Clique e assine a partir de 8,90/mês

As Flores do Mal

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h53 - Publicado em 31 jul 2005, 22h00

Charles Baudelaire

NOME ORIGINAL_Les Fleurs du Mal (França)
EDIÇÃO NO BRASIL_ Nova Fronteira; 1985

 


DO QUE TRATA

Reunião de poemas originalmente divididos em 5 seções. Após sua publicação, Baudelaire foi processado por atentado à moral pública e 6 dos poemas foram censurados.

Continua após a publicidade

QUEM ESCREVEU

Baudelaire (1821-1867) perdeu o pai aos 6 anos e nunca perdoou a mãe por se casar novamente, com um tenente-coronel do exército. Em 1841 é enviado à Índia pelo padrasto. Mas abandona o barco e volta a Paris para se dedicar à literatura. Herda a fortuna paterna e passa a desfrutar uma vi da de luxo. Após uma temporada na Bélgica, volta a Paris, onde morre nos braços da mãe.

POR QUE MUDOU A HUMANIDADE

Poeta das sensações, do satanismo, da sensualidade e sinestesia (a mistura dos sentidos, por exemplo, a cor de um perfume), Baudelaire escreveu durante a decadência do romantismo e a ascensão do realismo. Sua poesia percorreu um caminho singular, prenunciado os temas que dominariam o século 20. Segundo o crítico Erich Auerbach, ele criou a poesia moderna ao incorporar à literatura a realidade grotesca. O escritor André Breton (leia sobre ele na página 81) considerava Baudelaire o primeiro dos surrealistas.

 

Continua após a publicidade

Poema ao Leitor

“Se o veneno, a paixão, o estupro, a punhalada

Não bordaram ainda com desenhos finos

A trama vã de nossos míseros destinos,

É que nossa alma arriscou pouco ou quase nada.

Em meio às hienas, às serpentes, aos chacais,

Continua após a publicidade

Aos símios, escorpiões, abutres e panteras,

Aos monstros ululantes e às viscosas feras,

No lodaçal de nossos vícios imortais,

Um há mais feio, mais iníquo, mais imundo!

Sem grandes gestos ou sequer lançar um grito,

Continua após a publicidade

Da Terra, por prazer, faria um só detrito

E num bocejo imenso engoliria o mundo;

É o Tédio! – O olhar esquivo à mínima emoção,

Com patíbulos sonha, ao cachimbo agarrado.

Tu conheces, leitor, o monstro delicado

Continua após a publicidade

– Hipócrita leitor, meu igual, meu irmão!”

(Tradução de Ivan Junqueira)

 

Continua após a publicidade
Publicidade