Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

O que fazer contra a gravidez quando a camisinha estoura?

Como diria o Chapolin Colorado, “calma, calma, não priemos cânico!” O jeito é tomar a chamada pílula do dia seguinte. Por meio de uma carga extra de hormônios, ela retarda a ovulação, impede a fecundação e, caso o encontro com o espermatozóide já tenha ocorrido, não deixa o óvulo se fixar no útero. Assim, a […]

Por Dante Grecco
Atualizado em 22 fev 2024, 11h26 - Publicado em 18 abr 2011, 18h25

Como diria o Chapolin Colorado, “calma, calma, não priemos cânico!” O jeito é tomar a chamada pílula do dia seguinte. Por meio de uma carga extra de hormônios, ela retarda a ovulação, impede a fecundação e, caso o encontro com o espermatozóide já tenha ocorrido, não deixa o óvulo se fixar no útero. Assim, a pílula evita uma gravidez indesejada. O kit-salvação é composto de dois comprimidos com altas doses de hormônios sintéticos, como progesterona e estrógeno. Mas ele só tem efeito se a mulher tomar a primeira pílula no máximo 72 horas após a transa. A segunda dose deve vir 12 horas depois. Quanto maior a demora, menor a eficácia. “Se a mulher usar as pílulas nas primeiras 24 horas após a relação sexual, o risco de engravidar é de 5%. Dois dias depois, sobe para 15%. Em três dias, há 40% de possibilidade de uma gravidez”, diz o médico Paulo César Pinho Ribeiro, da Sociedade Brasileira de Pediatria. A cartela pode ser comprada em farmácias, sem receita médica. Mas a pílula do dia seguinte não deve virar rotina, nem substituir os anticoncepcionais regulares. Se usada várias vezes no mesmo mês, ela bagunça o ciclo menstrual e sua eficiência diminui. Além disso, não previne contra DSTs. O uso deve ser restringido a emergências.

Aprecie com moderação
Pílula do dia seguinte só deve ser usada em casos extremos

1. Os comprimidos liberam hormônios sintéticos na corrente sanguínea. Eles diminuem no organismo o nível do hormônio folículo estimulante, o FSH. Ele é responsável, entre outras coisas, pelos movimentos da trompa que liberam o óvulo e o empurram em direção ao útero. Sem FSH, a trompa sossega, o óvulo estaciona e não encontra o espermatozóide

2. Para garantir o serviço, a pílula age também na mucosa que reveste o útero, chamada endométrio. Os hormônios provocam uma descamação nessa mucosa, o que impede que o óvulo fecundado “grude” nas paredes do útero. Tecnicamente, é só depois da fixação que ocorre a gravidez. Por isso, a pílula não é abortiva, e sim preventiva

Mas atenção!

Como a pílula mexe com o sistema hormonal, pode trazer vários efeitos colaterais, como mudança no ciclo menstrual, enjôo, cólica, dor de cabeça e vômito. Não dá para abusar desse recurso

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.