GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Combate no solo

Raio X das armas que fizeram sua estréia na Grande Guerra.

Textos Fernando de Martini

No dia 15 de setembro de 1916, durante a Batalha do Somme, um tanque de guerra – o britânico Mark I – foi visto em ação pela primeira vez na história. Mas nem tudo era novidade nos fronts da 1a Guerra. Armas como o canhão 75 Modèle 1897, a metralhadora Vickers e o fuzil Gewehr já eram velhas conhecidas.

MARK I

TIPO: tanque de guerra.

PAÍS: Grã-Bretanha.

ARMAMENTO: 2 canhões e 3 metralhadoras leves.

POEDR DE FOGO – Este Mark I é o modelo “macho”, equipado com 3 metralhadoras leves e 2 canhões de 57 mm. A versão “fêmea” tinha metralhadoras pesadas no lugar dos canhões.

MOTOR – Sua potência limitava a velocidade a meros 5,9 km/h. O motor ficava no mesmo compartimento que acomodava os tripulantes. Resultado: barulho e calor quase insuportáveis.

BLINDAGEM – Para não ultrapassar suas já excessivas 28 toneladas, a blindagem do tanque tinha de ser menos espessa na traseira e nas laterais (6 mm) do que na frente (10 mm).

JANELINHA – Motorista e comandante tinham a melhor visão, com aberturas reguláveis à frente. Os demais ocupantes eram obrigados a se virar com pequenas fendas e periscópios.

LATA DE SARDINHAs – A tripulação da “carruagem do diabo”, como ficou conhecido o tanque Mark I, era composta de 8 pessoas: comandante, motorista, 2 mecânicos, 2 municiadores e 2 artilheiros.

RENAULT FT 17

TIPO: tanque de guerra.

País: França.

ARMAMENTO: um canhão Puteaux de 37 mm.

Bem mais leve que os britânicos, ele revolucionou o design de tanques quando surgiu, em 1917. E estabeleceu o padrão para o futuro: torre com giro de 360 graus e motor traseiro.

75 MODÈLE 1897

Tipo: canhão de campanha.

País: França.

Calibre: 75 mm.

Símbolo da fase inicial da guerra, de movimento, tinha o sistema de recuo mais moderno da época, evitando que a pontaria tivesse de ser refeita a cada disparo. Vinha daí o seu ponto forte: a alta cadência de tiros – 15 por minuto.

VICKERS

Tipo: metralhadora.

País: Grã-Bretanha.

Calibre: 7,7 mm.

Foi uma das armas mais mortais durante a guerra de trincheiras. Assim como a alemã Maschinengewehr 08, ela derivava de uma revolucionária metralhadora automática projetada por Hiram Maxim, em 1894.

MAUSER GEWEHR 98

Tipo: fuzil.

País: Alemanha.

Calibre: 7,92 mm.

Fuzis como este, usados também com baionetas, foram a arma básica dos soldados em todas as fases da guerra e sofreram poucas alterações durante o conflito. Esta versão, de 1918, tinha carregador para 20 cartuchos.

Combate no mar

UBIII

TIPO: submarino.

PAÍS: Alemanha.

ARMAMENTO: 10 tubos de torpedos de 500 mm e 1 canhão de 88 mm.

MOTOR A DIESEL – Os dois motores diesel de 550 HP, que respondiam pelo deslocamento na superfície, tornavam a operação mais segura que a de outros submarinos da época, que usavam motores a gasolina.

MOTOR ELÉTRICO – A propulsão submersa, por motor elétrico de 788 HP, era garantida por baterias que acumulavam energia quando o U-boat se deslocava na superfície.

CENTRO DE CONTROLE – Os periscópios alemães eram mais modernos e precisos que os das outras Marinhas de Guerra, ainda que a Alemanha fosse considerada uma retardatária no desenvolvimento de submarinos.

TORPEDOS – O UBIII carregava 4 torpedos nos tubos de proa, 1 no tubo de popa e 5 de recarga. Nos meses finais da guerra, a maioria dos ataques dependia deles, já que a intensa perseguição aos U-boats diminuia as chances de uso do canhão instalado no convés.

CASCO – Os submarinos da classe UBIII eram construídos com dois cascos de aço. O interno, resistente à pressão, acomodava equipamentos e os 34 tripulantes. O externo tinha funções hidrodinâmicas.

IRON DUKE

Tipo: encouraçado.

País: Grã-Bretanha.

Armamento principal: 10 canhões de 343 mm.

Foi a nau capitânia da frota britânica na lendária Batalha da Jutlândia. Seus canhões disparavam projéteis de 635 kg. O poderoso armamento secundário era composto de 12 canhões de 152 mm instalados em casamatas.

DERRFLINGER

Tipo: cruzador de batalha.

País: Alemanha.

Armamento principal: 8 canhões de 305 mm.

Na Jutlândia, foi duramente atingido. Mas não afundou, graças à blindagem mais espessa que a dos cruzadores de batalha inimigos. Em compensação, seus projéteis de 405 kg explodiram sua contraparte britânica, o Queen Mary.

SCHARNHORST

Tipo: cruzador blindado.

País: Alemanha.

Armamento principal: 8 canhões de 210 mm e 6 de 150 mm.

Nau capitânia do Esquadrão Asiático, cuja missão era interromper as rotas de comércio britânicas no Pacífico. Era bem armado para a categoria, mas não foi páreo para os cruzadores de batalha no confronto das Falklands.

CLASSE V

Tipo: contratorpedeiro.

País: Grã-Bretanha.

Armamento principal: 4 canhões de 102 mm e 4 tubos de torpedos de 533 mm.

Os navios desta classe entraram em serviço em 1917. Seu design inovador, com canhões sobrepostos, tornou-se o padrão para os contratorpedeiros das décadas seguintes.

Combate no ar

Apenas 8 anos depois do vôo de Santos Dumont com seu 14 Bis, o avião já era usado como arma. Caças, bombardeiros, reconhecedores e dirigíveis desempenharam um papel importante na 1ª Guerra – mapeando posições inimigas, lançando ataques sobre as trincheiras e bombardeando cidades.

SPAD S.VII

TIPO: caça.

PAÍS: França.

ARMAMENTO: uma metralhadora de 7,7 mm.

CONTROLE – Seja nos ailerons das asas ou nas superfícies móveis da cauda, o controle era feito por cabos ligados ao manche e aos pedais da cabine.

ESTRUTURA – Com duas longarinas de madeira reforçadas por cabos de aço, as asas eram robustas e não se rompiam nos mergulhos em alta velocidade.

POTÊNCIA – O caça SPAD S.VII foi projetado para aproveitar ao máximo a potência do motor Hispano-Suiza de 180 HP, que garantia boa velocidade ao avião.

METRALHADORA – O ponto fraco deste avião francês era seu limitado poder de fogo. Ele levava apenas uma metralhadora, enquanto os caças alemães tinham duas.

TIRO AO ALVO – A metralhadora atirava nos intervalos do giro da hélice graças a um mecanismo interruptor usado pela primeira vez nos caças Fokker E.I.

NA LONA – As rodas eram cobertas de lona, assim como a fuselagem e as asas. Estruturas metálicas só começaram a ser usadas a partir da década de 1930.

FOKKER D VII F

Tipo: caça.

País: Alemanha.

Armamento: duas metralhadoras de 7,92 mm.

Considerado o melhor caça alemão da guerra, o D VII venceu uma concorrência com 30 protótipos antes de começar a ser fabricado, em 1918. Seu ponto forte: era fácil de pilotar, ajudando pilotos novatos a vencer adversários experientes.

RAF R.E. 8

Tipo: reconhecedor.

País: Grã-Bretanha.

Armamento: duas metralhadoras de 7,7 mm.

A Royal Aircraft Factory (RAF) produziu bons aviões, mas também modelos medíocres – como este, um reconhecedor ao qual pilotos e observadores tentavam sobreviver. O R.E. 8 era difícil de manobrar e pousar e se incendiava facilmente.

HANDLEY PAGE 0/400

Tipo: bombardeiro.

País: Grã-Bretanha.

Armamento: 3 a 5 metralhadoras de 7,7 mm e até 12 bombas de 51 kg.

Foi o primeiro bombardeiro britânico considerado eficaz em combate. Mas, apesar dos motores potentes, seu peso excessivo limitava a capacidade de transportar bombas.

LZ 62

Tipo: dirigível.

País: Alemanha.

Armamento: Até 10 metralhadoras de 7,92 mm e 7,6 toneladas de bombas.

Deu início a uma série de 16 superzepelins que formaram a base da ofensiva estratégica alemã. No total, cumpriu 10 missões de bombardeio pesado contra a Grã-Bretanha.