Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Você enxerga melhor na hora do pôr do sol – e agora sabemos o motivo

Seu cérebro faz isso automaticamente – e ainda bem, porque pode ter sido importante para a sobrevivência da espécie.

Por Ana Carolina Leonardi Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
12 abr 2018, 18h36

Talvez você nunca tenha reparado, mas a sua sensibilidade para enxergar detalhes fica melhor em alguns horários do dia. Esse fenômeno foi comprovado – e explicado – por um novo estudo da Universidade de Frankfurt.

Os pesquisadores fizeram alguns testes de percepção (que avaliavam o quão boas as pessoas eram em captar detalhes de imagens) com voluntários enquanto eles passavam por exames de ressonância magnética.

O objetivo da ressonância era captar a atividade cerebral no córtex visual, responsável por interpretar os sinais enviados pelos olhos. O exame fez imagens do cérebro em dois momentos: em repouso e em um momento de concentração.

O foco dos pesquisadores era entender o que acontece no córtex visual quando não estamos fazendo nada. Afinal, a menos que você feche os olhos, eles continuam mandando sinais para o cérebro, mesmo que você não esteja observando nada específico.

O que os cientistas detectaram no estado de repouso, portanto, é uma espécie de “ruído de fundo” produzido pelo cérebro. Naturalmente, quanto mais ruído de fundo cerebral, mais difícil é prestar atenção a um estímulo visual específico.

Os testes foram repetidos várias vezes, em seis horários diferentes do dia. E o que ficou claro é que o cérebro, automaticamente, reduz a quantidade de ruído de fundo em dois momentos específicos: o nascer e o pôr do sol.

Continua após a publicidade

Como consequência, os testes de percepção dos voluntários também iam melhor nesses horários. A visão dos participantes ficava especialmente sensível conforme o ruído de fundo diminuía – e eles eram capazes de detectar até os pontos luminosos mais sutis no meio de uma imagem.

É como se, com a diminuição do ruído, ficasse mais fácil detectar sinais fracos – e, de alguma forma, o nosso ritmo circadiano (o relógio biológico) aprendeu a fazer isso todos os dias, em certos horários do dia.

A explicação para o fenômeno, é claro, está na evolução: esse comportamento tão estranho só seria automatizado no cérebro se, de alguma forma, nos trouxesse alguma vantagem.

E não é difícil imaginar qual: o crepúsculo era um horário especialmente tenso para humanos em estado selvagem. É o momento em que os perigos ficavam menos visíveis.

Continua após a publicidade

No escuro da noite, tanto predador quanto presa não enxergam nada. Mas na luz fraca do início e do fim do dia, o predador tenderia a levar vantagem.

Sorte dos primeiros humanos cujo cérebro tinha menos “ruído visual de fundo” nesses horários – o que, provavelmente, fez com que eles sobrevivessem em números maiores, passando adiante esse upgrade cerebral.

Sabemos – em parte graças a um Prêmio Nobel de 2017 – que o ritmo circadiano tem raízes genéticas profundas. Mas ninguém tinha investigado de que forma ele afeta a visão.

O estudo, aliás, dá a letra para pesquisas futuras: além do córtex visual, a ressonância detectou padrões parecidos nas regiões cerebrais responsáveis pela audição e pelo tato. Ou seja: é possível que o pôr do sol seja o horário de pico para boa parte dos sentidos humanos.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.