Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

A força dos protestos virtuais

Por Thays Prado
Atualizado em 21 dez 2016, 10h31 - Publicado em 1 jul 2009, 09h00

Ontem, a hashtag #ForaSarney entrou no What the Trend?, que identifica o que é tendência no Twitter e por quê. O motivo para a manifestação contra o senador, segundo o site é:

“Sarney (ex-presidente do Brasil e agora senador) é um político corrupto e as pessoas o querem fora do Senado brasileiro. Alguém como ele não pode ser um tomador de decisões”.

Hoje, a página Fora Sarney tem mais de 3 mil seguidores.

Entre os assuntos que também compõem a lista dos mais comentados no Twitter estão:

#iranelection: a polêmica reeleição do presidente iraniano e a censura do governo a todas as formas de protesto e de divulgação de informações mobilizaram internautas de todo o mundo a encontrarem meios de usar a web para driblar as forças de segurança (veja post “Twitter contra a censura iraniana”). Os votos estão sendo recontados.

Continua após a publicidade

#honduras: a deposição e expulsão do presidente de Honduras, Manuel Zelaya, que estaria tentando forjar uma reeleição, proibida no país, tem movimentado inclusive a ONU, que exige que ele volte ao poder. Mas boa parte da população local apoia o novo governo, conta, via Twitter, o que acontece por lá e exige autonomia popular para decidir sobre quem ocupará a presidência.

O mais interessante é que esse tipo de manifestação tem sido fortemente noticiado pela imprensa e também chega aos governos. A assessoria de Sarney, por exemplo, disse que ele “lamenta, mas respeita” o movimento (leia a notícia no Estadão). No Twitter e em blogs que ficam de olho nos protestos no Irã, há rumores de que o próprio governo iraniano também estaria usando a ferramenta de microblogging para divulgar informações a seu favor. E em Honduras, a internet tem sido o meio de comunicação mais eficiente para espalhar as notícias à imprensa internacional, já que canais de TV e rádio estão cortados e jornalistas foram agredidos pelas forças pró-Zelaya.

Isso só comprova que a rede tem seu poder de mobilização e vem sendo usada, cada vez mais, como um instrumento de exercício da cidadania. E a tecnologia está aí, inclusive, para fazer força contrária aos ditadores que, por incrível que pareça, ainda circulam pelo mundo.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.