Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

As Flores do Mal

Por Da Redação Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 31 out 2016, 18h53 - Publicado em 31 jul 2005, 22h00

Charles Baudelaire

NOME ORIGINAL_Les Fleurs du Mal (França)
EDIÇÃO NO BRASIL_ Nova Fronteira; 1985

 


DO QUE TRATA

Reunião de poemas originalmente divididos em 5 seções. Após sua publicação, Baudelaire foi processado por atentado à moral pública e 6 dos poemas foram censurados.

Continua após a publicidade

QUEM ESCREVEU

Baudelaire (1821-1867) perdeu o pai aos 6 anos e nunca perdoou a mãe por se casar novamente, com um tenente-coronel do exército. Em 1841 é enviado à Índia pelo padrasto. Mas abandona o barco e volta a Paris para se dedicar à literatura. Herda a fortuna paterna e passa a desfrutar uma vi da de luxo. Após uma temporada na Bélgica, volta a Paris, onde morre nos braços da mãe.

POR QUE MUDOU A HUMANIDADE

Poeta das sensações, do satanismo, da sensualidade e sinestesia (a mistura dos sentidos, por exemplo, a cor de um perfume), Baudelaire escreveu durante a decadência do romantismo e a ascensão do realismo. Sua poesia percorreu um caminho singular, prenunciado os temas que dominariam o século 20. Segundo o crítico Erich Auerbach, ele criou a poesia moderna ao incorporar à literatura a realidade grotesca. O escritor André Breton (leia sobre ele na página 81) considerava Baudelaire o primeiro dos surrealistas.

Continua após a publicidade

 

Poema ao Leitor

“Se o veneno, a paixão, o estupro, a punhalada

Não bordaram ainda com desenhos finos

A trama vã de nossos míseros destinos,

Continua após a publicidade

É que nossa alma arriscou pouco ou quase nada.

Em meio às hienas, às serpentes, aos chacais,

Aos símios, escorpiões, abutres e panteras,

Aos monstros ululantes e às viscosas feras,

Continua após a publicidade

No lodaçal de nossos vícios imortais,

Um há mais feio, mais iníquo, mais imundo!

Sem grandes gestos ou sequer lançar um grito,

Da Terra, por prazer, faria um só detrito

Continua após a publicidade

E num bocejo imenso engoliria o mundo;

É o Tédio! – O olhar esquivo à mínima emoção,

Com patíbulos sonha, ao cachimbo agarrado.

Tu conheces, leitor, o monstro delicado

– Hipócrita leitor, meu igual, meu irmão!”

(Tradução de Ivan Junqueira)

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.