Clique e assine a partir de 8,90/mês

“Prometheus” e as últimas palavras de John Lennon

Confira essas e outras dicas de cultura

Por Da Redação - Atualizado em 31 out 2016, 18h54 - Publicado em 24 jun 2012, 22h00

Ana Carolina Prado, Karin Hueck e Nathan Fernandes

1. O futuro já começou
Pode confiar: até 2100, centenas de satélites na órbita da Terra absorverão a radiação do Sol e finalmente resolverão o nosso problema energético. Os robôs terão sentimentos (o que lhes permitirá tomar melhores decisões), a internet será acessada por meio de lentes de contato e você poderá alterar o lugar – e até a forma –  dos móveis de sua casa com um simples comando mental. (Não é feitiçaria, é tecnologia: eles terão chips capazes de ler sinais elétricos do cérebro.) Essas previsões foram feitas pelo físico Michio Kaku. Com base em mais de 300 entrevistas com cientistas e em pesquisas existentes, Kaku tenta prever nosso cotidiano no futuro neste livro.

– A física do futuro, Michio Kaku, Editora Rocco, 416 págs., R$ 60

2. Prometheus
Desde 1982, com Blade Runner, Ridley Scott andava afastado das ficções científicas. Agora, ele volta com tudo, com direito a ETs, espaçonaves colossais e uma grande ameaça à Terra (em 3D, claro). O filme começa com uma arqueóloga do ano 2089 que descobre um sinal extraterrestre que se repete em pinturas rupestres ao redor do mundo. “Acho que eles querem que nós os encontremos” é a brilhante conclusão. Para não estragar a surpresa, é melhor não contar o que acontece depois – apenas que algo dá muito, muito errado.

Continua após a publicidade

– Prometheus, dia 7 de junho nos cinemas.

3. O que não mata engorda (os neurônios)
Nem tudo que a TV, a internet e os games oferecem serve para derreter nosso cérebro. É o que afirma o autor deste livro. Baseando-se na evolução do nível de complexidade de jogos e seriados, é possível dizer que até a “porcaria melhorou” se compararmos com o que existia algumas décadas atrás. Com muito mais conteúdo que seus antepassados, produtos como SimCity e Os Simpsons aumentam a capacidade analítica e o poder de cognição. Taí a desculpa que você precisava para assistir aquele reality show de gosto duvidoso.

– Tudo que é ruim é bom para você, Steven Johnson, Zahar, 188 págs., R$ 38.

4. A maldade está em você
Em 1971, um estudo de Stanford resolveu analisar a predisposição das pessoas comuns de fazer o mal. Para isso, dividiu um grupo de universitários em dois e chamou uma parte de “presidiários” e a outra de “carcereiros”. Deixou todos trancados em um porão por dias e observou como, aos poucos, os carcereiros começaram a subjugar, humilhar e torturar os “presos”. Em 6 dias, o experimento teve de ser interrompido por causa da crueldade. E provou: dependendo das circunstâncias, qualquer um pode virar o demônio. Agora um documentário sobre o estudo está no YouTube – com cenas reais.

Continua após a publicidade

– migre.me/94Sqx.

5. A vida em um segundo
Todos os dias, o americano Cesar Kuriyama grava um segundo de sua vida e edita tudo depois para formar sua história. Aqui ele está com 30 anos:

http://www.cesarkuriyama.com/i-made-this-stuff/

6. As últimas palavras de John
Para conseguir conversar com John Lennon e Yoko Ono para aquela que seria a última entrevista do ex-Beatle, o repórter da Playboy David Sheff, teve que atirar para todos os lados. Contatou músicos, assessores e até o contador do casal, que só então voltava para a mídia, após anos de reclusão. Mas deu certo. Este livro traz boa parte das conversas realizadas durante as 3 semanas em que o repórter acompanhou os dois e permite entender melhor o casal (por exemplo, por que uma vez John Lennon saiu do banheiro de um restaurante com um absorvente feminino grudado na testa).

Continua após a publicidade

– A última entrevista de John Lennon e Yoko Ono, David Sheff, Editora Nova Fronteira, 296 págs., R$ 40

7. Caça-joias
O Vímeo, o YouTube para hipsters, resolveu criar uma recompensa para premiar os melhores vídeos originais postados por lá em 2011. São clipes, animações, documentários e seriados – cada um concorrendo a US$ 25 mil. É um bom lugar para caçar vídeos bacanudos:

–  http://vimeo.com/awards/.

Publicidade