Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Maldição radioativa nos túmulos egípcios

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h12 - Publicado em 30 nov 1999, 22h00

Muitos acreditam que os faraós protegiam seus jazigos com maldições contra possíveis violadores de tumbas. A mais famosa mandinga do tempo das pirâmides é a que se atribui ao rei Tutancâmon, pelo fato de os arqueólogos que abriram seu sarcófago, em 1922, terem morrido de males não identificados. Lendas à parte, é certo que as necrópoles antigas do país estão amaldiçoadas, já que muitas delas foram erguidas com pedras contendo urânio radioativo. Um resíduo desse mineral, o gás radônio, também tóxico, vem sendo encontrado pela Agência de Energia Atômica egípcia em vários monumentos. “Especula-se que os egípcios conhecessem a radioatividade”, diz o egiptólogo Antônio Brancaglion, da Universidade de São Paulo. “Mas é pouco provável que a tenham usado contra violadores de túmulos.”

Publicidade