GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Mulheres que mudaram a história: Cleópatra 7ª

Culta, inteligente, sedutora, ela governou o Egito por 21 anos. Fez de tudo para salvar seu país do controle de Roma. Por algum tempo, conseguiu

 (Maurício Planel/Mundo Estranho)

O que foi: Faraó
Onde viveu: Egito
Quando nasceu e morreu: 69 A.C.- 30 A.C.

Cleópatra 7a é um nome obrigatório em qualquer lista de figuras femininas mais influentes da história. São 30 nesta edição, mas poderiam ser 20, dez ou mesmo cinco mulheres, e ainda assim ela teria que ser citada. O motivo é óbvio: a governante do Egito continua sendo influente, mais de 2 mil anos depois de sua morte.

Um único feito já a colocaria em qualquer ranking: no ano 46 a.C., a rainha de 23 anos entrou em Roma, recepcionada pelo ditador Júlio César, de 54 anos. Um cortejo com banda militar e animais exóticos a recepcionou, enquanto uma estátua de ouro representando a rainha estrangeira era colocada dentro do templo de Vênus, a deusa romana do amor. Era então a mulher mais poderosa que já havia existido. Chegar até ali tinha dado trabalho.

DOIS CASAMENTOS
Filha do faraó Ptolomeu 12, Cleópatra tinha 18 anos quando ele morreu. Deixou como testamento a ordem de que ela reinasse ao lado do irmão Ptolomeu 13, de 10 anos. A rainha seguiu a tradição e se casou com o irmão. Mas os tutores do garoto sabiam que o objetivo de Cleópatra era governar sozinha. Isolada, ela acabou no exílio. Podia ser o fim, se a rainha não tivesse conseguido se aproximar de Júlio César.

Egípcia por criação, grega e macedônia por descendência, ela falava nove idiomas. Era sofisticada e sedutora o suficiente para atrair o imperador. César estava em Alexandria e ela se fez apresentar escondida em um tapete: quando ele foi desenrolado aos pés do imperador, lá estava a rainha.

César ajudou Cleópatra a retomar o controle sobre Alexandria, a capital de seu país. Ela teve que se casar com outro irmão, Ptolomeu 14 (que morreria envenenado), mas agora era a única governante de fato.

O passo seguinte foi tentar salvar sua nação de se tornar uma simples colônia romana. A estadia como convidada do imperador romano funcionou bem para ela alcançar o objetivo, mas só por algum tempo. Quando César foi assassinado, ela voltou correndo para casa.

 

Veja também

REMOS DE PRATA
No jogo de poder que se seguiu, a egípcia se posicionou ao lado de Marco Antônio. Era a melhor aposta: carente, mulherengo, impetuoso, ele detinha tropas melhores na comparação com seu maior adversário, o general Otávio. Conquistou Antônio ao aparecer a seu encontro na popa de um barco dourado, com remos feitos de prata. Estava vestida como Vênus e acompanhada por garotos vestidos como Cupidos.

Acontece que Marco Antônio reuniu suas tropas na Síria, e Otávio realizou um bloqueio marítimo eficaz. Derrotado, Antônio correu atrás da amada, que fugira para o Egito. Cercado, se matou. Cleópatra não. Ainda tentou seduzir Otávio.

Quando percebeu que o garoto não cairia por seus encantos é que a rainha cometeu um dos gestos de suicídio mais dramáticos já conhecidos: se deixou picar por uma cobra áspide, pequena e venenosa. Tinha então 39 anos. Seu país acabou controlado pelos romanos. E Ptolomeu 15, filho de Cleópatra 7ª com Júlio César, foi o último faraó.

 

SEUS GRANDES ACERTOS

  • Chegou ao poder
    Foi preciso casar com dois irmãos, mandar matar outros e buscar apoio em Roma, mas ela se tornou a soberana do Egito
  • Controlou sua imagem
    Cleópatra era mestra no marketing. Cada aparição sua era cuidadosamente planejada. Para se comparar a Ísis, vestia-se como se fosse a deusa
  • Foi corajosa
    Ela perdeu o Egito para os romanos, mas antes fez tudo o que esteve a seu alcance para se tornar uma aliada, e não uma serva

 

SEUS GRANDES FRACASSOS

  • Arriscou demais
    A estratégia de apoiar líderes específicos de Roma num momento de grande incerteza política se mostrou trágica para o Egito
  • Governou para poucos
    Pesquisas arqueológicas indicam que, enquanto a rainha vivia com grande luxo, crianças recém-nascidas morriam de desnutrição e de sede
  • Abusou da sedução
    Depois de César e Marco Antônio, tentou mais uma vez recorrer à sedução. Com Otávio, a arma não funcionou

 

Veja também

DICA DE FILME
Cleópatra, de 1963, está cheio de imprecisões históricas. Mas Elizabeth Taylor faz jus à lenda

 

Newsletter Conteúdo exclusivo para você