorna. E o próprio Villa-Lobos intitulou de Uirapuru uma de suas peças mais conhecidas.

Hit parade animal

Pelo menos três aves deveriam gravar CDs.

Contraponto consigo mesmo

Os pássaros conseguem realizar algo impensável para os humanos. Em vez de cordas vocais, eles têm duas siringes – laringes inferiores que funcionam como caixas de ressonância. Elas emitem, ao mesmo tempo, dois sons distintos, um dote que as aves usam para cantar simultaneamente em diferentes tons. Fazem contraponto consigo mesmas.

O estorninho era o pássaro de estimação de Mozart

O melro inspirou a abertura de um concerto de Beethoven

O rouxinol é capaz de criar variações sobre uma melodia