GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

23. “Os jovens não eram tão alienados.”

A verdade: Mesmo vivendo numa ditadura militar, a maioria dos pais de hoje não estava nem aí para a política

Anna Carolina Rodrigues

Nossos pais sabem como foi viver sem liberdade de expressão, mas, quando eram jovens, a maioria deles não fez tanta questão de se expressar. Em 1966 – dois anos depois do golpe militar -, 44% dos jovens eram a favor do regime, 39% não tinham opinião formada e 17% eram contra, segundo uma pesquisa da revista Realidade. Em 1979, 70% dos jovens se manifestavam “satisfeitos” com a situação do país, de acordo com uma pesquisa Gallup. Já na transição para a democracia, o jovem brasileiro ficou menos apático. Mas não tanto. Em 1987, 45% consideravam importante a participação política, enquanto 41% não tinham opinião formada e 14% consideram pura perda de tempo. Nem mesmo o fim da censura ao cinema, ao teatro e à TV era unanimidade: 32% eram favoráveis ou indiferentes à censura.

Só se proibir de ventar

“`Esse negócio de política não me interessa porque não me afeta. No momento em que chegar um cara e proibir o surfe, proibir de ventar, aí eu vou me interessar¿, diz Felipe, ainda pouco ciente do realismo maquiavélico de sua frase”

Revista VEJA, 1980