Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

De cada três falas em Hollywood, apenas uma é dita por uma mulher

Atrizes têm menos papéis de protagonismo e menos posições de comando – e têm três vezes mais chances de ficarem nuas em cena

Por Pâmela Carbonari Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 27 out 2020, 10h59 - Publicado em 13 abr 2016, 21h00

Se é verdade que Hollywood é uma fábrica de sonhos, está bem claro quem é que manda nessa fábrica: os homens. Os dados são bem claros: mulheres no cinema têm muito menos falas, muito menos papéis de protagonismo, muito menos posições de comando. Só há um indicador no qual elas lideram de longe: nudez.

Onde elas não têm voz

Um estudo realizado pela Polygraph, plataforma americana de cultura popular, analisou o roteiro de 2 mil filmes e compilou informações sobre idade e gênero. A pesquisa mostrou que as mulheres têm a maior parte das falas em apenas 22% das produções. Outro dado impressionante é que a chance de um filme ter pelo menos duas personagens femininas entre os três destaques é de 18%, mas a proporção de homens na mesma posição acontece em 82% deles.

Mesmo em um ano em que os três filmes mais populares dos Estados Unidos (A Bela e a Fera, Mulher Maravilha e Star Wars: O Último Jedi) foram estrelados por mulheres, os números não são dignos de comemoração. O relatório do Centro de Estudo das Mulheres na Televisão e no Cinema, da Universidade Estadual de San Diego, chegou à mesma conclusão infeliz que a Polygraph: apenas 24% dos filmes lançados em 2017 tiveram protagonistas mulheres – contra 29% em 2016. Nem o Oscar serviu para alavancar os números de protagonismo feminino: das nove produções indicadas a melhor filme, quatro tinham mulheres nos papéis principais. E o machismo não se restringe à distribuição de papéis e quantidade de falas. Até o público contribui para perpetuar o padrão “homens no poder”: quando o personagem principal é homem, o filme consegue o dobro de audiência se comparado a uma produção estrelada por uma atriz.

Esse estudo, chamado It’s a Man’s (Celluloid) World, observou 2.361 personagens nas 100 produções mais rentáveis de 2017 feitas nos Estados Unidos e revelou que, a cada três falas, só uma é dita por uma mulher. A pesquisa também agrupa dados de representação desde 2002 até 2017 – uma análise de 16 mil personagens e mais de 700 filmes.

Mesmo quando os papéis principais não estão nos holofotes da pesquisa, os resultados continuam sendo preocupantes: dentre os 100 filmes de 2017, apenas 32% deles mostravam dez ou mais personagens femininas em papéis que exigiam alguma fala na mesma obra. Já entre os homens, o número sobe para 79%. Quem leva o prêmio de menor representatividade nas telas são as mulheres de minorias étnicas: a porcentagem de mulheres negras não passa de 16%, as latinas participaram de 7% das produções e as asiáticas estão em 7% dos filmes.

(Tainá Ceccato/Superinteressante)

Se o cinema é uma representação da realidade, Hollywood consegue reforçar muito bem os estereótipos consolidados do lado de fora dos estúdios. Enquanto 78% dos personagens homens tinham empregos ou ocupações possíveis de serem identificadas, entre as mulheres o número foi de 63%. Ou seja, quase 40% das personagens femininas não trabalhavam fora de casa ou o trabalho não era importante o bastante para ser explorado na trama a ponto do público identificá-lo.

Os pesquisadores também notaram que os homens são mais propensos a interpretar tramas relacionadas apenas à vida profissional (65% homens, 44% mulheres). Já às atrizes têm mais chances de atuar em papéis em que a vida pessoal é o centro da narrativa (39% mulheres, 21% homens).

A desigualdade existe inclusive quando as mulheres não são feitas de carne e osso. Dentre as 30 animações da Disney analisadas pela Polygraph, em apenas 7 as mulheres falam mais que os homens. A surpresa é que até filmes em que os personagens principais são mulheres, como Mulan e Frozen, a maioria das falas é masculina. Em Frozen, mesmo com as irmãs Elza e Anna em destaque, os homens dominam 57% dos diálogos (Olaf, o boneco de neve, fala sem parar). No filme Mulan, por exemplo, o dragão Mushu fala muito mais que a própria guerreira.

E, quanto mais velhas as atrizes ficam, menor é o espaço delas em cena. Na análise de roteiros da Polygraph, é nítido o cala-te boca que Hollywood dá nas mulheres depois dos 40 anos. Ao passar dessa idade, a média de palavras faladas por elas é de 11 milhões – que representa 20% do total das falas femininas. O auge da participação feminina acontece entre os 22 e os 31 anos, quando elas ficam responsáveis por 38% dos diálogos reservados às mulheres. O ápice masculino, em contrapartida, acontece alguns anos depois. Os homens com idade entre 42 e 65 anos são muito mais falastrões: dizem 55 milhões palavras e essa média equivale à 39% das falas masculinas. Enquanto a idade descarta as mulheres, a velhice premia os homens: há mais papéis disponíveis para atores mais velhos, porque eles têm duas vezes mais voz que elas.

Exposição

A participação das atrizes pode ser menor, mas elas estão mais expostas e sexualizadas. De acordo com uma pesquisa realizada pela Universidade do Sul da Califórnia, personagens femininas têm três vezes mais chances de aparecerem parcial ou completamente nuas nos longas. A possibilidade delas tirarem a roupa durante as interpretações passa de 25% e a deles não chega nem a 10%.

Continua após a publicidade

Faltam mulheres por trás das câmeras

A representatividade das mulheres nas telonas já é baixa, e por trás das câmeras elas ocupam menos posições ainda. De acordo com um estudo realizado em 11 países, as mulheres estão em menos de 25% dos cargos de criação cinematográfica. Mas esse número baixa quando analisamos as 3 mil pessoas que trabalharam nos 250 filmes americanos mais rentáveis– em 2017, 18% dos funcionários fora de cena eram mulheres. Apesar de ser um sensível aumento de 1% se comparado a 2016, é a mesma situação de 1998. No ano passado, 88% dos filmes foram dirigidos por homens, 45% dos produtores executivos eram homens e apenas 11% dos filmes foram escritos por mulheres – menos ainda que há 19 anos, quando 13% das produções foram assinadas por roteiristas mulheres.

O cinema pode ter evoluído muito nas últimas décadas, mas a igualdade de gênero ainda vai levar um bom tempo até cimentar os pés em Hollywood.

(montagem sobre iStock/Superinteressante)

LEIA TAMBÉM:

O funk é feminista
Está faltando mulher em Hollywood
Onde estão as mulheres da SUPER?

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.