Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Fundo vermelho liso. Ciência Maluca Por redação Super Este blog não é mais atualizado. Mas fique à vontade para ler o conteúdo.

Cabelos ruivos estão associados a mau tempo

Por Kleyson Barbosa Atualizado em 21 dez 2016, 09h54 - Publicado em 12 abr 2010, 16h31

<!–
/* Style Definitions */
p.MsoNormal, li.MsoNormal, div.MsoNormal
{mso-style-parent:"";
margin:0cm;
margin-bottom:.0001pt;
mso-pagination:widow-orphan;
font-size:12.0pt;
font-family:"Times New Roman";
mso-fareast-font-family:"Times New Roman";
mso-ansi-language:EN-US;
mso-fareast-language:EN-US;}
@page Section1
{size:612.0pt 792.0pt;
margin:72.0pt 90.0pt 72.0pt 90.0pt;
mso-header-margin:36.0pt;
mso-footer-margin:36.0pt;
mso-paper-source:0;}
div.Section1
{page:Section1;}
–>

Ewan McGregor, uma das mais famosas exportações escocesas de cabelo vermelho

Recente pesquisa de uma estudante da Universidade de Edinburgh, na Escócia, apontou que o tempo ruim do país pode ser o motivo para que mais da metade da população escocesa tenha o cabelo ruivo. O estudo descobriu que em áreas onde as temperaturas no verão são mais frias e as noites de inverno são longas – como na nação do Reino Unido – as pessoas com cabelos ruivos eram mais prováveis de sobreviver e evoluir.
 
O estudo considera que, assim como os seres humanos com pele clara que evoluíram na África eram mais propensos a desenvolver câncer de pele por causa do pouco pigmento, as pessoas com cabelo ruivo (também geneticamente menos vantajosas) conseguiram se adaptar melhor ao clima do norte da Europa. Essa seria a razão para que cerca de 80% dos escoceses e irlandeses tenham o cabelo ruivo, enquanto no restante da Europa os ruivos representam apenas 1 ou 2%.
 
Entretanto, mesmo quando as condições são favoráveis, a
probabilidade de um bebê nascer com o cabelo vermelho é baixa. Um dos
principais genes para a cor do cabelo tem 40 variantes, mas apenas seis
são causa do cabelo vermelho. Para a cor do cabelo ser ruiva, a pessoa precisa receber um desses genes de cada pai.

A responsável pela pesquisa, Emily Pritchard, estudante de engenharia genética da Universidade de
Edinburgh, explica que extrapolou alguns estudos sobre o assunto e que seu
estudo não se trata de uma pesquisa cientifica, mas de uma especulação
plausível sobre o tema.

(por Kleyson Barbosa)

Continua após a publicidade

Publicidade