Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Como funciona o embargo a Cuba?

O embargo é um bloqueio econômico dos EUA, aplicado desde 1962 como resposta à desapropriação de terras de empresas americanas na ilha.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h28 - Publicado em 31 mar 2008, 22h00

Texto Maíra Termero

O embargo é um bloqueio econômico dos EUA, aplicado desde 1962 como resposta à desapropriação de terras de empresas americanas na ilha. O objetivo das restrições (veja os principais exemplos no quadro abaixo) é asfixiar a economia de Cuba. Segundo o governo americano, isso ajudaria a “levar democracia aos cubanos” – se bem que, para alguns analistas, o embargo fortalece ainda mais a ditadura, que joga nos ombros dos EUA a responsabilidade por todos os males na ilha. De qualquer forma, as penas para americanos que violem as sanções são pesadas: até 10 anos de prisão e multas de US$ 1 milhão para corporações ou US$ 250 mil para cidadãos. Mesmo com tanto controle, os EUA são hoje o 3º maior exportador de produtos para Cuba, a maior parte alimentos e produtos agrícolas. “Isso foi fruto de um acordo humanitário, que desde o ano 2000 autoriza a entrada no país de itens de primeira necessidade, como alimentos e remédios”, afirma o historiador Luis Fernando Ayerbe, da Unesp, autor do livro Estados Unidos e América Latina: a Construção da Hegemonia. Se nos tempos de Guerra Fria (1945-1991) todo o mundo capitalista tinha alguma restrição a Cuba, hoje o embargo só é apoiado pelos aliados americanos mais próximos – na Assembléia Geral da ONU em 2007, apenas 4 dos 188 membros não votaram pela condenação às sanções: Israel, Palau, Ilhas Marshall e, claro, os EUA. Fidel renunciou ao poder, mas o governo Bush já disse que nada muda no embargo. Um afrouxamento só deve acontecer (se acontecer) em 2009, com o novo presidente.

Sin ternura jamás

Bloqueio americano impõe restrições tanto nos EUA quanto em Cuba

NOS EUA

PROIBIDO

Continua após a publicidade

NAVIOS

Todo navio que passar por Cuba – mesmo que seja apenas uma escala rápida – não pode atracar nos EUA por 6 meses.

PRODUTOS CUBANOS

Produtos com qualquer matéria-prima cubana são barrados. Americanos não podem entrar nos EUA com charutos cubanos, por exemplo, mesmo que os comprem em outro país.

IMIGRANTES CUBANOS

O regime comunista proíbe as pessoas de deixar a ilha (a não ser em viagens oficiais, esportivas ou de estudo). Quem foge de barco para os EUA e é pego no mar pela guarda costeira americana é mandado de volta. Quem chega a terra firme sobrevive como ilegal.

LIBERADO

Livros, objetos de arte, filmes e afins podem ser transportados livremente de um país para outro. Cds e dvds virgens não entram nessa categoria.

EM CUBA

PROIBIDO

Continua após a publicidade

TURISTAS AMERICANOS

Entre 2004 e 2006, mais de 800 americanos foram punidos nos EUA por viajar ilegalmente a Cuba.

RESTRITO

PROFISSIONAIS AMERICANOS

Entre os americanos, só jornalistas, membros do governo em viagem oficial ou pesquisadores podem pisar na ilha.

DINHEIRO GANHO NOS EUA

A remessa de dólares para Cuba é permitida até US$ 300 a cada 3 meses – desde que a pessoa não tenha parentes em cargos do governo na ilha.

PARENTES

A visita a familiares diretos (marido ou mulher, pais, filhos, netos e avós) é limitada a 14 dias a cada 3 anos. Na ilha, o visitante só pode gastar até US$ 50 por dia.

PRESENTES

Um americano pode levar presentes para cubanos, mas apenas até o limite de US$ 200 por mês. Só pode alimentos, roupas, produtos hospitalares ou equipamento de pesca.

LIBERADO

MATERIAL CULTURAL, COMIDA E REMÉDIOS

Em 2007, o comércio dos itens permitidos movimentou cerca de US$ 600 milhões.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)