Clique e Assine a partir de R$ 12,90/mês

Como os países decidiam as horas antes do fuso horário?

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h46 - Publicado em 30 set 2008, 22h00

Texto Paula Desgualdo

De acordo com a posição do Sol. O que, aliás, não era novidade. Desde a Antiguidade o Sol é usado como referência para o cálculo do tempo. Os egípcios já sabiam: quando ele estava a pino, era sinal de que o dia havia chegado à metade. A técnica não é das mais precisas, mas resolvia relativamente bem a questão.

Até o século 19, cada lugar acertava os relógios seguindo padrões próprios. Os horários em Portugal eram determinados a partir da passagem do Sol pelo Observatório Nacional de Lisboa, os da França usavam o Observatório de Paris, e assim por diante. Esse olhômetro gerava situações bizarras: era comum relógios de cidades próximas dentro do mesmo país registrarem horários distintos. Isso se tornou um problema com a popularização das estradas de ferro – imagine atravessar um grande território considerando essas mudanças aleatórias de horário entre as cidades.

Em 1884, 41 delegados de 25 países participaram de uma conferência na cidade de Washington e, só então, decidiram que o meridiano de Greenwich, na Inglaterra, seria o ponto de referência para o cálculo das longitudes. O resto da história você aprendeu nas aulas de geografia: dividiram a Terra em 24 gomos de 15 graus. Cada um deles representa uma hora de diferença em relação a Greenwich. “O Brasil só aderiu de fato ao padrão em 1913”, conta Fadel David Antônio Filho, geógrafo da Unesp de Rio Claro. Até então, Recife comemorava o ano novo 33 minutos antes de São Paulo e 1 hora e 5 minutos depois de Porto Alegre.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super! Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 19,90/mês

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 12,90/mês