GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Escolhas

Alexandre Versignassi, Karin Hueck, Luisa Destri

1. Facebook, a saga

2. Fofoqueiro
Keith Richards estava num quarto de hotel tocando violão. Gravou numa fita cassete e foi ouvir. O som estava tão distorcido que não parecia violão. Nem guitarra. Qualquer um acharia lixo. Mas Keith viu algo ali e levou a fita para o estúdio dos Stones. Hoje, o som do gravador são as músicas Jumping Jack Flash e Street Fighting Man. Essas são as histórias que valem na autobiografia de Keith Richards, as (muitas) em que ele fala só de música, a coisa que o guitarrista ajudou a reinventar. O resto é fofoca. P.S.: O Mick Jagger tem pinto pequeno.

Vida, Keith Richards e James Fox, Editora Globo, 672 págs, R$ 50.

3. Sai, urubu
Este filme argentino começa com um aviso: acidentes de trânsito são a maior causa de morte do país. O drama descreve uma indústria que lucra com essas tragédias. Sosa é um advogado picareta que defende as vítimas pobres de acidentes – mas que fica com quase todo o dinheiro das indenizações. Quando ele se apaixona por uma plantonista, seu esquema começa a degringolar. O filme é mais um daqueles que viraram especialidade argentina: tem um final surpreendente e grande chance de ser indicado ao Oscar no ano que vem.

Abutres, 3 de dezembro nos cinemas.

4. Uma grande viagem
Alain de Botton, o filósofo pop suíço que já discorreu sobre nossos hábitos de consumo e nossa vida medíocre nos escritórios, agora raciocina sobre os aeroportos. Ele passou uma semana morando em Heathrow, o mais movimentado da Europa, e chega a algumas boas conclusões sobre o corre-corre das viagens internacionais.

Uma semana no aeroporto, Alain de Botton, 218 páginas, Rocco, R$ 33,50.

5. A infame busca da fama
O título deste livro não é só força de expressão, afinal, já houve até mortes causadas na tentativa de quebrar recordes. O autor investiga o fascínio pelo Guiness, o livro com direitos autorais mais vendido do planeta (mais de 100 milhões) e a motivação daqueles que desejam eternizar seus feitos. Destaque para o maluco Ashrita Famamas, que acredita estar cumprindo, com seus 117 recordes, uma missão espiritual.

Tudo para entrar no Guinness, Larry Olmsted, Ediouro, R$ 39.