Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

As faixas para transmissão de dados podem acabar?

Por Marcel Verrumo Atualizado em 4 jul 2018, 20h23 - Publicado em 27 Maio 2013, 14h19

Não, para a alegria dos usuários de telefonia móvel. Mas esse receio teria fundamento: a comunicação sem fio utiliza ondas eletromagnéticas para transmitir dados e, com a explosão na venda de smartphones e tablets, o espectro reservado para esse tipo de comunicação está se esgotando.

MUNDOESTRANHO-135-44-620

Nos EUA, o problema é imediato, porque lá há mais aparelhos wireless e uma parte significativa do espectro é de uso exclusivamente militar. No Brasil, ainda há algum “espaço” sobrando. Basta que a Agência Nacional de Telecomunicação (Anatel) autorize seu uso.

A ESTRADA DA INFORMAÇÃO

Smartphones podem causar “congestionamento” nas transmissões.

Tráfego livre

Imagine a transmissão de dados por ondas eletromagnéticas como uma estrada. Cada faixa seria o espectro reservado a ondas de uma frequência específica (ou seja, com certo número de oscilações por segundo, medido em hertz). Há, por exemplo, uma faixa só para o tráfego de sinais de TV, outra para dados de telefonia móvel etc.

Continua após a publicidade

Caiu o sinal

Agora imagine que essa estrada, feita para a circulação de mil veículos por hora, comece a receber 4 mil. Essa é a saturação causada pela explosão dos aparelhos wireless. Muita gente sofrerá para acessar a web, por exemplo. O problema é pior em áreas mais populosas e nos horários de pico.

Reforma invisível

Quem mais vai sair perdendo será o usuário com grande demanda por transmissão de dados, como jogadores de games online muito interativos. A solução? A Agência Nacional de Telecomunicação, responsável pela regulamentação do setor, precisa aprovar que outra faixa do espectro seja utilizada pela telefonia móvel.

Curiosidade: A Anatel fez recentemente um leilão de frequências que permitirá, entre outras coisas, o aumento da oferta de acesso por banda larga.

CONSULTORIA: Gustavo Rigolin, professor de física da Universidade Federal de São Carlos; e Luiz Nunes de Oliveira, professor do Instituto de Física da USP.

Continua após a publicidade

Publicidade

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)