Clique e Assine a partir de R$ 9,90/mês

Câmara autoriza pílula do câncer mesmo sem registro da Anvisa

Câmara passa por cima da Anvisa e autoriza o uso de fosfoetanolamina

Por Pâmela Carbonari Atualizado em 31 out 2016, 18h58 - Publicado em 9 mar 2016, 15h00

Uma nova esperança para os pacientes que lutam contra o câncer: a Câmera dos Deputados autorizou ontem a produção e o uso da fosfoetanolamina sintética, conhecia como “Pílula do Câncer”, antes mesmo do término dos estudos que permitem à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) dar o aval de eficácia e segurança para o registro dela como medicamento. 

LEIA: Verdades inconvenientes sobre a indústria dos remédios

Em outubro do ano passado, a substância suspostamente anticancerígena, pesquisada há 20 anos pelo Instituto de Química da USP de São Carlos, foi proibida pela Justiça por falta de registro sanitário – para o desespero dos pacientes que contavam com ela como alternativa aos tratamentos tradicionais.  Com a liberação, a “pílula do câncer” poderá ser produzida, comercializada e prescrita. Mas até então, o projeto não oferece detalhes sobre a produção da fosfoetanolamina. A decisão da Câmara vai ao encontro do parágrafo único da Lei  No 6.360 de 1976, que confere única e exclusivamente ao Ministério da Saúde a atribuição do registro, da aprovação e da permissão do uso de medicamentos. A partir de agora, o texto segue para aprovação no Senado.

Aprovação por autonomia

A votação do projeto mobilizou deputados da base aliada e da oposição. O deputado Jair Bolsonaro(PP-RJ), por exemplo, é um dos principais defensores da distribuição da fosfoetanolamina. A aprovação, assinada por 26 deputados, se baseou no direito à autonomia dos pacientes decidirem se querem ou não se expor a uma substância ainda sem validação sanitária. Para obter a “pílula do câncer”, as pessoas diagnosticadas com neoplasia maligna deverão assinar um termo de consentimento e responsabilidade. E, mesmo assim, continuarão tendo direito aos métodos tradicionais de tratamento da doença.

Funcionamento

Mas o que acontece no corpo dos pacientes que tomam a “pílula do câncer”? Quando alguém está com câncer, a atividade de suas mitocôndrias é prejudicada. O mau funcionamento dessa parte das células acontece pela deficiência de ácidos graxos – fornecida justamente pela fosfoetanolamina. Sendo assim, as doses extras de fosfoetanolamina colaboram para que as mitocôndrias voltem a funcionar. Com as mitocôndrias em dia, o sistema imunológico entra em ação contra as células cancerosas e começa a disparar o processo de apoptose, ou morte celular. Sendo assim, as “pílulas do câncer” incentivam o sistema de defesa do paciente a matar as células malignas.

LEIA TAMBÉM:
Nova droga é tão eficiente quanto a morfina – e sem os efeitos colaterais
Viciados em remédios
A pílula da inteligência

Continua após a publicidade

Publicidade
Saúde
Câmara autoriza pílula do câncer mesmo sem registro da Anvisa
Câmara passa por cima da Anvisa e autoriza o uso de fosfoetanolamina

Essa é uma matéria exclusiva para assinantes. Se já é assinante, entre aqui. Assine para ter acesso a esse e outros conteúdos de jornalismo de qualidade.

Essa é uma matéria fechada para assinantes e não identificamos permissão de acesso na sua conta. Para tentar entrar com outro usuário, clique aqui ou adquira uma assinatura na oferta abaixo

Transforme sua curiosidade em conhecimento. Assine a Super e continue lendo

MELHOR
OFERTA

Digital

Plano ilimitado para você que gosta de acompanhar diariamente os conteúdos exclusivos no site e ter acesso a edição digital no app.

App SUPER para celular e tablet, atualizado mensalmente.

a partir de R$ 9,90/mês

ou

30% de desconto

1 ano por R$ 82,80
(cada mês sai por R$ 6,90)

Impressa + Digital

Plano completo da Super. Acesso aos conteúdos exclusivos em todos formatos: revista impressa, site com notícias e revista no app.

Acesso ilimitado ao Site da SUPER, com conteúdos exclusivos e atualizados diariamente.

Receba mensalmente a SUPER impressa mais acesso imediato às edições digitais no App SUPER, para celular e tablet.

a partir de R$ 12,90/mês

Publicidade