Assine SUPER por R$2,00/semana
Continua após publicidade

O que foram as manifestações de maio de 1968?

Paris simbolizou um clima de rebeldia que se espalhou por muitos lugares do mundo, como o Brasil

Por Tiago Cordeiro
Atualizado em 22 fev 2024, 10h05 - Publicado em 4 Maio 2018, 16h34

ILUSTRA Milton Nakata
EDIÇÃO Felipe van Deursen

(Milton Nakata/Mundo Estranho)

Foram uma série de protestos populares que aconteceram em vários lugares do mundo, por diferentes motivos. As manifestações se estenderam por todo o ano, dependendo do lugar, mas os protestos de maio, em Paris, simbolizaram todo o movimento. Na França, tudo começou como uma série de ações estudantis. A reação violenta da polícia atraiu adesão para o movimento. No fim de maio, o país estava paralisado por uma greve geral.

 

É proibido proibir

Estudantes franceses pararam o país por um mês

 

DIA 2: REFORMA JÁ
Em 22 de março, a Universidade de Paris, em Nanterre, foi ocupada por 150 estudantes, que pediam mais vagas a alunos pobres. O grupo se retirou, mas seguiu protestando até que, em 2 de maio, a direção fechou a universidade. No dia seguinte, estudantes da Sorbonne, em Paris, foram às ruas contra a decisão

DIA 6: QUEBRA-PAU
Mais de 20 mil pessoas, entre estudantes, professores e simpatizantes do meio artístico, participaram de uma passeata que terminou em pancadaria. A polícia atirou nos jovens, que reagiram construindo barricadas e lançando pedras arrancadas do pavimento. Centenas de manifestantes foram presos

  • Em geral, estudantes queriam cotas, operários queriam aumento e artistas queriam mais liberdade

DIA 10: ESCALADA DE VIOLÊNCIA
Os manifestantes ganharam o apoio dos estudantes secundaristas. Os jovens se entrincheiraram atrás de carros revirados, armando-se de coquetéis molotov para jogar contra a polícia. Transmitido pela TV, o protesto conquistou apoio popular. No dia 13, os trabalhadores realizaram uma greve geral

DIA 16: BRAÇOS CRUZADOS
Em Nantes, em Rouen e em Paris, os trabalhadores tomaram as fábricas. Em cinco dias, os operários parados saltaram de 200 mil para mais de 9 milhões, dia 21. No dia 27, 50 mil pessoas pediram a renúncia do presidente, Charles de Gaulle. Boa parte da população que acompanhava pelas notícias simpatizava com a causa

DIA 29: A VIRADA
O presidente fugiu por algumas horas para a Alemanha. Ao voltar, encontrou 500 mil pessoas, em Paris, cantando “Adeus, de Gaulle!”. Uma porção significativa da opinião pública mudou de lado, graças em parte à radicalização de alguns manifestantes, que decretavam “morte ao capitalismo” em plena Guerra Fria

Continua após a publicidade

DIA 30: O FIM
De Gaulle convocou eleições e acabou ganhando o pleito. As manifestações acabaram. Mas o presidente ficou com a imagem afetada após as turbulências do mês. Sem apoio político, ele renunciaria um ano depois

 

MOVIMENTO GLOBAL
Outros países também protestaram em 1968

  • Polônia, janeiro Quase todas as universidades foram fechadas e mais de mil estudantes acabaram presos
  • Estados Unidos, fevereiro a abril Os protestos contra a Guerra do Vietnã se multiplicaram depois que os vietcongues começaram a virar a guerra
  • Itália, março Estudantes fecharam a Universidade de Roma por 12 dias
  • Brasil, março a junho Mais de 50 mil pessoas transformaram o enterro do estudante Edson Luís de Lima Souto numa manifestação política. Em Contagem (MG), metalúrgicos fizeram a primeira grande greve da ditadura. No Rio, a Passeata dos Cem Mil protestou contra o regime militar
  • Espanha, abril Protestos pediam o fim da ditadura de Francisco Franco. A Universidade de Madri passou 38 dias fechada
  • Iugoslávia, junho Estudantes pressionaram o governo
  • México, junho a outubro Estudantes protestaram dias antes do início das Olimpíadas, na Cidade do México. Estima-se que, em Tlatelolco, centenas de jovens foram mortos pela polícia
  • Tchecoslováquia, agosto Tropas da URSS invadiram o país para barrar reformas. Os soldados encontraram um movimento de resistência pacífica. Foi a chamada Primavera de Praga

FONTES Livros 1968, o Ano que Não Terminou, de Zuenir Ventura, The Beginning of the End: France, May 1968, de Angelo Quattrocchi e‎ Tom Nairn, e Prelude to Revolution: France in May 1968, de Daniel Singer

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

A ciência está mudando. O tempo todo.

Acompanhe por SUPER.

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 2,00/semana*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de R$ 12,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$96, equivalente a R$2 por semana.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.