Clique e assine a partir de 8,90/mês

Qual é a origem do Dia de Ação de Graças?

Começa com um índio vendido como escravo.

Por Alexandre Versignassi - Atualizado em 29 nov 2019, 00h55 - Publicado em 28 nov 2019, 18h02

O feriado mais importante dos EUA começou como uma festa de comemoração de colheita – quem vive de plantar e colher festeja esse segundo momento com intensidade, pois é ele que garante a sobrevivência do plantador, claro.

Esse tipo de comemoração, então, existe desde que o mundo é mundo. E o mundo é mundo, as we know it, há mais ou menos 15 mil anos, quando a criação da agricultura. As técnicas de plantar e colher surgiram primeiro no Oriente Médio. E foi lá, naturalmente, que a humanidade teve suas primeiras festas agrícolas.

Uma delas segue viva até hoje: você conhece como “Páscoa”. A coisa começou como uma comemoração de colheita, há uns bons milhares de anos. Mas “recentemente”, por volta de 800 a.C., os israelitas incluíram essa comemoração em suas tradições, e passaram a comemorar o Êxodo do Egito, tradição fundadora da identidade judaica, na época dessa festa. Daí ela ganhou seu nome atual (que veio de “Pesach”, “passagem” em hebraico). Depois, os primeiros cristãos incluiriam a data em suas próprias tradições, relacionando a data da ressurreição de Cristo à Páscoa.

Mas estamos falando aqui do Dia de Ação de Graças. E ele tem tradições bem peculiares.

Continua após a publicidade

A raiz do Thanksgiving remonta a Henrique 8o (1491-1547), o rei inglês que rompeu com a Igreja Católica, criando uma Igreja para chamar de sua, a anglicana, que segue firme como a congregação religiosa oficial da ilha.

Como o rompimento, Henrique 8o acabou com uma série de feriados católicos. Para compensar, a Igreja anglicana criou comemorações-tampão para colocar no lugar: os Dias de Jejum e os Dias de Ação de Graças. Os de Ação de Graças ficaram relacionados às festas de colheita.

E foram religiosos ingleses acostumados a celebrar essas festas de colheita/de Ação de Graças que começaram a colonizar os EUA, a partir da costa leste, no início dos anos 1600.

A tradição americana diz que o “primeiro Dia de Ação de Graças” em algum território que faça parte dos EUA aconteceu em outubro de 1621, em Plymouth, no atual Massachusetts. É um equívoco. Sabe-se hoje que houve uma série de celebrações de Ação de Graças nos anos anteriores, principalmente na região do atual estado da Virgínia, que também recebeu colonos britânicos bem cedo.

Continua após a publicidade

O de Plymouth, porém, ganhou aura mitológica por ter reunido colonos britânicos e nativos americanos, da tribo dos Wampanoags. As versões infantis da história dizem que os índios ensinaram os colonos a plantar e caçar, e todos ficaram “amigos”. Fantasia pura.

O que houve entre colonos de Plymouth e os Wampanoags foi uma aliança militar. A tribo sofria os efeitos de uma praga, que dizimou boa parte de sua população, e começou a ser atacada por tribos rivais. Os Wampanoags, porém, tinham um trunfo. Um de seus membros, um sujeito chamado Squanto, já tinha sido escravo na Espanha e na Inglaterra – a colonização das Américas, afinal, “é sobre” pilhagem, poder e escravidão lá no Hemisfério Norte também.

Dada sua experiência prévia, Squanto falava inglês. E quem se comunica, Chacrinha já dizia, não se trumbica. Com Squanto fazendo o meio de campo linguístico, a chefia dos nativos entrou num acordo com a dos colonos, e nasceu a aliança militar. Aliança que acabou marcada pelo tal Dia de Ação de Graças multiétnico, com 90 Wampanoags e uns 50 britânicos – que eram de uma seita cristã radical, a dos Pilgrims (Pelegrinos), mas essa é outra história.

O que importa é o seguinte: esse dia de ação de graças (em letras minúsculas) comemorado entre cristãos e índios se tornou o Dia de Ação de Graças com letra maiúscula. Um dia que não comemora uma colheita,  mas a própria colonização da América – e que só se tornou um feriado oficial em 1863, no governo Lincoln.

Continua após a publicidade

Àquela altura, a população indígena da costa leste já estava praticamente dizimada. A graça de um, afinal, costuma ser a desgraça do outro.

 

 

 

Publicidade