Assine SUPER por R$2,00/semana
Imagem Blog

Oráculo

Por aquele cara de Delfos
Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.
Continua após publicidade

Como funciona uma máquina de raios X hospitalar?

Tudo começa em um filamento aquecido – parecido com o de uma lâmpada incandescente. E aí os elétrons liberados embarcam em uma voltagem... radical.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 22 ago 2019, 10h51 - Publicado em 22 ago 2019, 10h42

Senta aí que o papo é longo: no interior da máquina, o primeiro passo é aquecer um filamento de metal – igualzinho acontece em uma lâmpada incandescente. Em resposta, o metal libera elétrons. É que todos os objetos são feitos de átomos, e os átomos são compostos de partículas ainda menores, chamadas prótons, nêutrons e elétrons.

Os prótons e os nêutrons ficam no núcleo, mas os elétrons ocupam a região em torno do núcleo. Geralmente há mais de um elétron, e eles se organizam de uma maneira peculiar, ditada pela equação de Schrödinger da mecânica quântica. É comum que os elétrons, quando estimulados, reajam mudando o lugarzinho que ocupam em torno do núcleo (o que gera liberação ou absorção de energia em forma de radiação eletromagnética). Guarde essa informação, ela será importante. 

Por enquanto, o que interessa é que os elétrons têm carga elétrica negativa – e são atraídos pela carga oposta, a positiva. Quando eles estão no átomo, eles se comportam porque são atraídos pelos prótons, que têm carga positiva. Depois que o filamento é aquecido, porém, os elétrons ficam livres, leves e soltos. E aí eles podem se apaixonar por qualquer carga positiva que aparecer por aí. 

Para a sorte deles, nós estamos em uma máquina de raios X, o que significa que o filamento está dentro de um tubo, e na outra ponta do tubo há uma carga positiva imensa. Ah, o amor. Tecnicamente, o nome da região negativa é cátodo, e da positiva, ânodo. O que existe entre os dois é uma diferença de potencial, que é medida em volts e é a mesma coisa que faz os elétrons correrem na fiação da sua casa. Mas não esquente a cabeça com nomenclatura.

Continua após a publicidade

O que interessa é que os elétrons se arremessam em direção a essa carga positiva, e batem com tudo em uma suculenta peça de metal, geralmente feita de tungstênio. Os átomos que compõem o metal atingido perdem seus próprios elétrons (eles são arremessados para longe como bolas de sinuca atingidas por uma bola branca especialmente ensandecida).

Isso gera um rebuliço: os elétrons que sobram se reposicionam em torno do núcleo de seus átomos – liberando raios X, que são um tipo de radiação eletromagnética, no processo.

Continua após a publicidade

Outro fenômeno verificado durante a colisão é quando os elétrons kamikazes, atraídos pelos prótons do metal de destino, fazem curvas super fechadas. Eles perdem energia – do mesmo jeito que um carro desacelera para entrar em uma rua –, e também liberam raios X por causa disso.

O metal atingido fica girando, para que o fluxo de elétrons não atinja sempre a mesma região, o que poderia danificá-lo.

Esses raios X então são canalizados e disparados no seu corpo (todo o resto da máquina fica vedado em uma caixote de chumbo grosso). Onde há ossos ou outros tecidos mais densos, eles atravessam em menor quantidade – formando a imagem do esqueleto em uma superfície sensível posicionada do outro lado de você. É como o negativo de uma foto. 

Continua após a publicidade

Pergunta de Luiz Macedo Neto, Belém, PA

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.