Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Cientistas determinam qual foi o pior ano para estar vivo na história

Foi num período sem peste bubônica, sem grandes genocídios, mas também sem sol: ele brilhou tão fraco quanto a Lua por 18 meses.

Por Bruno Vaiano Materia seguir SEGUIR Materia seguir SEGUINDO
Atualizado em 4 jan 2023, 17h48 - Publicado em 16 nov 2018, 17h53

Belchior cantou: “ano passado eu morri, mas esse ano eu não morro”. Um bom ano para morrer, ele ficaria feliz em saber, seria 536 d.C – o pior da história da humanidade, de acordo com o historiador e arqueólogo Michael McCormick.

O professor de Harvard afirmou à revista Science: “Foi o começo de um dos piores períodos para se estar vivo – se não foi o pior.” E essa é principal conclusão de um artigo científico que ele e sua equipe publicaram nesta semana. 

O que leva à pergunta: por que tanta desgraça? Será que o auge do Holocausto, por volta de 1943, não foi pior? Ou talvez a Peste Negra, lá em 1374? Quem, afinal, é 536 na fila do pão?

Bem, para começar, um vulcão entrou em erupção na Islândia e cobriu o céu do hemisfério norte com cinzas por 18 meses. Nas palavras de Procópio, historiador da época, “o Sol deu sua luz sem brilho, como a Lua, durante todo o ano”. Percebe-se a falta de brilho no termômetro: a temperatura média, no verão, caiu algo entre 1,5ºC e 2,5ºC.

Continua após a publicidade

Com a luz tênue e a friaca – a década de 530 foi a mais fria em 2300 anos –, a agricultura se deu mal. Uma crise de fome tomou conta de todo o planeta: há registro de escassez de alimentos em documentos da Irlanda, da Escandinávia, da Mesopotâmia e da China.

A natureza fez sua parte para garantir que não saíssemos da espiral de improdutividade: logo depois, rolaram outras duas erupções cataclísmicas, uma em 541 e outra em 547 (desgraça pouca sempre é bobagem).

Continua após a publicidade

Em 541, uma epidemia de peste bubônica atingiu um porto egípcio, e de lá se espalhou e arrasou o já decadente Império Romano do Oriente – na época governado pelo imperador Justiniano. Algo entre 35% e 55% da população do litoral do Mediterrâneo morreu.

Os historiadores, naturalmente, já tinham alguma noção de que os primeiros anos da Idade Média haviam sido um período desagradável. Mas o trunfo do novo trabalho de McCormick foi usar indícios geológicos – como amostras de material vulcânico daquela época que estão presas até hoje em amostra de gelo do norte da Europa e da América – para criar um calendário preciso dos desastres naturais que se abateram sobre a humanidade.

Só por volta de 640, um século depois, que a Europa se recuperou: a mineração de prata para produção de moeda aumentou, sinal de que a economia estava voltando a funcionar.

Continua após a publicidade
Compartilhe essa matéria via:
Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.