Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Holocausto ajuda a entender gratidão

Foi essa a conclusão de um time de neurocientistas americanos, que estudou o cérebro de mais de 20 jovens expostos a relatos de sobreviventes do nazismo

Por Ana Luísa Fernandes
Atualizado em 8 mar 2024, 11h13 - Publicado em 20 out 2015, 19h15

Para entender melhor como funciona a gratidão, pesquisadores da Universidade do Sul da Califórnia, EUA, utilizaram memórias de sobreviventes do Holocausto nazista. A situação pode parecer incomum, afinal, não é tão fácil extrair algum sentimento bom de um genocídio. Mas são em momentos como esses que a mais pequena ajuda é valorizada, como explica em entrevista Glenn Fox, líder do projeto: “Nós tipicamente associamos coisas ruins ao Holocausto. Mas quando você escuta os sobreviventes, também conhece histórias de virtude incríveis, e de gratidão pela ajuda recebida”.

Leia também:
O soldado que fugiu mais de 200 vezes de um campo de concentração – e voltou em todas elas

Como Hitler pôde acontecer?

Continua após a publicidade

Foram recrutados 23 jovens na faixa dos 20 anos para o estudo, sem nenhum vínculo pessoal com o Holocausto. Pequenos documentários sobre a história do nazismo foram mostrados, relatando a vida dos perseguidos por Adolf Hitler nos campos de concentração. Depois, os neurocientistas utilizaram vários depoimentos reais de sobreviventes, que reforçaram o impacto causado pelos filmes e introduziram a gratidão no meio do horror. Os participantes foram colocados em situações como “Você está extremamente doente em um campo de concentração, quando um outro prisioneiro médico te salva” ou “Os nazistas estão te perseguindo, e uma família te acolhe por conta e risco”. Durante o processo, foi possível mapear o cérebro dos voluntários. Fox diz: “Eles tiveram uma experiência de gratidão como se eles se imaginassem na situação”.

Os pesquisadores descobriram que, quando o cérebro sente gratidão, ele ativa áreas responsáveis pelos sentimentos de recompensa, cognição moral, julgamentos subjetivos de valor, de equidade, de decisões econômicas e autorreferência. Além disso, os jovens foram capazes de entender muito melhor o Holocausto, sentindo empatia pelos sobreviventes.

O diretor Stephen Smith, da USC Shoah Foundation, de onde foram retirados os depoimentos apontou: “Quando deram o testemunho, muitos sobreviventes do Holocausto nos falaram que eles acharam razões para agradecer, seja por um estranho oferecendo um pedaço de comida ou um vizinho oferecendo um lugar para se esconder (…) a pesquisa mostra porque é tão importante preservar as vozes de pessoas que viveram durante esses tempos sombrios”.
 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.