Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

Vício em videogames passou a ser, oficialmente, um distúrbio mental

A Organização Mundial da Saúde atualizou suas diretrizes, que agora incluem o transtorno – mas calma, ele não se aplica a TODO tipo de jogador.

Por Felipe Germano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
19 jun 2018, 13h32

Ansiedade, TOC, Transtorno Bipolar. Você já se acostumou a ouvir que essas são doenças, com sintomas, tratamentos e estudos científicos criados especificamente para elas ao redor do globo.

O que você nunca deve ter parado para pensar é que essa estrutura toda só é criada porque há unanimidade de que essas condições são, de fato, distúrbios – e não meramente questões comportamentais das pessoais ou apenas sintomas de outras doenças, como muitos acreditaram por décadas. TOC era apenas uma personalidade zelosa, até que a compreensão sobre esses distúrbios evoluísse devidamente.

Hoje, vemos novos transtornos traçando o mesmo caminho. A Organização Mundial da Saúde (OMS) atualizou sua listagem oficial de doenças e, agora, o vício em videogames foi oficialmente classificado como um distúrbio mental – incentivando a comunidade médica a estudar profundamente a questão.

Mas é importante ter calma. Isso não significa que você – ou seu filho – têm um problema de saúde. Virar uma noite ou outra para zerar o novo God of War e ficar em primeiro no Fortnite não é um sintoma propriamente dito.

Continua após a publicidade

A grande questão na hora do diagnóstico é a intensidade. A OMS afirma que os dependentes dos games podem ser identificados porque repetem, em geral, três padrões de comportamento: 1) a falta de controle quando tenta diminuir a frequência e duração das jogatinas; 2) a crescente priorização dos jogos na vida do gamer; 3) a continuidade do hábito de jogar, mesmo que ele traga consequências negativas para a vida pessoal, ou profissional do paciente – ou seja, aquela velha história do “não sou viciado, paro quando quiser” que não se concretiza nunca.

A OMS, então deixa claro: só 3% dos jogadores de videogame possuem a dependência. Em geral, jogar uma partida ou outra pode até trazer benefícios, como já falamos aqui.

A ideia é que, com a adição do transtorno à listagem oficial de doenças da organização, o vício em videogame receba mais atenção médica e incentive novos estudos em busca de políticas de prevenção e tratamentos. É exatamente o mesmo que acontece com outros tipos de vício, como o relacionado à jogos de azar, drogas e álcool – e o único caminho possível para dar Game Over no problema.

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou

Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.