Clique e assine com até 75% de desconto

Uma antiga canção da Ilha da Páscoa

Decifraram parte do rongorongo, uma das últimas escritas ainda ilegíveis.

Por Da Redação Atualizado em 31 out 2016, 18h16 - Publicado em 31 mar 1996, 22h00

O rongorongo era usado pelo povo da Ilha da Páscoa, na costa chilena, antes mesmo da chegada dos colonizadores espanhóis, em 1722. As únicas pistas até hoje vieram do trabalho do alemão Thomas Barthel. Ele sacou que os símbolos na forma de animais, plantas e homens gravados em placas de madeira não eram letras: cada sinal equivale a uma idéia completa, envolvendo às vezes a ação e o sujeito da ação. Os hieróglifos egípcios são assim. Agora o neozelandês Steven Fischer foi mais longe. Ele percebeu que alguns detalhes das figuras se repetiam a cada três símbolos. Analisando placas do acervo do Museu de História Natural de Santiago, Chile, concluiu que as mensagens são cânticos religiosos, que contam a origem do mundo.

“As aves copularam com os peixes e daí nasceu o Sol”

Cada três símbolos montam uma frase completa.

1 – A figura com o falo à direita transmite uma idéia do tipo “as aves compularam com”.

2 – O sinal seguinte representa o parceiro da cópula, como “os peixes”.

3 – O terceiro símbolo significa o produto da cópula: “e daí nasceu o Sol”.

4 – A nova figura com falo é o início de outra frase semelhante à primeira, mas com personagens diferentes.

Continua após a publicidade
Publicidade