Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Imagem Blog

Como as Pessoas Funcionam

Por Blog Materia seguir SEGUIR Seguindo Materia SEGUINDO
Estudos científicos e reflexões filosóficas para ajudar você a entender um pouco melhor os outros e a si mesmo. Por Ana Prado
Continua após publicidade

Ter um casamento feliz está mais raro – e mais gratificante

Por Ana Prado Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 2 out 2017, 15h18 - Publicado em 2 out 2017, 00h22

Aquela história do “felizes para sempre” depois do casamento nunca colou nem para os fãs de contos de fadas, mas a felicidade pós-casamento tem sido algo cada mais difícil de se atingir. Isso é o que afirma o professor e especialista em relacionamentos Eli Finkel, da Universidade Northwestern, nos Estados Unidos.

Mas ele também dá uma boa notícia: quando os casados conseguem construir um bom casamento, as recompensas são ainda maiores do que costumavam ser décadas atrás.

A explicação para isso está no livro recém-lançado “The All-or-Nothing Marriage: How the Best Marriages Work”, ainda sem tradução para o português. Ali, Finkel diz que a resposta está nos motivos e expectativas que levam as pessoas a se casarem – e em como isso tem mudado com o tempo.

Se na época de nossos avós os relacionamentos estariam mais ligados a fatores econômicos e de sobrevivência básica, hoje as pessoas levam em conta fatores emocionais e psicológicos. Em outras palavras, temos menos casamentos por necessidade: estamos mais focados em construir um relacionamento que nos satisfaça emocionalmente e nos permita a autodescoberta e o crescimento pessoal.

Fica fácil entender, assim, por que a satisfação matrimonial tem sido mais difícil de se conseguir: ela está relacionada a expectativas elevadas e ligadas a questões mais profundas. Segundo Finkel, esperamos que nosso parceiro desempenhe múltiplos papéis: confidente, companheiro sexual, melhor amigo, incentivador…

Continua após a publicidade

Quando a coisa funciona, a felicidade pode alcançar um nível raramente visto em décadas passadas. Por outro lado, um casamento mediano está sendo cada vez menos tolerado, pois tem sido associado a um grau elevado de frustração.

Em um artigo de 2014 no The New York Times, Finkel definiu esse novo padrão pela primeira vez como o “casamento do tudo ou nada” e apontou que, para dar certo, esses compromissos têm demandado um investimento maior de tempo e energia. “A boa notícia é que nossos casamentos podem florescer hoje como nunca antes. Eles só não conseguem fazer isso sozinhos”.

 

Via Futurity.org e Northwestern University.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.