GABRILA65162183544miv_Superinteressante Created with Sketch.

Aspirina prolonga o tempo de vida em pacientes com câncer

Durante 13 anos, cientistas estudaram o efeito da aspirina em pacientes com câncer e o resultado foi conclusivo: a droga aumenta o tempo de vida dessas pessoas

Um remédio barato e de fácil acesso provou ser um ótimo meio de aumentar a expectativa de vida em pacientes com câncer: é a velha aspirina. Um estudo foi realizado com 14.000 pacientes da Holanda, que sofriam de câncer no trato gastrointestinal, e os que tomavam o analgésico todos os dias tinham duas vezes mais chances de sobreviver depois de quatro anos. Variantes como idade, sexo, estágio do câncer e outras condições médicas foram levadas em consideração ao longo da pesquisa.

Cientistas acreditam que o benefício é resultado da ação antiplaquetária da aspirina. As plaquetas fazem parte do sangue, e funcionam como coagulantes: sem elas, qualquer pequeno corte seria motivo para uma transfusão. Alguns tumores se escondem do sistema imune se cobrindo de plaquetas. Com as aspirinas, o tumor não tem onde se esconder e é varrido para fora do nosso corpo.

O líder do estudo, Martine Frouws, disse em entrevista que: “(…) muitos tratamentos personalizados são caros e só podem ser usados em poucas pessoas. Nós acreditamos que a nossa pesquisa mostra o contrário – mostra o benefício considerável de uma droga barata, bem estabelecida e de fácil acesso em um grupo maior de pacientes”.

Essa não é a primeira vez que o assunto é levantado. Em 2014, um outro estudo apontou que tomar uma aspirina por dia não só aumenta a expectativa de vida dos pacientes com câncer, mas também previne a doença. Na época, o médico Jack Cuzick falou que “Tomar aspirina parece ser a coisa mais importante que nós podemos fazer para reduzir o câncer, depois de parar de fumar e reduzir a obesidade”.

Agora, novas pesquisas estão sendo realizadas para verificar se as vantagens realmente são maiores que as desvantagens – um dos efeitos colaterais do uso da aspirina é o maior risco de sangramentos internos, o que pode evitar que o tratamento com a droga seja recomendado.