GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Direitos que foram perdidos por heterossexuais recentemente

Esta semana, o ministro João Otávio Noronha do STJ afirmou que heterossexuais estão perdendo direitos. Conheça aqui os direitos que os héteros já perderam.

Está cada vez mais difícil ser heterossexual no Brasil – pelo menos foi o que disseram figuras do Legislativo e do Judiciário essa semana. Para o deputado Rodrigo Delmasso precisamos de uma Semana de Difusão da Cultura Heterossexual. Para o ministro João Otávio Noronha, do STJ, os héteros “estão virando minoria. Não têm mais direito nenhum“.

Inspirada por essas falas, a SUPER decidiu averiguar brevemente a situação dos direitos da população heterossexual. Listamos abaixo nosso diagnóstico.

1 – Direito ao voto: está mantido o direito ao voto para as pessoas que decidam pela heterossexualidade (segundo a percepção do deputado Delmasso de que a orientação sexual é escolha).

2- Acesso ao sistema universal de saúde: o sistema público de saúde, com todos os seus defeitos e suas dificuldades de infraestrutura, não nega atendimento à população heterossexual.

3 – Dirigir: o código de trânsito segue permitindo que a população heterossexual dirija automóveis, desde que mantenha as regras de manutenção e renovação da CNH.

4 – Direito de reunião e liberdade político-religiosa: aos homens que gostam de mulheres e às mulheres que gostam de homens ainda está permitido fazer protesto e ir na igreja. 

5 – Casamento: um homem e uma mulher que sintam atração e desejo sexual um pelo outro ainda podem se casar, caso prefiram assim. Também está autorizado ter filhos ou adotá-los. 

Mas não se preocupem. Encontramos, sim, um “direito” que está sendo, pouco a pouco, questionado. Mas ele não está sendo proibido por lei ou coibido por instituições governamentais de qualquer tipo. Ele só está se tornando progressivamente impopular. Especialmente para as vozes da internet, que descrevem o fenômeno de forma bem mais simples: “Não cola mais”.

1 – O direito ao FOI BRINKS

O direito ao FOI BRINKS pode parecer misterioso  – e é, porque nunca foi de fato um direito. Só nos acostumamos por muitos anos à convenção de que pessoas públicas de todos os tipos podem justificar falas ofensivas (seja quanto à raça, gênero, orientação sexual) e até crimes com uma frase aparentemente mágica: “era só brincadeirinha”. A convenção era internacional, usada em todos os países que dividem as mesmas características de cara de pau. Mas já perdeu a graça. 

Comentários
Deixe um comentário

Olá, ( log out )

* A Abril não detém qualquer responsabilidade sobre os comentários postados abaixo, sendo certo que tais comentários não representam a opinião da Abril. Referidos comentários são de integral e exclusiva responsabilidade dos usuários que escreveram os respectivos comentários.

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

  1. Vagner Mariano

    William Wack ( sei la se escreve assim) quer aderir FOI BRINKS! Ja tem alguns se juntando pra ajudar ele a se pronunciar!

    Curtir

  2. Lucky Skywalker

    Tenho acompanhado os escritos de ódio pela web e também as notícias sobre espancamentos e assassinatos de LGBts, assim como o linchamento moral destes e de outras minorias (mulheres, ateus, socialistas, feministas etc). Entendemos que pessoas irresponsáveis o façam sob o anonimato de perfis fakes, mas quando uma figura pública como esse ministro (!) aderem à “moda” e disparam afirmações tão esdrúxulas que pensávamos vir somente de “ungidos” como Malafaia, Feliciano e outros da mesma laia, ah, então a situação adquire um status muito mais grave e reprovável. Afinal, são formadores de opinião, “otoridades” que o povão segue, na falta de coisa melhor.

    O que esperar deste Brasil com tantos arautos do preconceito, com tantos seres que mais parecem saídos diretamente da Idade Média, de algum auto-de-fé inquisitorial, de alguma caça a bruxas?

    Urge que os de bom senso se levantem contra isso tudo e lancem algo da sua luz, por pouco brilhante que seja, sobre este nosso país cuja crise não é somente política e econômica, mas também, e principalmente, intelectual e moral!

    Curtir

  3. Leonardo Soares

    Não podemos mais ser representados por pessoas com esse tipo pensamento. Estamos perdendo tempo e dinheiro, é o STJ deixando de apreciar questões mais urgentes é importantes, como ocorre em quase todos os níveis de poder.

    Curtir

  4. Parece que a autora da matéria e o editor preferiram ignorar o fato de que a fala do ministro do STJ é obviamente em sentido figurado, uma hipérbole. O ponto é: o exagero na divulgação midiática do modo de vida e valores dos homossexuais irrita os conservadores. Assim como se um grupo religioso insistisse em divulgar o seu modo de vida e seus valores, como que querendo impô-los a outros, isso irritaria a quem não é do mesmo grupo. Preconceito e violência são obviamente errados mas acho que a reação a isso na mídia tem sido excessiva.

    Curtir

  5. Edgar Figueredo de Souza

    Pior foi eu, que gastei meu tempo lendo este texto!
    obs. E “não foi brinks”

    Curtir