GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Por que as aves têm bicos em formatos diferentes?

Apesar das diferenças no formato e no uso, todos os bicos são feitos de uma estrutura óssea com uma camada de queratina

Porque cada uma evolução para se adaptar ao tipo de alimento que consome. A disputa por comida foi o principal motor dessa adaptação, e hoje temos espécies que são altamente adequadas a uma dieta específica. Isso pode ser um problema: mudanças drásticas no meio ambiente (como as causadas pelo homem) podem alterar as fontes de alimento e causar rapidamente a extinção de uma espécie. Apesar das diferenças no formato e no uso, todos os bicos são feitos de uma estrutura óssea com uma camada de queratina (a mesma proteína presente nas nossas unhas e cabelos). Eles crescem continua-mente conforme são desgastados, ao longo de toda a vida do pássaro.

É para o seu bico

Veja como cada tipo de ave utiliza o órgão para se alimentar

 

flamingo

Passou na peneira

TIPO – Filtradora

ALIMENTO – Crustáceos, plânctons, insetos e moluscos

EXEMPLO – Flamingo

Nesse pássaro muito comum na América do Sul e na África, o órgão é amplo e possui pequenas placas que funcionam como peneiras. A água vaza e o alimento fica. Para filtrar com mais eficiência, o bicho balança a cabeça de um lado para o outro e usa a língua para bombear o líquido

picapaudetopetevermelho

Só no cutuque

TIPO – Insetívora

ALIMENTO – Insetos e larvas

EXEMPLO – Pica-pau-de-topete-vermelho

Algumas espécies desse grupo têm o bico fino e reto para capturar insetos em pleno voo. Já o pica-pau, famoso por causa de sua versão em desenho animado, tem o órgão forte para penetrar o tronco das árvores e a língua comprida para papar as larvas escondidas lá dentro

gaviao-carijo

Ninguém está a salvo

TIPO – Carnívora

ALIMENTO – Pequenos vertebrados

EXEMPLO – Gavião-carijó

Conhecido por atacar o ninho de outras aves para comê-las, o gavião-carijó usa seu bico em forma de gancho para cortar e rasgar o corpo de suas presas. É uma ave “sangue-nos-olhos”: ela até procura abrigos diurnos de morcegos para atacá-los enquanto dormem!

Urubu

Rachando o bico

TIPO – Carniceira

ALIMENTO – Carcaça de outros animais

EXEMPLO – Urubu-de-cabeça-preta

Para alcançar as vísceras de um cadáver, o urubu desenvolveu um bico bem longo. O gancho, na ponta, não é tão eficiente quanto o do gavião: são necessários vários urubus trabalhando em grupo para rasgar a pele da “vítima”. Por isso sempre há vários em volta de uma carcaça

beijaflor

Casamenteira das flores

AVE – Polinizadora

ALIMENTO – Néctar

EXEMPLO – beija-flor

Essa avezinha precisa de muita energia para conseguir bater as asas 80 vezes por segundo. Por isso, alimenta-se com bastante frequência, usando seu bico longo e língua comprida para alcançar o néctar nas partes mais profundas das flores. Desse jeito, acaba colaborando com o processo de polinização

macarico

Caça ao tesouro

TIPO – Limícola

ALIMENTO – Pequenos invertebrados

EXEMPLO – Maçarico

Não é fácil encontrar moluscos e vermes na beira d¿água, onde essa espécie vive durante metade do ano. Ainda bem que ela conta com um bico fino e supercomprido para vasculhar o lodo. Na outra metade, ela migra para áreas de vegetação rasteira ou plantações, onde se alimenta de minhocas e insetos

bemtevi

Menu à la carte

TIPO – Onívora

ALIMENTO – Pequenos animais, frutas e flores

EXEMPLO – Bem-te-vi

Pássaros onívoros comem de tudo, então precisam ter um bico com múltiplas funções. Normalmente longo e reto, ele funciona como uma pinça, facilitando na captura de minhocas, pequenas cobras, lagartos, insetos e ovos de outros pássaros. Também serve para furar e comer frutas maduras

talhamar

Frescor garantido

TIPO – Pescadora

ALIMENTO – Peixes miúdos e médios e camarões

EXEMPLO – Talha-mar

Para caçar, essa ave dá voos rasantes sobre a superfície da água, com o bico bem aberto, capturando os peixes que encontra pelo caminho. É por isso que a parte inferior do órgão é mais comprida que a superior. O pelicano pesca de forma similar, armazenando o alimento numa bolsa próxima ao pescoço

Consultoria André Grespan, mestre em epidemiologia veterinária pela USP