Clique e Assine por apenas 8,90/mês

Quais países estudam a história do Brasil?

Europeus, africanos e asiáticos se dedicam ao tema, mas pouco. O assunto geralmente é ensinado dentro da história da América Latina

Por Marcel Verrumo - Atualizado em 19 jun 2018, 15h41 - Publicado em 10 dez 2012, 22h00

Zé Carioca ainda é um porta-voz do Brasil. A animação da Disney Você Já Foi à Bahia? (1944), estrelada pelo papagaio, é muito usada na hora de introduzir o Brasil em salas de aula no exterior. “O desenho foi criado como parte da política de boa vizinhança”, diz Lise Sedrez, professora da UFRJ, que lecionou nos Estados Unidos.

Gilmar Fraga/Superinteressante

O destaque que cada país dá a nossa história durante as aulas depende das relações – históricas, culturais, comerciais etc. – que eles estabeleceram com o Brasil.

“Nos EUA, as escolas de ensino médio que ensinam português também tratam da história brasileira”, diz Lise. Lá, é comum escolas próximas a comunidades de brasileiros ensinarem essas disciplinas.

Ironicamente, o país historicamente mais ligado a nós, Portugal, não dá tanta importância ao tema, como você vê abaixo. E entre outros países europeus, como Espanha, França e Reino Unido, nós acabamos diluídos no meio do continente: encaixam o assunto na grade de história geral da América Latina.

Continua após a publicidade

Ou seja: historicamente, o Brasil ainda é periferia.

O passado brasileiro no mundo

Temas e personagens nacionais estudados além das fronteiras

América

Nos países latinos, o tema mais recorrente é Getúlio Vargas, que é discutido junto a seus pares populistas, como Juan Domingo Perón, na Argentina. Nos EUA, os assuntos mais comuns são colonização e escravidão.

Continua após a publicidade

Europa

O tema é pouco discutido e aparece em subdivisões da disciplina que podem soar estranhas para nós, como “História Atlântica”.

Nem Portugal dá destaque. Lá, o Brasil é estudado junto com o finado império português.

Continua após a publicidade

África

Embora alguns países africanos compartilhem conosco o colonizador e, consequentemente, a língua, eles não se aprofundam em nossa história. Angola e Moçambique, por exemplo, enfocam só a escravidão.

Continua após a publicidade

Ásia

Há institutos específicos no Japão. Mas no Timor-Leste, ex-colônia de Portugal, é pior. Verônica Lima, da Universidade Nacional do país, diz que o maior contato com nossa cultura vem da música sertaneja. Ai, Se Eu te Pego é o novo Zé Carioca.

Fontes: Demian de Melo e Lise Sedrez, professores de história da UFRJ; Koji Sasaki, professor da Universidade de Tóquio, Japão; Maicon Carrijo, pesquisador de história na USP; Verônica Lima, professora da Universidade Nacional do Timor-Leste.

Publicidade