GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O que eles realmente fazem?

Filhos podem até esconder muita besteira. Mas, perto de sua imagem de rebeldes, até que são bem-comportados

Maurício Horta

VER PORCARIA NA INTERNET
Nos EUA, 73,5% dos pais acreditam que seus filhos adolescentes não acessam conteúdo inapropriado para sua idade. Já na prática…

70% escondem dos pais o que veem.
43% acessam jogos de simulação de violência.
32% veem pornografia.

MATAR AULA
Metade dos pais brasileiros ignora o que seus filhos fazem no tempo livre – e alguns não sabem nem o que fazem quando estariam na escola.

10% escola privada
21% escola pública

BEBER
A maioria dos adolescentes brasileiros já experimentou álcool. Mas isso não quer dizer que bebam frequentemente.

QUEM
54,3% dos adolescentes já beberam. Eles começam, em média, aos 13,9 anos.

O QUÊ?
35% vinho
52% cerveja
6% bebidas “ice”
7% destilados

QUANDO
Meninos
Todos os dias – 2%
De 1 a 4 vezes por semana – 10%
De 1 a 3 vezes por mês – 16%
Menos de 1 vezao mês – 8%
Menos de 1 vez ao ano ou nunca – 64%

Meninas
Todos os dias – 0%
De 1 a 4 vezes por semana – 6%
De 1 a 3 vezes por mês – 14%
Menos de 1 vezao mês – 11%
Menos de 1 vez ao ano ou nunca – 68%

QUANTO
Adolescentes que tomaram um porre nos útimos 12 meses:

21% dos meninos: 5 doses ou mais
12% das meninas: 4 doses ou mais

FUMAR
Entre estudantes do 9ª ano do ensino fundamental, 95,5% dizem que sua família se importaria muito se eles fumassem.

21,2% dos estudantes já experimentaram cigarro. Mas apenas…
6,3% fumaram pelo menos uma vez nos últimos 30 dias.

USAR DROGAS
Ainda que um em cada 6 já tenha experimentado algum tipo de droga, o número de usuários é bem menor.

22% dos jovens já usaram drogas. Isso se divide em:
5% que usam de forma habitual.
17% que já provaram, mas não são usuários.

DOS QUE JÁ EXPERIMENTARAM
49% seus pais não sabem que usaram.
43% seus pais sabem que usaram.
8% não fazem ideia se os pais sabem que usaram.

O QUE USARAM
77% maconha
31% cocaína
28% lança-perfume
11% ecstasy
10% LSD
7% crack
5% anfetamenias
5% chá de cogumelo

TRANSAR
Meninos perdem a virgindade com uma ficante ao chegar ao ensino médio, e meninas, um ano e meio depois com um namorado mais velho.

Meninos
QUANDO COMEÇA : 14,7 anos

O PRIMEIRO PARCEIRO(A) É:
Namorada(o) – 45%
Esposa/marido – 1%
Ficante – 48%
Prostituta – 5%

QUE CONHECEU:
Na vizinhança – 27%
Na escola – 28%
Lugares de lazer – 18%
Igreja ou trabalho – 6%

E QUE ERA:
Mais novo(a) – 10%
Da mesma idade – 52%
2 a 4 anos mais velho(a) – 24%
5 ou mais anos mais velho(a) – 14%

Meninas
QUANDO COMEÇA : 16,3 anos

O PRIMEIRO PARCEIRO(A) É:
Namorada(o) – 86%
Esposa/marido – 4%
Ficante – 9%
Prostituta – –

QUE CONHECEU:
Na vizinhança – 33%
Na escola – 14%
Lugares de lazer – 23%
Igreja ou trabalho – 8%

E QUE ERA:
Mais novo(a) – 2%
Da mesma idade – 24%
2 a 4 anos mais velho(a) = 36%
5 ou mais anos mais velho(a) – 38%

ELES USAM CAMISINHA?
Nem sempre. Entre os jovens de 15 a 24 anos…

55% usaram preservativo na última vez em que transaram.
68% usaram na última vez que fizeram sexo casual.

E SE A MENINA ENGRAVIDAR?
Quando uma adolescente conta que engravidou, mais da metade dos pais fica contente ou a menos se compromete a ajudar. Mas parte das famílias nem sequer sabe que seus filhos já foram futuros pais.

12,5% Porcentagem de grávidas de até 19 anos que optam pelo aborto.

Entre meninas que engravidaram até os 19 anos, sua família:
33,6% ficou contente com a gravidez.
18,5% disse que ajudaria a cuidar do bebê.
13,7% sugeriu um aborto.
9,1% exigiu que se casasse.
3,1% expulsou a menina de casa.
11% não ficou sabendo.
11% outros

Entre meninos que até os 19 anos, engravidaram uma menina, sua família:
26,6% disse que ajudaria a cuidar do bebê.
37,5% não ficou sabendo.
21,4% ficou contente com a gravidez.
5,4% sugeriu um aborto.
4,4% exigiu que casasse.
4,5% outros
0,2% expulsou o menino de casa.


FONTES: Ibge/Ministério da Saúde, McAfee, Secretaria Nacional de Políticas sobre Drogas, Unidade de Pesquisas em Álcool e Drogas, Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas, Pesquisa Gravidez na Adolescência, Maria Luiza Heilborn.