Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Bzzzzz Por Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (ABELHA) A Terra é dos insetos, você só vive aqui porque eles deixam. Um blog para despertar a curiosidade de mamíferos que matam mosquitos e correm de abelhas.

Plantas chamam insetos aliados para combater predadores que mordem suas folhas

Os vegetais não viram salada passivamente: liberam substâncias tóxicas para se defender, e contam com a ajuda de animais parceiros para lutar.

Por Diego Magalhães Atualizado em 2 mar 2021, 20h49 - Publicado em 28 fev 2021, 17h04

O convidado desta semana é Diego M. Magalhães, biólogo e pesquisador do Laboratório de Ecologia Química e Comportamento de Insetos da ESALQ-USP

Há uma batalha silenciosa acontecendo no jardim. Diariamente, uma miríade de insetos herbívoros atacam as plantas que, com as mais variadas táticas de defesa, tentam repelir esses inimigos. 

É comum pensar que , por falta de opção, aceitem passivamente predadores devorando suas folhas. Mas, embora não consigam correr dos herbíboros, as plantas têm seus truques para se defender. Elas até se comunicam, emitindo sinais de alerta para avisar plantas vizinhas ou chamar o reforço de insetos aliados. 

Dentre as táticas de defesa das plantas, as mais visíveis são os espinhos e os tricomas (protuberâncias na epiderme). Essas estruturas são barreiras físicas que dificultam o acesso dos insetos às fontes de alimento. Mas plantas contam também com um arsenal de armas biológicas. As mais fascinantes são os metabólitos secundários, nome que se refere a uma diversidade de substâncias tóxicas.

Muitas espécies vegetais produzem, ao longo da sua vida, compostos que são letais para certos insetos herbívoros. Quando algum bichinho tenta se alimentar das folhas, esses compostos são liberados e os insetos interrompem o ataque. 

Nem tudo são flores: alguns insetos herbívoros não se importam com essas substâncias e continuam se alimentando. Mas mesmo um oponente resistente não é sinal de que a batalha está perdida. Algumas plantas enviam mensagens de ajuda.

Esse SOS é emitido por meio de compostos voláteis – substâncias que, em determinadas condições de temperatura e pressão, evaporam rapidamente e se espalham pelo ar. De maneira geral, quando estão sendo devoradas por insetos, as plantas começam a emitir esses compostos em maior quantidade.

Continua após a publicidade

Essa emissão é equivalente a um grito de socorro, feito sob medida para atrair insetos e outros seres vivos denominados inimigos naturais. Eles podem ser predadores ou parasitoides, tanto faz. O que interessa é que esses bichinhos predam ou parasitam justamente as espécies que ameaçam a planta. 

Essa mesma mensagem também pode ser percebida por plantas vizinhas da mesma espécie, que, ao detectá-la, ficam em alerta. Se também forem alvo de ataques, elas emitem de maneira mais rápida e intensa os compostos que atraem o reforço de inimigos naturais.

Não para por aí. Algumas espécies de planta conseguem detectar a presença de insetos herbívoros mesmo antes deles começarem a se alimentar de suas preciosas folhas. Um exemplo bem interessante é o do algodoeiro. 

Essa planta é o alimento favorito de um besouro chamado bicudo-do-algodoeiro – que, quando chega na lavoura, emite uma substância chamada feromônio de agregação: um conjunto de compostos voláteis que atrai outros bicudos. O algodoeiro, porém, evoluiu a capacidade de detectar esse sinal. Assim, ele já fica avisado: há um pequeno exército chegando.

A relação entre o algodoeiro e o bicudo é bem específica, e se outro inseto, como o percevejo-do-arroz, emitir o seu feromônio perto do algodoeiro, a planta não perceberá o sinal.

Quando percebe que o besouro chamou seus amigos para o banquete, o algodoeiro rapidamente libera um composto volátil para chamar uma vespa parasitoide. Essa vespa deposita seus ovos nas larvas do bicudo – e conforme as vespinhas crescem, eles consomem o inseto de dentro para fora, até matá-lo. Para o besouro, é melhor ficar de dieta do que tentar a sorte. 

Agora, ao observar uma planta, saiba que ela possui um arsenal de defesas que pode protegê-la. Num mundo em que não se pode sair do lugar, essas estratégias, silenciosas e invisíveis, são poderosas e podem evitar que o pior aconteça.

Este é o sexto post do blog Bzzzzz, em que pesquisadores membros do comitê científico da Associação Brasileira de Estudos das Abelhas (ABELHA) e outros cientistas colaboradores vão comentar a vida, os hábitos e a importância econômica de diversos insetos – além de nos atualizar sobre as mais recentes descobertas no campo desses pequenos artrópodes. Até a próxima!

 

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês