Clique e Assine a partir de R$ 8,90/mês

Como é elaborada a prova do Enem?

Entenda como são escolhidas as questões do maior vestibular do Brasil.

Por Mariana Nadai Atualizado em 20 jan 2020, 17h39 - Publicado em 22 set 2011, 20h07

O Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) é feito pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (INEP), órgão ligado ao Ministério da educação (MEC). De acordo com o Inep, a prova é preparada com meses de antecedência mas isso não previne eventuais falhas no exame.

Em 2019, o Enem foi aplicado nos dias 3 e 10 de novembro. A prova é a porta de entrada para os estudantes que desejam ingressar nas universidades federais no ano seguinte, em 2020. No entanto, um erro de correção afetou entre seis e nove mil participantes.

Segundo o Ministro da Educação Abraham Weintraub, o problema aconteceu com a gráfica terceirizada que imprime e embala as provas. A máquina de impressão “engasgava” de vez em quando, criando incongruências entre prova e gabarito.

As provas são feitas em seis “versões” divididas por cores – amarelo, cinza, verde, azul, rosa e laranja. Todas possuem as mesmas perguntas, mas as questões e alternativas estão em ordens diferentes. Cada estudante recebe a prova de uma cor para evitar que ele “cole” do colega ao lado.

O que aconteceu foi uma confusão com essas cores. Como as provas estão em ordens diferentes, o gabarito de cada versão também é diferente. Alguns participantes tiveram o gabarito trocado no envelope das provas – fez a prova laranja, mas recebeu o gabarito verde, por exemplo. Isso fez com que a correção dessas pessoas ficasse comprometida.

Esse foi o primeiro ano em que a Valid Soluções S.A. imprimiu as provas, mas não é a primeira vez que o Enem tem problemas com gráficas. Em 2009, a prova teve que ser adiada devido ao vazamento das questões. A fraude ocorreu dentro da gráfica Plural, responsável pelas provas na época.

Mesmo com eventuais problemas, todos os passos de preparação do Enem devem ser extremamente rígidos para evitar fraudes ainda maiores. Afinal de contas, não é fácil escolher questões adequadas e ainda manter o sigilo do maior vestibular do país. A prova é aplicada em 1.727 municípios para mais de 5 milhões de inscritos.

As questões que compõem a prova são selecionadas do Banco Nacional de Itens, que possui cerca de 10 mil questões elaboradas por professores de várias universidades do país. São sorteadas perguntas de cada área cobrada na prova: Linguagens e Códigos, que abrange língua portuguesa, literatura e língua estrangeira (inglês); Ciências Humanas, com geografia, história, filosofia e sociologia; Ciências da Natureza, com biologia, química e física; e Matemática.

Continua após a publicidade

Perguntas e respostas

Da seleção das questões à correção da prova, saiba como é feito o maior vestibular do Brasil

1. As questões são elaboradas por professores e passam por uma revisão do Inep. Elas devem ter um texto-base com uma pergunta, cinco alternativas objetivas e apenas uma resposta, além de estar relacionadas com conteúdos aprendidos no Ensino Médio

2. As perguntas são testadas por estudantes do 1º e do 2º ano, que realizam uma prova com 48 questões. O processo é sigiloso e, por esse motivo, os alunos não sabem que estão participando de uma avaliação do Enem

3. Com o pré-teste, é possível classificar as questões por grau de dificuldade. Os itens que tiveram alto nível de acerto e de erro são descartados, enquanto as demais perguntas são separadas nas categorias fácil, médio e difícil

4. Na hora de montar a prova, são selecionadas 180 questões – 45 de cada área de conhecimento –, sendo 25% fáceis, 50% médias e 25% difíceis. Além das perguntas objetivas, o exame é composto de uma redação, sobre assuntos nacionais em discussão na mídia

5. A nota é calculada de acordo com a Teoria da Resposta ao Item (TRI), que considera o número de acertos e a dificuldade das questões. Assim, dois alunos que acertaram a mesma quantidade de perguntas não ganham a mesma nota.

FONTES: GUIA DO ESTUDANTE – Enem 2011, Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep)

Continua após a publicidade
Publicidade