GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Retrato Falado: o serial killer tatuador brasileiro

Febrônio Índio do Brasil (1895-1984) acreditava ser o "Filho da Luz". Sua missão era atacar e marcar jovens com tatuagens purificadoras

Assassino tatuador Assassino tatuador

Assassino tatuador (/)

ILUSTRA Ícaro Yuji

Febrônio Índio do Brasil (1895-1984) acreditava ser o “Filho da Luz”. Sua missão era atacar e marcar jovens com tatuagens purificadoras

1.Febrônio Índio do Brasil era o segundo filho de uma família com 14 irmãos. Natural de Jequitinhonha (MG), aos 21 anos já demonstrava ter tendências criminosas, com seus pequenos furtos, roubos, fraudes, chantagens e vadiagem. Desde jovem, já colecionava idas e vindas na cadeia

2. Em 1920, durante uma de suas prisões, na Colônia Correcional de Ilha Grande, no Rio de Janeiro, ele teve uma visão: uma mulher loira o batizou de “Filho da Luz” e disse que sua missão na Terra era purificar os jovens, marcando-os com tatuagens

3. Após sair da cadeia, em 1921, mudou o nome para Bruno Ferreira Gabina, usando um diploma roubado de um dentista – que nunca mais foi visto. No mesmo ano, mudou-se para a Bahia e, depois, para o Espírito Santo. Lá, exercendo a função de médico, foi responsabilizado pela morte de duas crianças e fugiu para o Rio de Janeiro

4. Na capital carioca, começou a ter delírios. Em outubro de 1926, foi preso enquanto dançava sem roupa no topo do Pão de Açúcar. No Hospital Nacional de Psicopatas,Índio foi diagnosticado com distúrbios mentais. Por não ter condições financeiras, recebeu alta e ficou à solta novamente

5. Em janeiro de 1927, foi encarcerado mais uma vez e atacou sexualmente dois jovens em sua cela. Um terceiro detento, Djalma Rosa, tentou resistir e acabou espancado até a morte. O assassinato foi considerado um acidente eFebrônio foi liberado de novo

6. Meses depois, outra alucinação o levou de volta à prisão. Pintado de amarelo, ele foi flagrado dançando pelado em frente a um garoto amarrado em uma árvore, no Corcovado. O episódio, somado ao depoimento de uma testemunha, que presenciou Febrônio cozinhando a cabeça de um defunto, lhe rendeu outra visita ao Hospital Nacional de Psicopatas

7.Índio escapou do hospício semanas após ser internado. E levou consigo dois garotos de 17 anos. Seguindo as revelações da loira de seus sonhos, ele tatuou no peito dos meninos as letras DCVXVI – que significam Deus, Caridade, Virtude, Santidade, Vida e Ímã da vida. Depois do ritual, ambos conseguiram escapar do psicopata

8. Ele foi detido mais uma vez, ao tatuar um garoto de 18 anos nas ruas do Rio de Janeiro. Mas o rapaz desapareceu e Índio foi liberado por falta de provas. Saiu da prisão usando uma farda azul e um boné de marca furtados. O look peculiar chamou a atenção da polícia

9. Em liberdade, ele atacou e tatuou um rapaz de 20 anos, Altamiro José Ribeiro. O jovem tentou resistir, mas foi estrangulado com um cipó. Dois dias depois,Febrônio tatuou um garotinho de 10 anos, “Jonjoca” Ferreira, estuprado e morto em Jacarepaguá

10. Investigadores encontraram o corpo de Altamiro e, ao lado dele, recolheram um boné. O acessório foi reconhecido pelo policial que fez o registro da última prisão de Índio. E a identidade foi confirmada pelos pais de “Jonjoca”. Após uma perseguição, o criminoso foi preso em uma estação de trem em Barão de Mauá. Ao confessar dois de seus crimes, ele alegava ter oferecido a vida das vítimas em holocausto a Deus

QUE FIM LEVOU?

Febrônio foi enviado ao Manicômio Judiciário do Rio. Em 1935, ele tentou uma última fuga, mas foi capturado no mesmo dia. Quarenta e nove anos depois, aos 89, morreu de enfisema pulmonar na instituição

LEIA MAIS REPORTAGENS DA SEÇÃO RETRATO FALADO:

– Jim Jones, o líder religioso suicida

– Os assassinos que enterravam as vítimas em um pântano

– Gilles de Rais, o nobre francês envolvido com alquimia e demônios

– Charles Sobhraj, o assassino do biquíni

FONTES Sites Rede Globo e Serial Killer e livro Arquivo Serial Killers, de Ilana Casoy