Clique e Assine SUPER por R$ 9,90/mês
Continua após publicidade

Quase imortais: 21 seres vivos muito, muito, muito velhos

Tudo o que nasce deve morrer - ou deveria!

Por Marcelo Testoni
Atualizado em 22 fev 2024, 10h31 - Publicado em 17 dez 2015, 12h49

Seja pela boa genética, pela capacidade de adaptação ou por pura sorte, estes seres ou espécies bateram recorde de hora extra

Triops_longicaudatus_eating_his_companion_-_Cannibalism

(Imagem: Max Kueng)

Linhagem pré-histórica

ESPÉCIE – Camarão-girino (Triops cancriformis)

200 milhões de anos

Duas colônias desse crustáceo encontradas no Reino Unido existem desde quando os continentes ainda formavam o superbloco Pangeia. Para os cientistas da Universidade de Glasgow, na Escócia, os bichos atuais são idênticos a seus ancestrais, cujos ovos resistiram até à extinção dos dinossauros

Pando02

Continua após a publicidade

(Imagem: J Zapell)

Bosque de um só

SER VIVO – Pando (Populus tremuloides)

80 mil anos

Dois recordes: esse conjunto de árvores da espécie álamo-trêmulo nos EUA é a forma de vida mais velha do mundo e a mais pesada, com 5 milhões de toneladas. São consideradas um único indivíduo porque, conectadas pelas raízes, têm “clonado” a si mesmas desde o período Pleistoceno. Outro segredo de sua longevidade: as raízes profundas tornam o chão mais resistente a deslizamentos e erosão

Old Tjikko 2

(Imagem: Karl Brodowsky)

Continua após a publicidade

Ciclo infinito

SER VIVO – Velho tjikko (Picea abies)

9,5 mil anos

Capaz de gerar novos indivíduos assexuadamente de forma contínua, essa colônia de pinheiros suecos é tão fenomenal que virou tema de pesquisa da Universidade de Umeå. As árvores podem morrer e nascer de novo várias vezes – mas suas raízes permanecem intactas, inclusive consumindo os próprios restos!

Llareta Cushion-plant-atop-Mount-Ossa

(Imagem: Bjorn Christian Torrissen)

Devagar e sempre

ESPÉCIE – Yareta (Azorella compacta)

Continua após a publicidade

3 mil anos

A planta nativa da América do Sul cresce 1,5 cm por ano. Parece pouco? Tudo bem: ela mantém esse ritmo há pelo menos 3 mil anos e hoje já se estende como um espesso tapete no Deserto do Atacama, no Chile, e nas montanhas do Peru. Resiste a altas insolações e mudanças de temperatura

Welwitschia_mirabilis(2)

(Imagem: Thomas Schoch)

Dupla identidade

ESPÉCIE – Welwitschia (Welwitschia mirabillis)

2 mil anos

O nome vem do naturalista austríaco que descobriu essa estranha planta rasteira, Frederich Welwitsch, nas dunas de Angola. Ela cresce a vida toda e possui características de duas espécies distintas: apesar de agir como um cacto, é parente próxima do pinheiro. Curiosidade: a idade de um molusco bivalve é calculada como a de uma árvore: contando os anéis de crescimento em seu interior

Continua após a publicidade

Arctica islandica

(Imagem: G.-U. Tolkiehn)

Economizando O2

ESPÉCIE – Ming (Arctica islandica)

507 anos

Encontrado na Islândia em outubro de 2006, esse molusco foi batizado com o nome da dinastia chinesa no poder na época de seu nascimento. Ele morreu sem querer durante uma análise, mas cientistas conseguiram concluir que seu baixo consumo de oxigênio retardou o envelhecimento

Mexilhões de Pérola de água doce Three_Mussels_Margaritifera_margaritifera_in_hand

Continua após a publicidade

(Imagem: MrKimm)

Genética de causar inveja

ESPÉCIE – Mexilhão-pérola-de-água-doce (Margaritifera margaritifera)

Entre 210 e 205 anos

No início dos anos 90, o biólogo russo Valeriy Ziuganov ganhou notoriedade mundial ao descobrir que esse tipo de molusco não envelhecia no mesmo ritmo que outros, de espécies similares. O motivo era bem curioso: ele produz quantidades excessivas de células-tronco, que são regenerativas

Ouriço-do-mar vermelho Strongylocentrotus_franciscanus

(Imagem: Taollan82, Kirt L. Onthank)

Bola de espetos

ESPÉCIE – Ouriço-do-mar-vermelho (Franciscanus strongylocentrotus)

200 anos

De acordo com uma pesquisa do Departamento de Zoologia da Universidade Estadual de Oregon, nos EUA, os maiores e mais antigos indivíduos registrados dessa espécie são da Colúmbia Britânica, no Canadá. A longevidade é garantida pelo corpo totalmente revestido de espinhos afiados de até 8 cm

Lonesome_George_-Pinta_giant_tortoise_-Santa_Cruz

(Imagem: Guinness Book)

Testemunha da história

SER VIVO – Jonathan (Dipsochelys hololissa)

183 anos (no mínimo)

Jonathan é uma tartaruga-das-seychelles que detém o título de animal terrestre vivo mais antigo. Pelos relatos históricos, o réptil era jovem quando chegou à ilha de Santa Helena, no Oceano Atlântico, em 1832. Para ter uma ideia, ele quase”conheceu” Napoleão, que morreu em 1821

Sturgeon

(Imagem: Cacophony)

Final feliz

SER VIVO – Esturjão-atlântico (Acipenser oxyrinchus oxyrinchus)

125 anos

Em abril de 2012, o Departamento de Recursos Naturais de Wisconsin, nos EUA, capturou um esturjão cuja idade foi calculada em 125 anos. Também foi um dos maiores já vistos na região, com 2 m de comprimento e 108 kg. Ele foi devolvido ao rio para continuar a sua longa jornada

GWR Oldest living person S Jones and Kim Partrick 5

(Imagem: Guinness Book)

Respeite os mais velhos!

SER VIVO – Susannah Mushatt Jones (Homo sapiens)

116 anos

Desde junho, essa senhorinha norte-americana é a pessoa mais velha do mundo, de acordo com o Grupo de Investigação Gerontológica (GRG), que identifica e registra no Guinness os casos de supercentenários. Nascida numa família pobre de lavradores, ela lutou para ir à faculdade e fundou uma instituição para garantir financiamento estudantil para jovens sem recursos

Henry - crocodilo 8373771w icaro

(Imagem: Ícaro Yuji / Ilustração sobre foto)

Prisioneiro perpétuo

SER VIVO – Henry (Crocodylus niloticus)

115 anos

Esse crocodilo-do-nilo sabe como aproveitar a (longa) vida: já teve seis companheiras e mais de 7 mil filhotes! Segundo tratadores da reserva Crocworld, na África do Sul, ele causava pânico em Botsuana e acabou capturado no fim do século 19 por um caçador que o sentenciou ao cativeiro como castigo

Oldest living person - male 2

(Imagem: Guinness Book)

Conservadão

SER VIVO – Yasutaro Koide (Homo sapiens)

112 anos

Qual o segredo para viver mais de um século? Segundo esse ex-alfaiate japonês, que recebeu o título de homem mais velho do mundo em julho, “A melhor dica é não exagerar”, na comida, no trabalho, nas preocupações… Deu certo para ele: até os 110 anos, Yasutaro conseguia ler jornal sem nem precisar de óculos!

Rhizocarpon_geographicum_no

(Imagem: Arnstein Ronning)

Preservado no gelo

ESPÉCIE – Líquen (Rhizocarpon geographicum)

100 anos

Essa espécie de organismo (constituído a partir de uma alga verde e um fungo) vive (e se espalha) em qualquer habitat frio. Sua maior concentração está nas zonas montanhosas livres de poluição do Canadá e nas áreas costeiras da Sibéria e da península antártica. Cresce apenas 0,2 mm por ano, em média, e pode ultrapassar 1 século de vida

Peixe-boi Snooty_at_63

(Imagem: Dhphoto)

Presa fácil

SER VIVO – Snooty (Trichechus manatus)

66 anos

Segundo dados da Save the Manatee Club, poucos peixes-boi vivendo na natureza passam dos 30 anos (na verdade, a maioria morre antes dos 10, por causa da predação humana). Em cativeiro, Snooty mais que dobrou esse recorde. Ele nasceu em Miami em 1948

Albatroz Laysan_albatross_fws

(Imagem: John Klavitter/U. S. Fish and Wildlife Service)

Programa de milhagem

SER VIVO – Wisdom (Phoebastria immutabilis)

64 anos

Peregrina experiente e mãe de mais de 30 albatrozes, essa albatroz-de-laysan é considerada a mais antiga ave selvagem do mundo. Desde que cientistas colocaram uma anilha em sua pata, em 1956, estima-se que ela já tenha voado quase 5 milhões de km (mais que seis viagens de ida e volta da Terra à Lua!)

Arara Presley - foto-ICMBio icaro

(Imagem: Ícaro Yuji / Ilustração sobre foto)

Vítima do tráfico

SER VIVO – Presley (Cyanopsitta spixii)

40 anos

Vendido ilegalmente em uma pet shop nos EUA, Presley, o macho de ararinha-azul mais velho do mundo, morreu em julho de 2014. Devolvido ao Brasil em 2002, tornou-se um ícone da conservação da espécie e da luta contra o tráfico de animais, que todo ano captura cerca de 40 milhões de exemplares

Cachorro - Max - foto por Barry Bland_Barcroft Media 02 icaro

(Imagem: Ícaro Yuji / Ilustração sobre foto)

Amigo para sempre

SER VIVO – Max (Canis lupus familiaris)

29 anos

Mistura de beagle, dachshund e terrier que viveu entre 1983 e 2013, Max detém o recorde mundial de cão mais velho da história. Com mais três meses, ele teria chegado aos 30! Hoje, o Guinness considera que nenhum cão vivo está qualificado para o título. O mais recente detentor do recorde, o terrier norte-americano Jake, morreu em 27 de julho, com 21 anos

Caranguejeira

(Imagem: George Chernilevsky)

Viúva além da conta

ESPÉCIE – Tarântula (Theraphosidae)

28 anos

Acredita-se que a aranha mais velha já encontrada seja uma caranguejeira capturada no México em 1935. Ao contrário dos machos, que normalmente morrem após o acasalamento, alcançando de 5 a 7 anos de vida, as fêmeas conseguem regenerar membros danificados

Oldest living cat (3)

(Imagem: Guinness Book)

Voltou ao trono

SER VIVO – Corduroy (Felis silvestris catus)

25 anos

Esse gato da cidade de Sisters, nos EUA, era considerado o mais velho da espécie até 2014, quando foi provado que uma outra gata, Tiffany Two, era ainda mais antiga. Mas a “rival” morreu em maio de 2015, com 27 anos. Corduroy não deve abrir mão do posto tão cedo: segundo suas donas, ele ainda está ótimo, sadio e muito ativo

Coelho oldest-rabbit-1-bg

(Imagem: Guinness Book)

O que que há, velhinho?

SER VIVO – Do (Oryctolagus cuniculus)

17 anos

Híbrido das raças angorá francês e anão holandês, esse coelho-europeu de Nova Jersey, nos EUA, passou, com folga, a expectativa de vida média dos coelhos, que é entre 6 e 8 anos. Com uma dieta à base de feno e serragem de cedro, ele viveu o equivalente a 170 anos humanos

 

 

FONTES Sites G1, R7, O Estado de S. Paulo, Ibama, BBC, Guinness Book, Aquário de Miami; e revistas SUPERINTERESSANTE e NATIONAL GEOGRAPHIC

CONSULTORIA Patrícia Serafini, analista ambiental do Centro Nacional de Pesquisas e Conservação das Aves Silvestres (Cemave/ICMBio), e Milena Testoni, bióloga do Aquário de São Paulo

 

Publicidade

Matéria exclusiva para assinantes. Faça seu login

Este usuário não possui direito de acesso neste conteúdo. Para mudar de conta, faça seu login

Domine o fato. Confie na fonte.

10 grandes marcas em uma única assinatura digital

MELHOR
OFERTA

Digital Completo
Digital Completo

Acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 9,90/mês*

ou
Impressa + Digital
Impressa + Digital

Receba Super impressa e tenha acesso ilimitado ao site, edições digitais e acervo de todos os títulos Abril nos apps*

a partir de 14,90/mês

*Acesso ilimitado ao site e edições digitais de todos os títulos Abril, ao acervo completo de Veja e Quatro Rodas e todas as edições dos últimos 7 anos de Claudia, Superinteressante, VC S/A, Você RH e Veja Saúde, incluindo edições especiais e históricas no app.
*Pagamento único anual de R$118,80, equivalente a 9,90/mês.

PARABÉNS! Você já pode ler essa matéria grátis.
Fechar

Não vá embora sem ler essa matéria!
Assista um anúncio e leia grátis
CLIQUE AQUI.