GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Agenda – O mês a mês do turismo bizarro

Neste mundo doido, todo mês é mês de fazer alguma coisa bem insólita, como por exemplo...

Janeiro

Assistir a shows pornôs – AVN Adult Entertainment Expo (Las Vegas, Nevada, EUA)
Durante a maior feira da indústria pornográfica realizada no Hard Rock Hotel, as estrelas do cinema erótico dão o melhor de si em performances de sexo explícito. Não faltam silicone em escala industrial, músculos rasgados, óleos lubrificantes e acessórios que a maioria dos mortais nem saberia dizer para que servem. Vale a ressalva: este evento pode ferir sua sensibilidade. show.adult entertainmentexpo.com

Ver milhares de homens pelados lutando para encostar em um “santo” – Hadaka Matsuri (ou Naoi Shinji), o festival da nudez (Inazawa, Japão)
O que os japoneses não fazem em nome da purificação do corpo. Todo 13 de janeiro, no santuário de Konomiya, quase 10 mil homens vestidos – se é que se pode chamar assim – com uma espécie de fralda fio dental, ou mesmo nus, tentam tocar o shin-otoko (homem bom), um afortunado (do ponto de vista deles) eleito para absorver os revezes de quem conseguir alcançá-lo. Jatos de água fria são jogados sobre o povo, na tentativa vã de esfriar os ânimos. http://www.city.inazawa.aichi.jp

Fazer piercing hardcore (ou suspensão) – Thaipusam (Índia, Malásia, Cingapura, ilhas Maurício)
Milhares de anos antes de brincos enfeitarem umbigos mundo afora, os hindus já tinham uma versão radical do piercing. Durante o festival Thaipusam, nos dias de lua cheia de janeiro, os tâmeis (uma das etnias da sociedade indiana, também presente em outros países da Ásia) celebram o nascimento de Murugan, filho das divindades Shiva e Parvati, e o triunfo do bem sobre o mal. Línguas e bochechas são perfuradas com espetos afiados – e os mais valentes penduram objetos pesados em ganchos na pele das costas. Quanto maior o desafio, maior a fé. Ui!

Fevereiro

Pintar o corpo e abraçar estranhos – Holi Festival (Índia)
Em várias cidades da Índia e de outros países onde se pratica o hinduísmo, o festival das cores, entre fim de fevereiro e começo de março, é uma celebração do bem contra o mal. Desconhecidos se abraçam, desejam “feliz holi” e tingem uns aos outros de pigmentos coloridos. As melhores cidades para curtir o festival são Mathura e Vrindavan – vinculadas ao nascimento de Krishna. http://www.holifestival.org

Participar de uma guerra de laranjas – Carnaval de Ivrea (Itália)
A laranjada é o principal ingrediente da festa – não o refresco rico em vitamina C. No carnaval de Ivrea, no Piemonte, 9 times, compostos pelos chamados “revolucionários” (fantasiados e protegidos com capacetes de design medieval), atiram-se mutuamente 400 mil quilos de frutas cítricas. Os times ficam em espécies de carros alegóricos puxados por cavalos, e a multidão (sem proteção nenhuma) vai no chão. A tradição simula uma revolta (à base de pedradas) do povo contra um governante no século 12. www.carnevalediivrea.com

Março

Testemunhar uma batalha medieval pra valer – Pasola (Sumba, Indonésia)
A data para o início da Pasola é a chegada a esta ilha de uma larva marinha – que coincide com o início do plantio do arroz. A viagem ao tempo medieval, sem teatrinho e sem armaduras, envolve combates no campo entre centenas de homens montados a cavalo que se atiram lanças de madeira mutuamente. O intuito é ferir (e não matar, ainda que aconteça eventualmente) os opositores. Segundo a crença, este sangue alegra os espíritos, que garantem uma boa colheita.

Encher a cara de “supercerveja” – Starkbierfest (Munique, Alemanha)
Starkbier é uma cerveja potente, originalmente feita pelos monges Paulaner para suportar com menos fome e mais alegria o jejum da quaresma. Além de alta quantidade de cereais, a loira dos homens de Deus tem um poder superior de destruição: seu teor alcoólico chega a 10%, contra os 5% de uma cerveja comum. A Starkbierfest, que dura 3 semanas em cervejarias de Munique, é como uma Oktoberfest nível avançado – com menos turistas e mais bêbados.www.destination-munich.com

Abril

Chupar pirulitos em forma de pênis – e em grupo – Kanamara Matsuri (Kawasaki, Japão)
Há quem diga que o Festival do Falo de Aço tenha a ver com uma assustadora lenda, segundo a qual um monstro (ou monstra?) de vagina dentada teria castrado dois homens, daí a necessidade de um membro de aço para quebrar – literalmente – essa maldição. Outros atribuem a uma campanha contra a sífilis no século 17. O que se sabe ao certo é que, a cada primeiro domingo de abril, pênis gigantes desfilam pelas ruas de Kawasaki enquanto velhos, moços e crianças se deliciam com pirulitos igualmente fálicos em tamanhos, digamos, mais realistas. www.travelkawasaki.com

Maio

Pular de um bungee- jump roots – Naghol (Ilha de Pentecostes, Vanuatu)
Subir à torre de salto nessa ilha de Vanuatu já é um ato de bravura: são 25 metros de altura, com pedaços de madeira precariamente encaixados. Mas o verdadeiro espetáculo do Naghol – parte do festival dedicado a uma espécie de raiz -, é o percurso rumo ao chão, que homens de todas as idades fazem amarrados pelos pés a um imprevisível cipó de flexibilidade limitada. Se tudo correr bem – e às vezes não corre -, a engenhoca permite que o valentão roce o cocuruto no chão de terra fofa, o que supostamente lhe confere fertilidade (à terra, não ao homem-pássaro). www.vanuatu.travel

Junho

Exercitar seu amor infinito por cachorros – Campeonato do Cachorro mais Feio do Mundo (Petaluma, Califórnia, EUA)
O amor, como todos sabem, é cego. E, assim como pais de bebês “simpáticos”, donos de cães tendem a ignorar a feiura de seus lulus. Mas tudo tem limite. Aos donos dos monstrinhos inscritos no concurso do cachorro mais feio do mundo, só resta assumir o inegável e tentar abocanhar o prêmio de mil dólares. http://www.sonoma-marinfair.org/worlds-ugliest-dog

Ver um maluco saltando sobre bebês – El Colacho (Castrillo de Murcia, Espanha)
Desde 1620, durante o feriado de Corpus Christi nessa cidade de Castilla y León, um homem vestido de diabo pratica o salto em distância voando sobre bebês – 5 ou 6, em geral – nascidos no último ano, postos sobre um colchãozinho no chão. O ritual do Colacho livraria os pequenos de todos os males e garantiria sorte na vida (ainda que, desde o ponto de vista das pessoas normais, eles tenham começado com o pezinho esquerdo).

Julho

Morrer de comer cachorro quente – Nathans Hot Dog Eating Contest (Nova York, EUA)
O campeonato de quem come mais cachorros-quentes, organizado a cada dia 4 de julho por uma lanchonete de Coney Island, no Brooklyn, é terreno fértil para façanhas humanas equiparáveis às do corredor Usain Bolt. O vencedor de 2011, Joey Chestnut , comeu 62 hot dogs em 10 minutos. Ou seja, praticamente 1 a cada 10 inacreditáveis segundos.www.nathansfamous.com

Ser levada no colo – contra o relógio – Campeonato Mundial de Carregamento de Esposa (Sonkajärv, Finlândia)
Suspender a amada do chão nem sempre é um ato romântico. Nesse campeonato, homens correm numa pista de 253,5 metros e vencem obstáculos (como uma piscina) carregando as coitadas (foto). Nas costas, nos ombros ou à moda estoniana – a moça de ponta-cabeça, com as pernas presas a seu pescoço. A mulher não precisa ser a sua, mas deve ter pelo menos 18 anos e 49 quilos. O recorde é de um casal de Tallinn, Estônia: 55,5 segundos. http://www.eukonkanto.fi

Torcer fervorosamente por um… caracol – Corrida de gastrópodes (Norfolk, UK)
A falta do que fazer é um eficiente fertilizante da criatividade. Celebrada há 25 anos, a superemocionante corrida mundial de caracóis movimenta a vida da pacata Norfolk, na Inglaterra. Numerados para que sejam reconhecidos por seus donos (sim, donos), os moluscos gastrópodes devem rastejar o menos lentamente possível de dentro para fora de um círculo. Pessoas com problemas de insônia podem gravar a competição e assisti-la em noites difíceis. http://www.snailracing.net

Ser eleito o rei da lama – Festival da Lama (Boryeong, Coreia do Sul)
Há quem diga que a lama da região tem aplicações cosméticas. Mas chafurdar, e não ficar bonitinho, é a intenção de quem participa desse festival lambuzado e polivalente, que tem de luta livre a eleição do rei do lodo. Menos mal que o campeonato aconteça em uma praia – o mar está logo ali. http://www.mudfestival.or.kr

Celebrar a quase-morte – Festa de Santa Marta de Ribarteme (Las Nieves, Galícia, Espanha)
No dia 29, as pessoas que estiveram a ponto de abotoar o paletó no ano anterior – as que tiveram experiências de quase-morte, por exemplo – reúnem-se em uma missa da padroeira da ressurreição. Ela é o auge de uma mórbida peregrinação, onde cada pessoa é carregada dentro de um caixão (é preciso trazer o seu de casa) entre o cemitério e a igreja, numa espécie de ensaio daquilo que esteve perto de acontecer. Estranho, muito estranho.

Agosto

Jurar nunca mais dedilhar uma guitarra invisível – Campeonato de Guitarra Imaginária (Oulu, Finlândia)
Sabe aquele seu amigo que dedilha no ar, morde o lábio de baixo e balança o corpo para frente e para trás enquanto escuta Jimmy Hendrix? Imagine vários deles reunidos e competindo pela performance mais criativa e realista. Acredite, isso acontece anualmente durante o Campeonato de Guitarra Imaginária, no interior da Finlândia, e chega a reunir 7 mil curiosos do mundo inteiro. http://www.airguitarworldchampionships.com

Praticar arremesso de tomate – e resistência a tomatadas – La Tomatina (Buñol, Espanha)
A festa da Tomatina começa na noite anterior à última quarta-feira de agosto: segundo esta tradição, é praxe passar essa noite em claro, à base de vinho. Já bem calibrados, cerca de 20 mil participantes atiram uns nos outros 100 toneladas de tomates maduros (e outros nem tanto, é bom que se diga). Para sobreviver, lembre que em boca fechada não entra tomate – e leve um óculos de natação. http://www.tomatina.es

Setembro

Reviver o “flower power” – Burning man (Nevada, EUA)
Até quem viveu os tempos de Woodstock pode ter dificuldade em assimilar o festival de contracultura mais comentado hoje: o Burning Man. “Um evento de arte anual e comunidade temporária baseado na expressão radical pessoal e na autoconfiança, no deserto de Black Rock.” Nada de palcos com estrelas, patrocinadores, coisas à venda (deve-se levar o necessário para a sobrevivência ou fazer escambo). E nada de limites para a criatividade – apenas a ideia de que todos devem contribuir: expressar-se em uma performance, uma fantasia, doando massagens… O tema de 2011 foi “Ritos de passagem”. www.burningman.com

Outubro

Brincar de ser vegetariano – Festival Vegetariano de Phuket (Tailândia)
Não se trata de celebrar as maravilhas de viver de soja e arroz integral. No 9º mês do calendário lunar, os moradores da ilha de Phuket seguem uma dieta vegetariana para purificar o corpo e a alma, segundo uma tradição do século 19, quando muitos habitantes sucumbiram a uma doença. Entre um prato de noodles com verduras e outro, homens em transe caminham sobre carvão em brasa e perfuram o rosto com espadas para demonstrar a força de sua fé. ww.phuketvegetarian.com

Novembro

Conhecer o polo da cabra sem cabeça – Partidas de Buzkashi (Mazar-e Sharif, Afeganistão)
As semelhanças com o polo a cavalo param na presença do equino, de duas equipes e no objetivo comum de fazer que algo atinja determinado alvo. O “algo” em questão no Buzkashi, entretanto, é uma cabra sem cabeça. E não é raro que os jogadores também façam uso do chicote contra os adversários. Praticado desde os tempos de Gêngis Khan pelos mongóis, o esporte migrou para outros lugares da Ásia e sobreviveu com força no Afeganistão – mas dificilmente terá uma Ralph Lauren para chamar de sua algum dia. Os jogos acontecem de novembro a fevereiro, nas tardes de sexta-feira em Mazar-e Sharif, 420 km ao norte de Cabul.

Ver camelos, comprar camelos, camelar… – Feira de camelos (Pushkar, Índia)
Há coisas que só a Índia pode fazer por você: o que acontece quando 200 mil pessoas e 50 mil camelos se encontram numa cidade sagrada de 1 500 habitantes no Rajastão? Uma verdadeira metrópole de tendas é montada ao lado do lago de Pushkarcom) e, durante os dias de lua cheia, acontecem danças, feiras de artesanato, corridas e venda de camelos, e toda a sorte de eventos além da imaginação ocidental. http://www.pushkarcamelfair.com

Doar uma cesta básica a macacos – Festival de Macacos de Lopburi (Lopburi, Tailândia)
Há tantos macacos em Lop Buri, 170 quilômetros ao norte de Bangcoc, que os moradores da cidade reservam o último final de semana de novembro para homenageá-los. Nos arredores do templo de Prang Sam Yot, 2 mil toneladas de vegetais, frutas e ovos são distribuídas para a macacada, que comparece em peso e não faz cerimônia.

Festejar a morte – Día de Muertos (México)
Uma das datas mais especiais do calendário mexicano, o dia dos mortos tem origem nos rituais do período pré-hispânico. A homenagem aos que se foram incorporou elementos do catolicismo, e o sincretismo resultou numa celebração em que famílias rezam e enfeitam as casas e os túmulos de seus entes queridos, enquanto as crianças se divertem com docinhos em forma de caveiras e lápides.

Dezembro

Passar dias com nojo de bigode – Campeonato mundial de barba e bigode (itinerante)
Nesse festival que acontece a cada dois anos, vence o bigode mais exótico. Certas nações travam uma disputa pela origem da competição – e para ser a sede. Os alemães, bigodudos notórios, foram os que mais organizaram campeonatos. www.worldbeardchampionships.com

Ser apresentado ao gol de tromba – Festival do elefante (Sauraha, Nepal)
Eles não chegam a matar no peito e cabecear para o gol. Mas com a ajuda de seus treinadores (que vão montados sobre suas cabeças), fazem bom uso da tromba e das patas da frente para jogar algo que lembra remotamente uma partida de futebol. As peladas são disputadas durante o Festival do Elefante, no Chitwan National Park. www.visitnepal.com