Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Carlos, o Chacal: o mais temido terrorista dos anos 70

Carlos, o Chacal assombrou a Europa com atentados, escapou da pena de morte e até hoje causa controvérsias

Por Danilo Cezar Cabral Atualizado em 4 jul 2018, 20h14 - Publicado em 22 nov 2016, 12h29
retrato_falado_ilich_ramirez_sanchez

ILUSTRA Eduardo Belga

 

Continua após a publicidade

1) Ilich Ramírez Sánchez (1949- ) nasceu em Caracas, capital da Venezuela. Seu pai, um rico advogado marxista, fez de tudo para que ele e seus irmãos tivessem educação baseada em ideais comunistas. Graduou-se em Londres e Moscou, levando a fama de playboy.

2) Em Moscou, fez amizade com colegas palestinos e aderiu a um grupo terrorista: a Frente Popular para Libertação da Palestina (FPLP). Durante treinamento na Jordânia e no Líbano, ganhou o codinome Carlos.

3) Sua “estreia” como terrorista, em 1973, foi a tentativa de assassinato de um banqueiro judeu, em Londres. A operação era uma vingança da FPLP pela morte de Mohamed Boudia – um dos líderes do sequestro dos atletas israelenses na Olimpíada de Munique em 1972.

 

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Dean Arnold Corll, o assassino conhecido como “Candyman”

+ Retrato Falado: Andrei Romanovich, o serial killer no Partido Comunista da União Soviética

 

Continua após a publicidade

4) O apelido de “Chacal surgiu quando um jornal inglês publicou que o livro O Dia do Chacal foi encontrado entre pertences de Carlos apreendidos pela polícia. Até hoje, muita gente acredita que o livro é baseado no terrorista, porém, ele foi escrito antes de Carlos ficar conhecido.

5) Em 1975, Carlos executa sua mais famosa operação: o ataque à Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP), em Viena. Três pessoas morrem e ele escapa, supostamente embolsando a grana paga para liberar os reféns. Desligado da FPLP, ele funda seu próprio grupo terrorista.

6) A amante e colega de Carlos, Magdalena Kopp, é presa em 1982. O Chacal faz oito atentados cobrando a libertação da terrorista, mas o governo francês não cede. Carlos é preso por agentes franceses no Sudão e levado a Paris, onde é condenado, em dezembro de 1997, à prisão perpétua.

 

Continua após a publicidade

+ Retrato Falado: Aileen Wournos, a serial killer retratada no filme Monster

+ Retrato Falado: Pablo Escobar, o rei bilionário do tráfico de cocaína

 

Continua após a publicidade

7) Um ex-cônsul da Venezuela na França acusa o Chacal de sugerir sua demissão ao governo venezuelano. Os motivos seriam investigações sobre tráfico de vistos na embaixada do país no Líbano, nos anos 90, e a recusa em defender o terrorista diante da justiça francesa.

 

Continua após a publicidade

Que fim levou?

Em 2006, Carlos foi transferido para a prisão de Clairvaux, no interior da França, onde aguarda um novo julgamento baseado em novas acusações do governo francês

Continua após a publicidade

Publicidade
Mundo Estranho
Carlos, o Chacal: o mais temido terrorista dos anos 70
Carlos, o Chacal assombrou a Europa com atentados, escapou da pena de morte e até hoje causa controvérsias

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade