Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Campanha contra megaincêndio em Goiás arrecada R$ 350 mil

Crowdfunding criado para combater incêndio na Chapada dos Veadeiros recebeu 4 mil doações, superando em 85% o valor pedido; fogo começa a ser controlado

Por Pâmela Carbonari Atualizado em 26 out 2017, 19h56 - Publicado em 26 out 2017, 17h57

O Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros, em Goiás, está em chamas desde a última quinta-feira, dia 17. As autoridades locais estimam que 64 mil dos 240 mil hectares já tenham sido atingidas pelas labaredas dentro do Parque. Somando com as áreas próximas, o tamanho do estrago chega a 80 mil hectares queimados. Este é o maior incêndio da história do Parque, criado em 1961.

Para conter o incêndio na Chapada, que é Patrimônio Mundial Natural da UNESCO e uma importante região de preservação do Cerrado, moradores de Alto Paraíso-GO, ONGs e fundações ambientalistas criaram a Rede Contra Fogo e um financiamento coletivo para arrecadar fundos no site Catarse.

A meta do crowdfunding era recolher R$ 192 mil para arcar com os custos de equipar brigadas de combate e prevenção a incêndios no Parque; desenvolver uma central de informações para estimular a conscientização ambiental e a preservação do Cerrado e organizar um conselho que trabalhe em projetos educacionais e ecossociais. A campanha começou há oito dias e já ultrapassou o valor estimado em 85% — 4.166 colaboradores doaram R$ 357 mil. No Facebook, a Rede Contra Fogo alcançou 1,3 milhão de pessoas.

Vários famosos divulgaram mensagens de apoio à causa em suas redes sociais. Veja abaixo algumas delas:

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

A CHAPADA DOS VEADEIROS PEDE SOCORRO! PRECISAMOS DA SUA AJUDA, PARTICIPE DO NOSSO FINACIAMENTO COLETIVO! ⠀ Cerca de mais de 35 mil hectares do Parque Nacional foram devastados pelo fogo (incêndio criminoso), sem contar tantas outras áreas que não foram contabilizadas ainda. A previsão é que teremos ainda mais 10 dias de combate antes da chuva chegar. Os esforços que estão sendo empreendidos até o momento não são suficientes para conter as dimensões e a rapidez dessa destruição. Precisamos unir esforços para vencer a burocracia e a lentidão das instituições responsáveis. Por isso, precisamos da SUA AJUDA! Estamos lutando contra o tempo para salvar o que ainda resta da savana mais rica do mundo! ⠀ Precisamos arrecadar R$ 170.000 para esse momento emergencial! Esse dinheiro será revertido em equipamentos específicos de alto custo para o combate ao fogo, alimentação e custos operacionais. A cada 03 dias disponibilizaremos um relatório com a transparência financeira. ⠀ PARA DOAR, acesse: catarse.me/redecontrafogoveadeiros ⠀ #soschapadadosveadeiros #redecontrafogo #salveocerrado #veadeirospedesocorro

A post shared by Reynaldo Gianecchini (@reynaldogianecchini) on

View this post on Instagram

Continua após a publicidade

Neste instante, um incêndio sem precedentes está transformando uma área da savana mais biodiversa do planeta em cinzas. Em apenas uma semana, 35 mil hectares do Parque Nacional da Chapada dos Veadeiros já foram consumidos pelas chamas. Ajude a combater e a prevenir esses incêndios: http://bit.ly/2i1d6MC #soschapadadosveadeiros #redecontrafogo #salveocerrado#veadeirospedesocorro

A post shared by Arnaldo Antunes (@arnaldo_antunes) on

O Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) e representantes do Ibama disseram em coletiva de imprensa ontem que os esforços em parceria com os Bombeiros do DF e de Goiás, Polícia Rodoviária Federal e Grupo Ambientalista do Torto também estão tendo sucesso, e que o fogo está sendo controlado – os focos da região do Vale da Lua, de Mulungu e da Cara Preta estão sob monitoramento, mas que nas serras de Santana e do Ministro, onde o acesso é mais difícil, ainda há chamas.

As autoridades ambientais trabalham com a hipótese de o incêndio ser criminoso, uma retaliação à medida que aumentou a área de preservação da Chapada de 65 mil hectares para 240 mil hectares, em junho deste ano. O Cerrado é um dos biomas brasileiros mais ameaçados, habitat natural de várias espécies de plantas e animais que só existem ali ou estão ameaçadas de extinção, como o lobo guará e o pato-mergulhão. O pedido de ampliação estava tramitando desde 2009.

“A única causa (natural) de incêndios no cerrado são raios. E a época de incidência deles é no período de chuvas, mas não tivemos tempestades nesse último mês ou queda de raios. Não existe a possibilidade de combustão espontânea nessa região e 100% dos incêndios na seca no Cerrado são provocados pelo homem. O local onde ele começou deixa claro que o incêndio foi uma ação humana”, afirmou o chefe do Parque da Chapada dos Veadeiros, Fernando Tatagiba, em entrevista à BBC Brasil.

O ICMBio também considera a possibilidade de que o fogo tenha sido causado intencionalmente. Além disso, o Instituto disse em nota que os incêndios no final da seca são mais perigosos por causa do acúmulo de folhas e capim que facilitam a expansão das chamas e que “a alta temperatura e baixa umidade relativa do ar,contribuem para a rápida expansão das chamas e também diminuem a resistência física dos combatentes.”

Ueslei Marcelino/Reuters

Em conversa com a SUPER, a Rede afirma que a etapa inicial da campanha foi atingida em 24 horas e que atenção agora está voltada no pós-fogo. “Queremos, com essa segunda fase, trabalhar na prevenção através da criação de novas brigadas de incêndio intersetoriais e da capacitação de novos brigadistas, além de um trabalho de comunicação focado na educação ambiental trazendo informações sobre a importância do bioma Cerrado, assim como sua preservação”.

Apesar da motivação ser uma tragédia que deixa dúvidas sobre a regeneração do bioma, Tatagiba disse, ainda em entrevista à BBC Brasil, que a organização pública motivada por esse incêndio vai deixar um aprendizado para ser usado a longo prazo: “Vamos construir brigadas comunitárias com mais equipamentos de proteção, comunicação e treinamento”.

 

Valter Campanato | Agência Brasil/Divulgação
Continua após a publicidade
Publicidade