Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

É possível evitar enchentes nas grandes cidades?

Algumas mudanças estruturais podem livrar uma cidade de enchentes. Replicar essa receita é que é o problema.

Por Marina Motomura
Atualizado em 22 fev 2024, 11h22 - Publicado em 18 abr 2011, 18h35

Não existe fórmula mágica para evitar os alagamentos, mas algumas mudanças na estrutura dos grandes centros urbanos podem minimizar o efeito do excesso de água. O desafio principal é encontrar alternativas para evitar a impermeabilização do solo e o assoreamento dos rios (acúmulo de detritos que causa a redução da profundidade e da vazão). Afinal, reduzir o volume de chuvas não é possível, nem desejável.

Em São Paulo, por exemplo, o volume médio de chuvas em dezembro e janeiro – os meses mais molhados do ano – é de cerca de 200 milímetros ou o equivalente a 200 litros de água em 1 metro quadrado por mês. Mas, às vezes, o volume mensal desaba de uma só vez, em um único dia de chuva intensa. Só nas últimas horas, estima-se que caíram 113 milímetros de chuva – metade do cotado para fevereiro. Como as vias de escoamento da cidade não dão conta de drenar tanta água e os rios estão cada vez mais estreitos e rasos, o resultado são ruas alagadas, trânsito e todo o caos que você já deve conhecer.

Dois tempos Algumas mudanças estruturais podem livrar uma cidade de enchentesPINTOU SUJEIRA

Não precisa nem falar que jogar lixo nos rios polui a água e acaba com qualquer tipo de vida que exista por ali. Mas o mau costume causa ainda o assoreamento dos rios, ou seja, o lixo se acumula nas bordas e no fundo dos rios, deixando-os mais rasos e estreitos. Assim, transbordam facilmente

TRÁFEGO PROIBIDO

Usar avenidas vizinhas a rios como vias de grande circulação é uma péssima idéia. Quando chove muito e o nível do rio sobe, essas áreas são as primeiras a sofrer e comprometem o trânsito da cidade inteira

Continua após a publicidade

RESPIRACHÃO

Áreas cobertas com asfalto e cimento ficam totalmente impermeáveis. Além de impossibilitar a absorção da água da chuva, o solo impermeabilizado faz a água correr mais rápido e tomar conta da cidade rapidamente

ABRINDO UMA BRECHA

O uso de pavimentos mais permeáveis à água é uma alternativa ao asfalto. Blocos intertravados – como os usados em calçadões e em ruas de cidades menores – assentados sobre areia permitem que a água penetre no solo e escoe sob o piso das ruas e avenidas

AVENIDA VEGETAL

Nas margens dos rios, o ideal seria ter faixas cobertas por vegetação. Em casos de transbordamento, a água seria absorvida pelo solo livre de calçamento. As vias de tráfego intenso ficariam o mais longe possível das áreas facilmente alagáveis

VERDE QUE TE QUERO VERDE

Quanto mais espaço coberto por vegetação, melhor. Solo não pavimentado absorve até 90% da água da chuva. As cidades deveriam ter 12 m² de área verde por habitante – São Paulo tem uma média de apenas 4m²

PISCININHAS

Algumas cidades já têm piscinões para receber a água das chuvas, mas outra solução possível é a construção de minipiscinões em casas e edifícios. Além de evitar inundações, os reservatórios permitiriam usar a água da chuva em serviços domésticos

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.