GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Quais são as piores torturas com fogo e água?

agua - tubos e mangueiras agua – tubos e mangueiras

agua – tubos e mangueiras (/)

ILUSTRAAbacrombie Ink

Direto no gogó

Afundar a cabeça do preso em baldes ou tanques é cansativo para o torturador. Nas últimas décadas, passaram a ser usados tubos e mangueiras diretamente na garganta do acusado. O carrasco só precisa fechar as narinas. Quando o estômago da vítima começa a ficar muito cheio, ela é deitada e o torturador senta sobre ela, forçando o vômito – e o processo recomeça

USADA EM Brasil, EUA, Europa, Sudeste Asiático e Oriente Médio

Variações picantes

Inserir a mangueira no nariz também é um método comum e ainda mais violento. A polícia mexicana adiciona pimenta à agua. Os agentes da nossa Ditadura preferiam querosene e amoníaco. Já a CIA encharca um pano sobre o rosto do torturado até que se torne tão úmido que ele absorve líquido ao tentar respirar. Ele sufoca, mas fica sem marcas no rosto

USADA EM EUA, Brasil, México, Austrália e Europa

agua - cavalete agua – cavalete

agua – cavalete (/)

Suplício dobrado

Na Idade Média, os afogados ainda tinham que encarar o cavalete: uma tora triangular de madeira, sobre a qual eram forçados a se sentar, com pesos nos pés para aumentar a pressão da quina sobre os genitais. O fluxo de água na garganta afetava gravemente a tentativa de equilíbrio, intensificando os ferimentos.Outra opção “molhada” era enrolar a vítima em uma lona com gelo para resfriá-la a temperaturas insuportáveis

USADA EM Europa Medieval

Sem retorno

Pólvora colocada em cavidades como a boca e o ânus e depois incendiada tinha um efeito devastador. A chama acabava com a pele sensível desses locais, de uma maneira difícil de reverter. Muitas vezes, a simples ameaça de acender o material era o suficiente para estimular a confissão

USADA EM Grécia antiga, China e Europa Medieval

Pouco a pouco

O “churrasquinho”, como foi batizado pelos torturadores do Regime Militar no Brasil, consistia em jogar álcool em partes do corpo e depois atear fogo, uma de cada vez. Geralmente começava pelas pernas e podia passar pelas costas ou pela barriga, sempre ameaçando chegar ao rosto

USADA EM América Latina, EUA, Caribe e Sudeste Asiático

Pega a vassoura, vai!

Para os carrascos medievais, uma trilha de carvão aceso servia de teste para identificar supostas bruxas. Afinal, o fogo poderia forçá-las a tentar fugir voando… Após caminhar em brasas por cerca de 5 m, a vítima ficava com a sola dos pés completamente inutilizada por semanas

USADA EM Europa Medieval e China

fogo - polvora e frigideira fogo – polvora e frigideira

fogo – polvora e frigideira (/)

Em banho-maria

Na Índia, era comum que pessoas fossem “fritadas” em grandes frigideiras. Mas também é comum uma opção que não mata, necessariamente: o cozimento em grandes caldeirões de água fervente. Se decidisse colaborar, a pessoa podia ser içada e continuar sendo interrogada

USADA EM Babilônia, Grécia antiga, Japão, Sudeste Asiático, Europa e Mongólia

fogo - aspersor fogo – aspersor

fogo – aspersor (/)

Bênção corrompida

O aspersor (uma haste de metal com uma extremidade esférica cheia de furos) é muito usado por padres para dispersar água benta sobre os fiéis. Mas ganhou uma versão maligna: com água quente, metais fundidos ou óleo em ebulição, lançado sobre o rosto, o peito ou a barriga da vítima

USADA EM Europa, Brasil e Caribe

ESSA MATÉRIA FAZ PARTE REPORTAGEM DE CAPA AS PIORES TORTURAS DA HISTÓRIA. CONFIRA AS OUTRAS:

Quais são as piores torturas psicológicas?

Quais são as piores torturas com cordas e barras?

Quais são as piores torturas com caixas e jaulas?

Quais as piores torturas com facas e lâminas?

Como era uma sessão de tortura na Cadeira do Dragão?

FONTESLivrosThe History of Torture and Execution, de Jean Kellaway,The History of Torture Throughout the Ages, de George Ryley Scott, eTortura: A História da Repressão Política no Brasil, de Antonio Carlos Fon; sitesArquivos da Ditadura,cnv.gov.breohchr.org

CONSULTORIAJohn Schiemann, professor de ciências políticas da Fairleigh Dickinson University e autor deInterrogational Torture: Or How Good Guys Get Bad Information with Ugly Methods, Alfred W. McCoy, professor de história da Universidade de Wisconsin e autor deA Question of Torture: CIA Interrogation, from the Cold War to the War on Terror, e Darius Rejali, professor de ciências políticas do Reed College e autor deTorture and Democracy