Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Em 34 anos, mais de 5 milhões de bebês nasceram por fertilização in-vitro

Por Carolina Vilaverde Atualizado em 21 dez 2016, 10h36 - Publicado em 25 jul 2012, 17h40

Louise Brown, o primeiro bebê de proveta, fertilização in-vitro

Não há dúvidas. O processo de fertilização in-vitro (IVF) é um grande marco na história da ciência e da medicina. Desde o primeiro caso de sucesso, em 1978, a prática proporcionou o nascimento de cerca de 5 milhões de bebês, segundo dados da organização International Committee Monitoring Assisted Reproductive Technologies (ICMART). Só nos Estados Unidos, 1 em cada 100 bebês é gerado com a ajuda do método.

Mas não foi sempre assim. Em 1984, apenas 350 crianças nasceram por meio de IVF, e somente em 2001 a marca de 1 milhão de nascimentos foi atingida. De lá para cá, o tratamento se tornou mais popular: hoje, são cerca de 350.000 nascimentos por meio do processo por ano. E para entender a importância disso tudo, basta olhar a estimativa da Organização Mundial de Saúde: entre 10 e 15% dos casais em idade reprodutiva sofrem de infertilidade.

Leia também:
Qual a diferença entre fertilização e inseminação?

Era o caso da inglesa Lesley Brown, a primeira mulher a dar à luz por causa de um tratamento de fertilização in-vitro, em 25 de julho de 1978. 30 anos depois, ela contou que estava tão desesperada para ter um bebê que estava disposta a fazer qualquer coisa. Afinal, ela e seu marido haviam tentado de tudo para ter um filho durante nove anos.

Continua após a publicidade

O problema é que Lesley tinha as tubas uterinas (antigas trompas de Falópio) bloqueadas, o que tornava a gravidez natural impossível. Em 1976, ela ouviu falar de uma nova pesquisa e foi encaminhada ao Dr. Patrick Steptoe e ao professor Robert Edwards, que a convenceram a tentar o procedimento experimental. Apesar de, na época, outras mulheres também terem participado do experimento, Lesley se tornou o centro das atenções por ser a primeira a atingir uma gravidez com mais de algumas semanas.

Com tanta atenção da mídia e da sociedade em geral, os médicos e a família passaram a se preocupar com a segurança da criança. “Nós estávamos preocupados que ela fosse perder o bebê, porque a imprensa estava perseguindo o casal por toda Bristol, onde eles moravam”, disse Robert Edwards em entrevista. Para resolver a questão, Patrick Steptoe teve que esconder Lesley em seu carro e a levar para a casa de sua mãe, em Lincoln. Deu certo. A menina inglesa Louise Joy Brown nasceu com saúde e hoje completa 34 anos.

Apesar de todo esse histórico, o tratamento de fertilização in-vitro continua sendo polêmico, especialmente entre grupos religiosos. E você, o que acha sobre o assunto?

Na foto: à esquerda, o Dr. Robert Edwards segurando o primeiro bebê de proveta e (à direita) Patrick Steptoe.

Fontes Dvice, BBC, Singularity Hub

Continua após a publicidade

Publicidade