GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Altas temperaturas em tempo real

Com o aquecimento global, as mudanças climáticas serão a grande discussão do século 21. A Biblioclima é o primeiro portal da América Latina sobre o assunto.

Bruno Leuzinger, de São Paulo, SP

O progresso tecnológico alcançado no último século teve um custo alto. Os gases poluentes lançados na atmosfera pelas fábricas e pelos milhões de carros que transitam diariamente nas grandes cidades vêm transformando o planeta azul em um caldeirão fervente. A Organização das Nações Unidas (ONU) prevê que, em 100 anos, a temperatura do globo aumente 5,8ºC. O calor excessivo traz diversas ameaças, desde surtos de dengue e malária até prejuízos nas colheitas, principalmente de países pobres – sem falar no eventual desaparecimento de praias e cidades litorâneas, com o degelo das calotas polares. “A questão do clima será o principal tema do século 21”, afirma Fábio Feldmann, secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas (FBMC).

A relevância da discussão levou o FBMC a lançar, em 2002, a Biblioclima, a primeira biblioteca virtual sobre mudanças climáticas da América Latina. O objetivo do portal é democratizar o acesso às informações e servir de filtro para o excesso de dados que circulam na rede. Do acervo digital constam textos – traduzidos para o português e outros idiomas – de documentos como o Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima e o Protocolo de Kyoto. O site disponibiliza artigos, ensaios, teses e capítulos de livros, além de links de instituições de mais de 70 países. A idéia é permitir uma navegação fácil para qualquer pessoa, especialista ou não no assunto.

Um dos usuários é o médico homeopata João Luiz Mattoso, de 47 anos. Sua filha, Clarissa, de 15, sofre de bronquite asmática. Por causa dela, e também de vários pacientes que chegavam ao consultório com problemas respiratórios, ele começou a pesquisar sobre a poluição do ar. Foi assim que conheceu a Biblioclima. “O site é bem completo”, diz. A opinião é partilhada por Krishna de Souza, advogada de 29 anos, que vive em Londres, onde faz mestrado em Estudos do Desenvolvimento, com foco em Meio Ambiente. “Acesso bastante a Biblioclima para tentar avaliar o quanto o governo brasileiro está implementando as políticas internacionais no país.”

O professor de geografia João Carlos de Oliveira, de 42 anos, usa a Biblioclima para despertar o fascínio pelo tema em seus alunos de oitava série na Escola Educação Básica da Universidade Federal de Uberlândia (MG). “O site permite a qualquer usuário ter uma noção da questão climática”, afirma. Com o auxílio do portal, o professor realiza um trabalho com os alunos, que acompanham ao longo do ano as variações de temperatura e de chuvas em cada continente. Hoje, os jovens acessam o site não apenas do laboratório de informática do colégio, mas também de casa. “É um recurso didático e pedagógico rápido e de muito interesse. Eles adoram!”