GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

O que foi o desastre do mar de Aral?

Decisões equivocadas da URSS secaram um dos maiores lagos do mundo e causaram uma sucessão de problemas ambientais

mar_aral_1

ILUSTRAS André Toma

PERGUNTA Caio Cité, Fortaleza, CE

 

mar_aral_2

1) Apesar do nome, o mar do Aral, na Ásia, era um lago, localizado entre o Cazaquistão e o Uzbequistão. Em 1950, ele era o quarto maior do mundo, com 66 mil km2, , o que equivalia à dos estados do Rio de Janeiro e Alagoas juntos. Mas, nos anos 60, a URSS desviou os rios que alimentavam, Amu Daria e Sir Daria, para irrigar plantações de algodão. O volume d’água diminuiu, mas o sal ficou, prejudicando o solo e matando os peixes.

 

+ Top 11: Os piores desastres ambientais da história

+ Como surge um deserto?

 

mar_aral_3

2) Além de afetar os ribeirinhos, que viviam da pesca, a alta salinidade exterminou cerca de 80% das espécies animais. Para piorar, o uso de agrotóxicos nas plantações poluiu o solo e inviabilizou a agricultura de subsistência. Em 1987, a redução do nível de água dividiu o mar em dois: norte e sul.

 

mar_aral_4

3) O mar já perdeu 60% da área e 80% do volume. E virou um problema mundial: a areia extremamente salgada e contaminada é carregada pelos ventos até Japão, Suécia e Noruega. Além disso, pesquisas apontam o aumento de casos de câncer entre os habitantes do Aral – o que pode estar ligado à contaminação.

 

+ Quais são os principais tipos de câncer? E os mais letais?

+ Qual foi o maior acidente nuclear da história?

 

 

TEM JEITO?
Só obras faraônicas poderiam reverter a situação

Há anos, pesquisadores e ecologistas pensam numa solução. A maioria, porém, é cara e não conta com o apoio dos governos locais:

– Instalar estações de dessalinização
– Redirecionar os rios Volga, Ob e Irtich para o Aral
– Retirar parte das fazendas de algodão próximas
– Usar bombas e gasodutos para diluir a água com a do oceano ou a do mar Cáspio
– Criar cinturões verdes para impedir a dissipação da areia salgada

FONTES Aral Sea Foundation, revistas GUIA DO ESTUDANTE e NATIONAL GEOGRAPHIC e site Estadão

 

CONSULTORIA Paulo Roberto Moraes, professor de ciências do ambiente na PUC-SP