Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês
Oráculo Por aquele cara de Delfos Ser supremo detentor de toda a sabedoria. Envie sua pergunta pelo inbox do Instagram ou para o e-mail maria.costa@abril.com.br.

Por que as árvores de áreas alagadas por hidrelétricas não são aproveitadas?

Já que as árvores de áreas alagadas por usinas hidrelétricas irão poluir com a eliminação de gases, por que não desmatar a área e aproveitar a madeira? Francisco Nunes Ribeiro de Sousa, Rio Branco, AC Eu não entendo nada, mas ‘tamo junto, irmao!!1! Antes de tudo eu queria deixar claro minha repúdia a piadinhas relacionadas […]

Por Oráculo Atualizado em 21 dez 2016, 09h07 - Publicado em 25 jul 2012, 18h32

Já que as árvores de áreas alagadas por usinas hidrelétricas irão poluir com a eliminação de gases, por que não desmatar a área e aproveitar a madeira?
Francisco Nunes Ribeiro de Sousa, Rio Branco, AC

Eu não entendo nada, mas ‘tamo junto, irmao!!1!

Antes de tudo eu queria deixar claro minha repúdia a piadinhas relacionadas à mera existência do Acre, estado que há anos nos brinda com pessoas engajadas e preocupadas com o ambiente que o cerca, como Chico Mendes, Marina Silva, Glória Perez e Francisco Nunes Ribeiro de Souza.

Chico, essa seria a solução ideal, segundo o professor Francisco Antonio Rocco Lahr, da Escola de Engenharia de São Carlos da USP. Mas tem um problema. Sempre tem. É o transporte das toras. “Geralmente, as hidrelétricas são construídas em locais em que não há qualquer facilidade de acesso por terra, ou seja, não há qualquer tipo de estrada que permita a entrada de equipamentos compatíveis para o corte e o transporte das árvores. Essa situação leva ao não aproveitamento da madeira”, afirma.

Lahr também explica que o cronograma para construções do porte de hidrelétricas é curto, considerando a magnitude das obras. “Qualquer outra atividade não diretamente relacionada ao foco da implantação das hidrelétricas poderia aumentar o tempo para a conclusão dos empreendimentos. Isso não é desejável, devido à demanda por energia e o longo tempo decorrido desde a constatação da necessidade da construção, da determinação da melhor localização em termos geográficos e geotécnicos, até o pleno atendimento dos requisitos ambientais para a efetiva implantação”, esclarece.

Ou seja, na prática, seria complicado demais. Mas complicado já não é de qualquer jeito, Arnaldo?

Eu heim.

(crédito da imagem: Greenpeace Finland)

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês